Caderno de Projeto_ TGI I _ junho 2012

Click here to load reader

  • date post

    30-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Caderno de Projeto da disciplina TGI I da aluna Lívia Teixeira Lopes de Medeiros.

Transcript of Caderno de Projeto_ TGI I _ junho 2012

  • CA

    DER

    NO

    PR

    OJE

    TO_

    TGI I

    _ 2

    01

    2

    CENTRO DE CINCIA

    Lvia Medeiros

  • Tudo comeou com a busca de referncias que condissessem com o meu conceito de SUPERPOPULAO explorado durante o semestre passado na disciplina de Pr-TGI. Com isso, as buscam se encaminharam para projetos que transparecessem a idia de FLUIDEZ, PASSAGEM. A juno dos dois contextos ( superpopulao e fluidez) se deu a partir da contextualizao deles em uma cidade grande onde h necessidade de espaos livres. Porm, tais espaos livres no tendo como objetivo de serem APENAS praas, pois muitas delas so subutilizadas em contextos como este. Seriam sim espaos livres com algum tipo de equipamento pblico.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Referncias e estudos.

  • Leitura de A imagem da cidade _ Kevin Lynch e posterior divagaes.

  • Leituras e divagaes.

  • Estudos de possveis formas para liberao do trreo, gerando novas relaes dos espaos livres e do equipamento projetado.

  • Estudos de possveis formas para liberao do trreo, gerando novas relaes dos espaos livres e do equipamento projetado.

  • Houve a necessidade de se discutir, no entanto, reas de INTENES de projeto com seus devidos entornos. Em que contexto o projeto estaria inserido? Quais as relaes estabelecidas? As reas de interesse deveriam ser estudadas e com estas primeiras anlises tivemos que dar algumas solues as quais foram aprofundadas em seguida com a rea j escolhida. No caso, primeiramente escolhi uma cidade grande, o Rio de Janeiro, onde meus conceitos seriam aplicados, e posteriormente escolhi as reas do Centro (pontos de referncia: Igreja da Candelria e Baa da Guanabara) e da Cinelndia (pontos de referncia: Largo da Carioca e Teatro Municipal).

  • Estudos realizados na rea do CENTRO. Local: estacionamento da Marinha.

  • Estudos realizados na rea do CENTRO. Local: estacionamento da Marinha.

  • Estudos realizados na rea do CENTRO. Local: estacionamento da Marinha.

  • Estudos realizados na rea do CENTRO. Local: estacionamento da Marinha.

  • Estudos realizados na rea da CINELNDIA. Local: terreno onde situava-se 3 prdios que ruram + estacionamento.

  • Estudos realizados na rea da CINELNDIA. Local: terreno onde situava-se 3 prdios que ruram + estacionamento.

  • Estudos realizados na rea da CINELNDIA. Local: terreno onde situava-se 3 prdios que ruram + estacionamento.

  • Estudos realizados na rea da CINELNDIA. Local: terreno onde situava-se 3 prdios que ruram + estacionamento.

  • Escolha pelo terreno do Centro.

  • Consideraes sobre o terreno.

  • Consideraes sobre o terreno.

  • Primeiro estudo do trnsito e do entorno.

  • Mudana de rea: regio frente da Igreja Nossa Senhora da Candelria. Mudana no-significativa, pois o contexto ainda o mesmo, de rea com grande valor histrico e cultural carioca.

  • Consideraes sobre a nova rea.

  • Consideraes sobre a nova rea: destaque para o corredor cultural.

    Regio azul em destaque: corredor cultural . Regio vermelha: rea de projeto.

  • Referncia: Concurso Internacional City Garden Project _ Diller Scofidio

  • Referncia: Midiateca de Sendai_ Toyo Ito.

  • Referncia: Midiateca PUC Rio _ SPBR

  • Referncia: Museu da Escultura_ Paulo Mendes da Rocha.

  • Primeiras idias: o projeto seria uma Midiateca com o intuito de permitir a insero da populao aos equipamentos e inovaes tecnolgicas.

  • O desenho do trreo seria estabelecido a partir dos fluxos de pedestres na regio. Porm, os fluxos no so bem assim na prtica. Eles so barrados pelo grande fluxo de carros presente na Avenida Presidente Vargas que passa ao redor da rea de projeto.

  • Mais estudos do trreo a partir dos fluxos.

  • Estudo virio da rea: parte da Av. Presidente Vargas se tornaria subterrneo atravs de um mergulho que comearia atrs da Candelria e terminaria na entrada do Elevado da Perimetral.

  • Estudo do programa da midiateca pblica.

  • Levantamento do entorno.

  • Levantamento do entorno.

  • Levantamento do entorno.

  • Levantamento do entorno.

  • Levantamento fotogrfico do entorno.

    Avenida Presidente Vargas com a Igreja Nossa Senhora da Candelria ao fundo.

    Elevado da Perimetral visto do terreno da Marinha.

  • Levantamento fotogrfico do entorno.

    Elevado da Perimetral visto do pier da Marinha. Vista de baixo do Elevado da Perimetral: frente Igreja da Candelria, esquerda Centro Cultural Banco do Brasil e Casa Frana-Brasil e direita terreno da Marinha.

  • Levantamento fotogrfico do entorno.

    Elevado da Perimetral visto da rea de projeto. Candelria vista da rea de projeto.

  • Levantamento fotogrfico do entorno.

    Elevado da Perimetral. Elevado da Perimetral e pessoas pescando na Baa de Guanabara.

  • Devido complexidade das referncias histricas da regio este estudo tende a considerar as de maior relevncia para o projeto, estabelecendo uma linha cronolgica que d sentido as mudanas propostas. A histria de Centro da Cidade do Rio de Janeiro confunde-se com a histria da prpria cidade. Embora no haja comprovao, acredita-se que em 1635 uma capela dedicada Nossa Senhora da Candelria j existia onde hoje se encontra a Igreja de Nossa Senhora da Candelria. At o sculo XIX a cidade era praticamente limitada pelos Morros do Castelo, de So Bento, de Santo Antonio e da Conceio. A conquista da terra dava-se ao dessecamento de brejos e mangues e j durava mais de trs sculos. A maioria da populao era escrava e poucos eram os trabalhadores livres. Apenas no decorrer do sculo XIX modificaes substanciais ocorreram. A vinda da famlia real em 1808 trouxe ao Rio uma classe social at ento inexistente, impulsionando as mudanas nos meios de transporte e melhoramento dos servios pblicos. A regio da Candelria correspondia, praticamente, a regio administrativa e concentrava a elite que j construa os primeiros sobrados da rea. O sculo XX traz modificaes propostas pelo Prefeito Pereira Passos, intituladas de "Embelezamento e Saneamento da Cidade" (1902-1906), que consistiam no alargamento das ruas centrais, abertura de vias arteriais e ornamentao das fachadas. A mais importante transformao urbana dessa reforma foi a abertura da Avenida Central (atual Rio Branco).

    HISTRICO

  • Na dcada de 1920 o plano Agache propunha a construo de avenidas largas e novos prdios institucionais. Nos anos 40 a polmica obra para abertura da Av. Presidente Vargas mudaria muito a situao da regio Central com a demolio do quarteiro entre a Rua General Cmara e a Rua de So Pedro, desde a Rua da Quitanda at a Praa da Repblica. No fim dos anos 50, uma nova interveno urbana abriria ainda mais a paisagem em volta da Igreja da Candelria, com a demolio de antigos armazns para a construo da Via Elevada Presidente Juscelino Kubitschek, ou simplesmente Elevado da Perimetral. O primeiro trecho dessa via comeava no Aeroporto Santos Dummont, desembocava justamente na Praa Pio X, em frente Igreja da Candelria. A regio passou ento a abrigar uma rea central de negcios, com edifcios modernos mesclados a edifcios histricos, como casarios eclticos e pequenos comrcios em ruas estreitas que sobreviveram s intervenes do Sc. XX. Propostas como o Corredor Cultural e a Revitalizao do Porto impulsionam o resgate do valor histrico da regio. O entorno imediato da Candelria j serviu de terminal de linhas de nibus. Durante os anos da ditadura militar tambm foi ponto de concentrao para as mais diversas manifestaes polticas. At hoje de l que as passeatas comeam para terminar na Cinelndia.

    HISTRICO

  • O movimento Diretas J reuniu 200.000 pessoas numa passeata que fez o trajeto Candelria Cinelndia, em 1984, um marco na poltica do pas. Lembranas tristes, como a chacina da Candelria (1993) fazem parte do memorial do lugar. Seu entorno, ao longo dos anos, vem sendo usado como local para estacionamento de automveis particulares. A implantao das modificaes urbanas e o projeto da Midiateca evocam a essncia cultural e informacional reprimidas na rea e pretende explorar ao mximo essas caractersticas.

    HISTRICO

    Avenida Presidente Vargas, 1945.

  • O Projeto Porto Maravilha est em consonncia direta com minha rea de projeto. Os planos so alteraes na malha viria, desmontando o Elevado da Perimetral, criando mergulhes, novas vias expressas; criao de grandes praas no local onde era a Perimetral; implantao do sistema de VLT, criao de mais linhas de nibus e uma rede grande de ciclovias. Porm o projeto Porto Maravilha maravilha para poucos. O projeto praticamente no conta com o envolvimento e a participao da populao e lhe falta transparncia nas decises. Ele no tem como diretriz misturar classes sociais e diversificar os usos da regio, considerando os j existentes. A iniciativa no prev aes para valorizar a memria, os patrimnios material e imaterial da regio ou para garantir a permanncia da populao atualmente residente no local.

  • E assim, prossegui o processo de criao..... Alterei o uso do projeto, agora no mais uma midiateca, pois no teria a funo realmente que eu buscava, mas sim, um centro de cincia. Aps pesquisar alguns programas de centros de cincia tive certeza de que era isso que precisava haver naquele local, pois, nele haver possib