Cognição e interacionalidade através do YouTube

Click here to load reader

  • date post

    10-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Cognição e interacionalidade através do YouTube

  • Cognio e interacionalidade atravs doYouTube

    Paulo Henrique Souto Maior Serrano

    ndiceIntroduo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Metodologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Sobre o YouTube e suas Polticas . . . . . . . . . . . . . . . 73 Mapeamento de Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 YouTube como Ferramenta de Aprendizagem . . . . . . . . 145 Valor Cognitivo do Grotesco . . . . . . . . . . . . . . . . . 19Concluso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

    ResumoO YouTube consiste numa ferramenta de publicao de vdeos dispo-nvel no ciberespao com acesso irrestrito, descentralizado e interativo.Esse artigo traz uma abordagem explicativa sobre novas tecnologias eo YouTube descrevendo os seus recursos interativos e funcionais, de-terminantes para a utilizao do sistema como uma ferramenta para ademocratizao da comunicao e aprendizagem.

    Palavras-chave: YouTube. Mdias Digitais. Cibercultura.Bacharel em Comunicao Social, habilitao jornalismo, pela Universidade Fe-

    deral da Paraba.

  • 2 Paulo Serrano

    IntroduoO espao das comunicaes realizadas atravs das redes de computa-dores interconectadas mundialmente chamado de ciberespao o termo uma juno de ciberntico com espao e foi inventado em 1984 porWilliam Gibson no romance de fico cientfica Neuromancer. O cibe-respao possui diversas interfaces, aplicaes e modos de comunicaodistintos, mas basicamente sua funo realizar transmisses de dadosdigitalizados e criptografados.

    Inseridas no ciberespao esto as pginas web, como documentoshipermiditicos - documentos que renem vrias mdias em um suportecomputacional - com ligaes hipertextuais. O hipertexto no jargocomputacional um sistema de interconexo entre os contedos visua-lizados, onde cada documento tem referncias a outros documentos queestendem ou complementam a mensagem inicial conectando e cons-truindo novos sentidos. O conjunto de pginas web forma um site. Oacesso a um site feito atravs de um endereo eletrnico requisitadoem um programa de navegao ou browser.

    A utilizao do ciberespao como forma de comunicao entre pes-soas do mundo todo atravs de comunidades, salas de bate-papo, mun-dos virtuais, entre outras, de forma reducionista trata do conceito decibercultura. A universalidade e a pluralidade so as principais caracte-rsticas da cibercultura.

    A cibercultura encarna a forma horizontal, simultnea, pura-mente espacial, da transmisso. S encadeia no tempo por acrs-cimo. Sua principal operao a de conectar no espao, de cons-truir e de estender os rizomas do sentido. (Levy, 1999)

    O conceito est diretamente relacionado com a atividade humananos ambientes digitais, a cibercultura pode ser entendida como o resul-tado da Comunicao Mediada por Computadores, CMC.

    Esta pesquisa se props a estudar as possibilidades de cognio e in-teracionalidade atravs da pgina da web YouTube, cujo endereo ele-trnico www.youtube.com ou a verso em portugus http://br.youtube.com/, consiste em um servio de publicao de vdeos que propor-ciona aos participantes e visitantes a possibilidade de compartilhar ecomentar clipes de vdeo.

    O sucesso do YouTube com relao aos outros sites de publicaode vdeos encontra-se em dois aspectos:

    www.bocc.ubi.pt

  • Cognio e interacionalidade atravs do YouTube 3

    1) O pioneirismo no processo de digitalizao dos contedos audi-ovisuais. O YouTube foi o primeiro site a utilizar a compresso dosvdeos para o formato FLV, ou Flash Vdeo. Esse formato aumenta acompresso e reduz o tamanho do arquivo, potencializando a veloci-dade de transmisso de dados.

    2) A interatividade. Alm da simples recepo do vdeo, os meca-nismos de resposta propostos pelo site permitem a submisso de comen-trios, inscries, receber notificaes de novos acrscimos de determi-nado usurio e a resposta aos vdeos j publicados. Essa comunicaoentre os usurios do site incentiva troca de informaes e estimula aalteridade com o objetivo de desenvolver o sentimento de comunidade.

    De acordo com Howard Rheingold em seu livro Virtual Commu-nities, ...sempre que a tecnologia CMC (Comunicao Mediada porComputador) se torna disponvel para as pessoas em qualquer lugar, elasinevitavelmente constroem comunidades virtuais, da mesma forma quemicroorganismos inevitavelmente criam colnias. (Rheingold, 2003:5)

    O ciberespao cria um mundo operante, interligado por co-nes, portais, stios e home-pages, permitindo colocar o poder deemisso nas mos de uma cultura jovem, tribal, gregria, que vaiproduzir informao, agregar rudos e colagens, jogar excesso nosistema. (Lemos 2002)

    A observao de trfego e estatsticas do prprio site afirma que60% de todos os vdeos assistidos na internet so originrios do You-Tube. Isso resulta na exibio diria de centenas de milhes de vdeose o envio de centenas de milhares de vdeos tambm a cada dia. A cadaminuto, dez horas de vdeo so enviados e publicados. (fonte: YouTubeFact Sheet)

    Esse excesso de contedo ou dilvio informacional (Levy, 1998),consiste em um fenmeno que surge na sociedade contempornea e quealtera a maneira com que o entretenimento, o lazer, o trabalho, gerenci-amento poltico, democracia, consumo, comunicao, educao, enfim,toda a cultura em geral produzida e recebida pela populao.

    Essa pesquisa parte da hiptese de que possvel, em meio a todo oprocesso catico com que so publicados e armazenados os vdeos noYouTube, que o usurio seja capaz de encontrar contedos que atravsdo processo de interao possam produzir conhecimento. O objetivo

    www.bocc.ubi.pt

  • 4 Paulo Serrano

    comprovar essa hiptese e evidenciar a eficcia desse sistema de pu-blicao audiovisual como uma forma de comunicao educativa mi-diatizada que contribui para processos de autoformao e co-formao(Alava, 2002: 16) entre seus usurios ou visitantes.

    1 MetodologiaA escolha do YouTube como objeto de anlise provocou a necessidadede um rigor sistemtico especfico.

    A estratgia utilizada para a anlise teve por objetivo eliminar o pro-blema da limitao quantitativa que acreditamos no ter comprometidoa qualidade da pesquisa.

    O acervo selecionado composto por aproximadamente 1120 v-deos e 983 canais, a diversidade do contedo denota a preocupao emabranger a pesquisa a todas as categorias disponveis no site, sendo, por-tanto irrelevante a quantidade de contedo existente em cada categoria.

    A primeira etapa da pesquisa consistiu no levantamento bibliogr-fico interdisciplinar, durante esse processo identificamos os autores ca-pazes de auxiliar teoricamente a seleo, anlise e crtica dos contedosselecionados. Acreditamos que o estabelecimento de critrios para ava-liao dos contedos se d atravs da base terica aplicada. O reconhe-cimento do potencial cognitivo, as possibilidades ldicas e interacionaise a competncia comunicativa so alguns conceitos que procuraram serestudados nas obras dos autores selecionados.

    Aps e durante o levantamento bibliogrfico a leitura das obras foiacompanhada pelo fichamento de citaes e de idias relevantes pes-quisa. O aprofundamento na conceituao e na anlise cognitiva dehipermdias alocadas no ciberespao foi fundamental para a pesquisa.O embasamento terico aprofundado facilitou a compreenso dos con-ceitos norteadores e da metodologia aplicada para o estudo desses con-ceitos.

    A terceira etapa buscou mapear as informaes audiovisuais publi-cadas no YouTube. Como j foi afirmado, foram assistidos aproximada-mente 1120 vdeos e 983 canais de exibio, os canais so pginas quearmazenam vrios vdeos de um mesmo autor. Nessa etapa foi possvelencontrar os mais variados contedos, serviram de base para facilitar aquarta etapa da pesquisa que foi a seleo do material mais adequado acada segmento audiovisual publicado no site.

    Durante a atividade de mapeamento dos vdeos foi detectado uma

    www.bocc.ubi.pt

  • Cognio e interacionalidade atravs do YouTube 5

    dificuldade no processo de busca despretensiosa de contedos. Sem aspalavras-chave as categorias disponveis no site seriam a nica forma desegmentar o contedo dos vdeos, porm a categorizao proposta pelosite a categorizao clssica, originria de Plato em seus dilogosPolticos, formando categorias mutuamente exclusivas e coletivamenteexaustivas. Vdeos engraados de animais no eram adequadamente en-quadrados pelos usurios nas categorias humor ou animais. Para re-solver esse problema a melhor soluo encontrada foi desenvolver umaproposta de categorizao dos vdeos a partir de um agrupamento con-ceitual, no qual os objetos podem pertencer a uma ou mais categoriasem graus diferenciados de pertinncia e uma proposta de categorizaoa partir do processo de produo de cada vdeo.

    As categorias existentes no site so:

    Animais

    Cincia e tecnologia

    Educao

    Entretenimento

    Esportes

    Filmes e desenhos

    Humor

    Instrues e estilo

    Msica

    Notcias e poltica

    Pessoas e blogs

    Veculos

    Viagens e eventos

    Na proposta de agrupamento conceitual as categorias disponveis nosite no teriam alterao, apenas ficaria permitido ao usurio incluir oseu vdeo em duas ou mais categorias ao mesmo tempo.

    www.bocc.ubi.pt

  • 6 Paulo Serrano

    A explorao mais apropriada da produo audiovisual publicadano YouTube se deu a partir do desenvolvimento de um mtodo de cate-gorizao que considera essencialmente a esttica de produo de cadavdeo e o pblico originalmente destinado a receber o contedo. Dessaforma, a segmentao feita entre: 1) vdeos adaptados de outras m-dias; 2) vdeos produzidos diretamente para difuso online.

    Os vdeos adaptados compreendem todas as reprodues digitaliza-das de contedos originrios de outras mdias, so adequaes de pro-dutos audiovisuais ou artsticos que tinham como objetivo essencial adifuso em outro suporte