TROVADORISMO BARROCO ROMANTISMO Objetividade xSubjetividade UniversalismoIndividualismo...

Click here to load reader

download TROVADORISMO BARROCO ROMANTISMO Objetividade xSubjetividade UniversalismoIndividualismo EstabilidadeInstabilidade Equilíbrio RacionalidadeEmotividade

of 60

  • date post

    21-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    113
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of TROVADORISMO BARROCO ROMANTISMO Objetividade xSubjetividade UniversalismoIndividualismo...

  • Slide 1
  • Slide 2
  • TROVADORISMO BARROCO ROMANTISMO
  • Slide 3
  • Objetividade xSubjetividade UniversalismoIndividualismo EstabilidadeInstabilidade Equilbrio RacionalidadeEmotividade Arte visualSonoridade ElitismoOrigem popular PaganismoReligiosidade PonderaoCoita, sofrimento, dor, exagero FormalismoInformalismo
  • Slide 4
  • Mas... Se a emotividade medieval era antes de tudo religiosa,...... no Romantismo, ela emocional, expresso extrema do EU, egosta, individual
  • Slide 5
  • e... A prpria religiosidade medieval, expressa numa postura temerosa de Deus e um menosprezo ao humano, por pecador...... a anttese da religiosidade romntica, em que h uma valorizao da espiritualidade, uma relao do indivduo com a divindade ou o sobrenatural.
  • Slide 6
  • Para simplificar, o Romantismo ... A busca no EU e no PRPRIO SENTIMENTO das respostas que antes se obtinha do estudo dos antigos. A percepo da realidade passa a ser intimista, a realidade penetra a alma para influenciar o culto do EU;
  • Slide 7
  • O Romantismo ... A viso do mundo sob a tica dA EMOO ;
  • Slide 8
  • sentimentalismoo predomnio de sentimentalismo, especialmente deprimido, com valorizao da amargura, da auto-piedade, do martrio, da recluso em si mesmo; O Romantismo ...
  • Slide 9
  • o uso da natureza como cmplice: o humor do eu lrico se reflete nos fenmenos naturais; no raro, o eu-lrico manifesta a percepo da presena divina na natureza, fenmeno chamado PANTESMO; O Romantismo ...
  • Slide 10
  • a amplificao do vocabulrio, com incluso de palavras regionais e populares, pela relativa liberdade mtrica (polimetria, licenas poticas) e pela busca de originalidade; O Romantismo ...
  • Slide 11
  • Misticismo: gosto pelo individual, pelo espiritual, pela atmosfera sombria e nebulosa da Idade Mdia. Agarra-se ao misticismo e sobrenatural para superar angstias, a incerteza, o conflito da alma, as desventuras do amor etc.; O Romantismo ...
  • Slide 12
  • sempre viverei no meu mundo acreditando que sou normal, embora muitos achem o contrrio, prometo que no irei enlouquecer ningum com as minhas idias por isso tranco-me dentro do meu ser... porque tu no entenderias.... o que nem eu mesma entendo....
  • Slide 13
  • Slide 14
  • O TOM eloqente e exclamativo. A poesia marcada por ritmo, musicalidade, de uma sonoridade marcante, era para ser declamada; O Romantismo ...
  • Slide 15
  • Slide 16
  • ...liberdade de criao: o artista recria no a realidade, mas a sua maneira de perceber a realidade. O Romantismo ...
  • Slide 17
  • Expressar-se era exprimir a prpria personalidade. Aplicao dos ideais liberais (pregados como valores sociais) para a arte. Quer-se romper com o passado, com as convenes, com o pr-estabelecido. Revolucionrio, enfim...
  • Slide 18
  • Mal-do-sculo, spleen : o romntico acredita que o esprito humano busca a perfeio, a totalidade, o absoluto, o infinito. O homem no consegue atingir essa plenitude e sofre. O romntico um desajustado, um insatisfeito, o que resulta num sentimento de melancolia, aflio, angstia. A dor decorre da falta de sintonia com sua poca. Da resultam o pessimismo, o gosto pelo sofrimento, a busca da solido. O Romantismo ...
  • Slide 19
  • O Romntico foge da realidade no porque haja algo de errado com ela, Mas sim porque h algo errado com ele... Para suportar, o artista desenvolveu mecanismos de evaso, para si e para sua obra; EVASO: Refugiar-se no sonho e na imaginao, no espao e no tempo, na f e na loucura. Se nada resolver, resta a ltima das fugas...
  • Slide 20
  • A MORTE!
  • Slide 21
  • Voc sabe com quantos anos morreu a maioria de nossos poetas romnticos? Tente adivinhar.... E qual a causa mortis?
  • Slide 22
  • ATITUDES FUNDAMENTAIS DO ROMANTISMO
  • Slide 23
  • REJEIO AO CLSSICO Metamos o martelo nas teorias, nas poticas, nos sistemas. (...) Nada de regras nem de modelos.
  • Slide 24
  • ATITUDES REVOLUCIONRIAS Mercadores do grego e do latim! Pedantes! Ces-de-guarda! Eu odeio-vos, pedagogos! Em vosso aprumo grave, infalvel, estpido, Negais o ideal e a graa, negais a beleza! Desde as asas ao bico, vs me retorcestes no hediondo cavalete de psilons e xis. (Vitor Hugo)
  • Slide 25
  • "Saiba que o corao quem fala e suspira Quando a mo escreve o corao quem manda" (Alfred de Musset) exaltao do sentimento:
  • Slide 26
  • Slide 27
  • A INSATISFAO, A MELANCOLIA, A NOSTALGIA: Eu te direi que numa tarde, abandonado, sozinho no mundo Devorado, como voc, por uma horrvel lembrana Espantar-me-ei com minha prpria misria (Alfred de Musset)
  • Slide 28
  • OS ARREBATAMENTOS PASSIONAIS: " mais fcil apagarem-se as estrelas do cu, do que eu deixar de am-la". (Taunay)
  • Slide 29
  • OS ARREBATAMENTOS PASSIONAIS:
  • Slide 30
  • Baltasar Coutinho lanou-se de mpeto a Simo. Chegou a apertar-lhe a garganta nas mos; mas depressa perdeu o vigor dos dedos. Quando as damas chegaram a interpor-se entre os dois, Baltasar tinha o alto do crnio aberto por uma bala, que lhe entrara na fronte. Vacilou um segundo, e caiu desamparado aos ps de Teresa. (Amor de Perdio Camilo Castelo Branco)
  • Slide 31
  • A NATUREZA CMPLICE:
  • Slide 32
  • Slide 33
  • UFANISMO E SAUDOSISMO
  • Slide 34
  • SAUDOSISMO Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infncia querida Que os anos no trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais! (Casimiro de Abreu)
  • Slide 35
  • Slide 36
  • Religiosidade
  • Slide 37
  • "Verdes mares bravios da minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes de carnaba. Verdes mares, que brilhais como lquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros: O NACIONALISMO
  • Slide 38