Tributo a solitude

download Tributo a solitude

of 26

  • date post

    27-Jul-2016
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Uma edição sensível que conta um pouco da experiência de ser só.

Transcript of Tributo a solitude

  • tr i butoa solitude

  • FOTOS: mEl COSTA

    Comeo

  • E l fui eu, com uma mochila nas costas, uma mala pesada nas mos, dois cadernos, duas cmeras e muita ansiedade: aps alguns anos, minha primeira viagem s. Aqui voc confere um pouco dessa minha aventura que tem como produto este tributo a solitude. Ser sozinho algo natural e a nica maneira de ser voc. Aprendi muito ficando um tempo em contato comigo mesma e por meio de fotos, anedotas e alguns textos, pretendo trazer a tona toda essa experincia magnfica que estar em paz com seu eu interior.Tudo aqui foi feito por mim. Fotos, textos, arte. Somente assim conseguiria ter a experincia de ser s.

    tributo a solitude

  • Destino

  • O destino, um tanto inesperado, pelo menos para mim: Buenos Aires

    e El Calafate. O primeiro cenrio de uma cidade louca, cheia de

    atraes, fios de eletricidade, moradores de rua, multides, placas

    indicando direo, arquitetura, prdios, cafs, cerveja, muito dinheiro,

    pouco dinheiro, sol, calor, cansao, asfalto. J o cenrio de nmero

    dois exerce o contraponto: tranquilidade e azul. Poucas pessoas, cidade

    quieta, fria e calma, aconchegante. Cheiro de po doce nas esquinas,

    chocolate quente, brisa gelada, cachorros passeando pelas ruas, aquele

    eufemismo que d gosto de ver e sentir... Quase podemos tocar a paz.

  • Solitude

  • A linguAgEm CriOu A PAlAvrA SOlidO PArA ExPrESSAr A dor dE ESTAr SOzinhO. E CriOu A PAlAvrA SOliTudE PArA ExPrESSAr A glria dE ESTAr SOzinhO(TilliCh)

  • Anedotas

  • sozinhoestar uma oportunidade de silncio de liberdadede ser

  • quando se est s, a capacidade de adaptao se torna mais rpida e natural

  • e a observao fica mais aguada, uma vez que voc tem tempo para se sentar e olhar

  • mas no quero que confunda solitude com isolamento.J dizia Balzac, que a solitude tima quando se tem algum para contar que ela tima.

  • Estar sozinho se demorar nos detalhes, nas curvas, no mnimo.Tudo no seu tempo. Para mim, isto incrvel.

  • Fui tentar caminhar sob uma geleira. Sim, uma geleira, um iceberg, um glaciar. Enorme, lindo, azul e inofensivo. mas no para mim, que nasci com uma deficincia nas pernas que me fazem andar mais devagar e diferente. E mesmo com esse probleminha eu acordei bem cedo, coloquei todas minhas roupas de frio e fui para a tal aventura. logo que cheguei senti dificuldades ao andar

    sobre rochas. uma guia, percebendo o meu andar, me perguntou o que eu tinha nas pernas e eu expliquei resumidamente e assumi o risco de continuar. uma pedra, um escorregozinho, uma olhadela para confirmar se ningum tinha notado o deslize... Beleza, continuei. Comecei a falar palavras de incentivo para mim mesma em voz alta e elas comearam a fazer efeito. Coloquei os grampones (acessrio fixado aos ps para andar

    no gelo) e tentei me adaptar a eles. um passinho para c, outro acol: complicado mas passa. Comeamos a aventura propriamente dita e meus primeiros passos no gelo foram timos, equilbrio perfeito. mas a primeira subida surgiu: e para mim, foi dificlimo. A guia, que havia perguntado antes sobre minha perna me ajudou e advertiu que o caminho a frente era pior. Falei que iria tentar, mas a segunda subida surgiu e foi mais complicado ainda. novamente a guia me

  • falou que no seria bom se eu continuasse. dessa vez, cedi. Percebi que os limites existem sim. Peguei a mo da moa e voltei toda a trilha percorrida. Admiti que no iria conseguir e encarei a derrota. desta vez no fiquei com vergonha e nem chorei por ter falhado, acho que finalmente compreendi minhas limitaes. Elas no me impedem de tentar, mas limitam. O negcio no saber o seu limite ou

    at onde voc pode chegar e sim, aceitar quando no puder mais seguir em frente. meu grande aprendizado e o que quero passar para voc que me leu at aqui : se no puder ir alm, volte de cabea erguida e aproveite o caminho, cada adversidade atrai novas experincias. Eu, por exemplo, como no consegui realizar a trilha,

    me sentei confortavelmente e assisti as paredes de gelo lentamente deslizando para o lago, fiz um novo amigo, comi frutinhas das rvores ao redor e escrevi esse texto. viu como uma derrota pode se transformar em momentos incrveis? s estar disponvel para curtir.

  • sozinhoestar estar em paz(e saber que isso no necessariamente estar feliz)

  • Pincelada

  • FACEBOOK.COm/rEviSTAliBErTE