Edi§£o 467

download Edi§£o 467

of 12

  • date post

    22-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    223
  • download

    1

Embed Size (px)

description

Edição 467 Jornal Visão Oeste

Transcript of Edi§£o 467

  • Operaes da Secretaria de Segurana e Controle Urbano (Secontru) de Osasco, com a Polcia Militar, tm colocado fim a bailes funk realizados nas ruas da periferia. Nas duas pri-meiras semanas de novembro, operaes do tipo no Conjunto Vitria (zona Sul) tambm apre-enderam carros e motos sem documentao. J no Centro, operaes lacram estabeleci-mentos irregulares.

    Marcada para o prximo dia 29, a eleio na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ter trs chapas concorrentes na subseo de Osasco. Melho-rias no Frum, cuja prometida reforma no comeou, pro-posta comun entre todos os candidatos.

    A equipe do GEO se rea-presentou nesta quinta-feira, 22, de treinador novo. E o que no falta ao novo comandante experincia no futebol. Ex--zagueiro dos clubes pernam-bucanos Sport e Santa Cruz e de times portugueses, Baltemar Brito fez carreira na Europa como auxiliar tcnico de Jos Mourinho, atual treinador do Real Madrid e um dos mais vitoriosos do mundo.

    Audincia pblica em Carapicuba discutiu nesta semana o projeto de constru-o de uma usina de incinera-o de lixo para produo de energia eltrica na divisa da cidade com Barueri. Projeto divide opinies.

    A Previdncia Social paga, a partir da prxima segunda, 26, a segunda parcela do 13 salrio aos aposentados que ganham at um salrio mnimo. Pagamento vai injetar R$ 11,7 bilhes na economia.No Centro de Osasco, agentes da Guarda Civil Municipal e da Secontru lacram comrcio irregular

    O prefeito eleito de Itapevi, Jaci Tadeu (PV), visitou a redao do Viso Oeste e criticou a postura do vereador Teco (PSD) na campanha Prefeitura. Joo Caramez jogou duro, o outro grupo foi desleal, disse.Baltemar e Mourinho na Europa

    Aes da Prefeitura e PM combatem bailes funk

    DISTRIBUIO GRATUITAwww.visaooeste.com.br

    ano 10 - n 467 - de 23 a 29 de novembro de 2012

    Jaci Tadeu diz que Teco foi desleal

    Confira na pgina 8 as vagas de empregos no

    Banda Estatuto da Gafieira traz releituras de msica brasileira no Sesc Osasco

    PGINA 11

    Sesi traz pea infanto-juvenil 1001

    Fantasmas neste

    domingo e segunda-feira

    PGINA 11

    Eleio da OAB ope trs chapas em Osasco

    Grmio Osasco traz tcnico internacional

    Usina de lixo na divisa causa polmica

    INSS paga parcela do 13 a aposentados

    Divulgao

    Repr

    odu

    o

    Edua

    rdo

    Met

    rovi

    che

    Lean

    dro

    Palm

    eira

    Divulgao

    PGINA 6

    PGINA 3

    PGINA 12 PGINA 4

    PGINA 5

    PGINA 7

    Novembro

    Sbado - Sol/chuva33oC mx - 20oC mn

    Domingo - chuva24oC mx - 20oC mn

    Nova Crescente CheiaMinguante

    13 20 286

  • Depois dos primeiros passos rumo ao aguardado entendimento entre o governo federal e o gover-no do estado em torno de uma poltica conjunta de enfrentamento da violncia em So Paulo, a guerra no declarada entre o crime organizado e a polcia paulista fez uma vtima no letal que era, sob vrios aspectos, tambm esperada: o cargo de secretrio de Segurana Pblica do estado. A busca por um substituto para o procurador Antonio Ferreira Pin-to teria comeado h dois meses. Seria, j poca, reflexo do aumento da violncia, em parte credita-da sua viso de que a Rota Rondas Ostensivas Tobias Aguiar e o enfrentamento so a melhor forma de combater o crime.

    Cria-se, com o novo secretrio, Fernando Grella Vieira, a expectativa de uma mudana de rumos na conduo da poltica de segurana pblica para o estado. Uma que favorea o uso da inteligncia e do cruzamento de informaes no estancamento daquilo que mais afeta o crime organizado: o fluxo de caixa. O currculo de Vieira, tambm procurador e ex-coordenador dos trabalhos dos Gaecos (Gru-pos Especiais de Combate ao Crime Organizado) parece indicar que sim. Mas apenas o trabalho do dia-a-dia e os nmeros que viro a seguir vo dizer o que acontecer de fato.

    O fato que o novo secretrio assume com uma enorme responsabilidade nas costas. A ponto de o governo do estado antecipar a divulgao de esta-tsticas sabidamente negativas para no desgastar j de incio a imagem do estreante comando da secre-taria. Enquanto isso, com medo, acuado, o cidado comum aguarda ansioso o dia em que poder voltar a viver a vida sem se preocupar em ser pego no meio do fogo cruzado.

    opinio2

    Uma vtima anunciada da violncia

    Combater o crime compatvel com direitos humanos

    Fernando Grella Secretrio de Segurana Publica de SP, em discurso de posse

    Todos os denunciados, conjuntamente, exerciam a atividade criminosa em forma empresarial, com diviso de tarefas claras, no obstante cada qual atuasse com preponderncia em determinada rea da atividade criminosa

    Daniel Salgado e Lea Batista Procuradores da Repblica, em concluso sobre nova denncia contra o

    bicheiro Carlos Cachoeira

    uma forma de a Cmara devolver ao povo o mandato que os torturadores usurparam de seus representantes

    Luiza Erundina Deputada Federal, sobre devoluo simblica que far ao mandato dos deputados

    cassados na ditadura militar

    O que buscamos Judicirio clere, efetivo e justo. De nada vale o sofisticado sistema de informao, se a Justia falha

    Joaquim Babosa Presidente do STF, em discurso de posse

    EDITORIAL ARTIGOS

    23 a 29 de novembro de 2012

    As opinies expressas nos artigos so de responsabilidade dos autores e no correspondem necessariamente opinio do jornal

    FRASES

    Cria-se com novo secretrio de Segurana expectativa de mudana

    Diretor ExecutivoValter Santos

    Diretor de redaoRenato Rovai - Mtb 23.140

    EditorJeferson Martinho

    (editor@visaooeste.com.br)Projeto Grfico

    Carmem Machado/Publisher BrasilDiagramao

    Rodrigo Domingues(arte@visaooeste.com.br)

    Chefe de ReportagemFernando Augusto

    (redacao@visaooeste.com.br) Reprter

    Leandro Conceio(leandro@visaooeste.com.br)

    EstagirioWilliam Galvo

    Depto. JurdicoEdu der de Carvalho

    Comercialcomercial@visaooeste.com.brContato Publicitrio

    comercial1@visaooeste.com.brImpressoFolha GrficaTiragem

    35.000 exemplares

    Viso Oeste uma publicao semanal da Editora Viso Oeste.

    Av. Yara, 223 - Vila Yara - Osasco - SP Cep 06028-100

    Redao/publicidadeTel.: 3683-3592 - Fax.: 3681-3150

    Filiado a ABRARJ / ADJORI-SPRegistro n 3247 - 1 Oficial de Registro Civil das

    Pessoas Jurdicas de Osasco

    Osasco - Carapicuba - Santana de Parnaba - Cotia - Itapevi - Taboo da Serra - Barueri

    Pirapora do Bom Jesus - Vargem GrandeEmbu das Artes - Itapecerica da Serra - Jandira

    * Jean Wyllys

    Eu havia prometido no responder coluna do ex--diretor de redao de Veja, Jos Roberto Guzzo [ver abaixo], para no ampliar a voz dos imbecis. Mas foram tantos os pedidos, to sinceros, to sentidos, que eu dominei meu asco e decidi responder.

    A coluna publicada na edio desta semana do libelo da editora Abril e que trata sobre o relacionamento dele com uma cabra e sua rejeio ao espinafre, e usa esses exemplos de sua vida pessoal como desculpa para injuriar os homossexuais um monumento igno-rncia, ao mau gosto e ao preconceito.

    Logo no incio, Guzzo usa o termo homossexualis-mo e se refere nossa orientao sexual como estilo de vida gay. Com relao ao primeiro, necessrio esclarecer que as orientaes sexuais (seja voc htero, lsbica, gay ou bi) no so tendncias ideolgicas ou polticas nem doenas, de modo que no tem ismo nenhum. So orientaes da sexualidade, por isso se

    * Paulo Pereira da Silva

    Estamos em viglia na Cmara dos Deputados para pressionar pela extino do fator previdencirio, cujo pro-jeto queremos que seja votado ainda este ano pela Casa. A ao foi convocada pela Fora Sindical e obteve a adeso das outras centrais e de parlamentares da oposio e da base aliada, como os do PDT, PR e PTB, que prometem votar a nosso favor.

    Duas manifestaes de protesto j foram realizadas por sindicalistas, esta semana. A proposta que defendemos permitir que o trabalhador se aposente pela frmula 85/95, que corresponde soma entre idade e tempo de contribuio, para mulheres e homens, respectivamente.

    Este o momento de mobilizarmos toda a sociedade para derrubar o fator, que pode ser comparado a um assal-to praticado pelo governo contra os trabalhadores. um absurdo no conceder uma aposentadoria digna a quem

    fala em homossexualidade, heterossexualidade e bissexualidade. No uma opo, como alguns acre-ditam por falta de informao: ningum escolhe ser homo, htero ou bi.

    O uso do sufixo ismo, por Guzzo, , portanto, proposital: os homofbicos o empregam para associar a homossexualidade ideia de algo que pode passar de uns a outros contagioso como uma doena ou para reforar o equvoco de que se trata de uma opo de vida ou de pensamento da qual se pode fazer proselitismo.

    No se trata de burrice da parte do colunista portan-to, mas de m f. Se fosse s burrice, bastaria informar a Guzzo que a orientao sexual constitutiva da sub-jetividade de cada um/a e que esta no muda (gosta-se de homem ou de mulher desde sempre e se continua gostando); e que no h um estilo de vida gay da mesma maneira que no h um estilo de vida htero.

    Jean Wyllys, deputado federal (PSOL-RJ). Leia este artigo na ntegra no site do Viso Oeste

    trabalhou a vida inteira e colaborou para o desenvolvi-mento do pas.

    Criado no final da dcada de 90, pelo governo Fernando Henrique Cardoso, o mecanismo reduz em at 40% os valores das aposentadorias dos assalariados. Isso significa que ao menos R$ 9 bilhes so retirados todos os anos do bolso dos trabalhadores. O fim do fator chegou a ser apro-vado pelo Congresso em 2010, mas o ento presidente Lula, infelizmente, vetou o projeto.

    Companheiras e companheiros, no basta o Parlamen-to acabar com o fator porque o projeto pode ser vetado pela presidente Dilma Rousseff, que teme um desequil-brio nas contas do governo. Por isso, preci