QUALIDADE DE VIDA NOS DOENTES COM ACALÁSIA · PDF filefrequente, nenhum doente perda...

Click here to load reader

  • date post

    11-Feb-2019
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of QUALIDADE DE VIDA NOS DOENTES COM ACALÁSIA · PDF filefrequente, nenhum doente perda...

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

TRABALHO FINAL DO 6 ANO MDICO COM VISTA ATRIBUIO DO GRAU DE

MESTRE NO MBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM

MEDICINA

HENRIQUE JOO DE MIRANDA LEMOS DONATO BENTO

QUALIDADE DE VIDA NOS DOENTES COM ACALSIA

ARTIGO CIENTFICO

REA CIENTFICA DE GASTRENTEROLOGIA

TRABALHO REALIZADO SOB A ORIENTAO DE:

PROF. DOUTOR JOS MANUEL ROMOZINHO

DR. PAULO SOUTO

MARO / 2011

1

Qualidade de Vida nos Doentes com Acalsia

Henrique Joo de Miranda Lemos Donato Bento

Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal

e-mail: [email protected]

2

Resumo

Introduo: A acalsia um raro distrbio esofgico com impacto significativo na qualidade

de vida dos doentes.

Objectivos: Analisar uma amostra de novos casos de acalsia, avaliando a evoluo do

quadro clnico e da qualidade de vida com o tratamento, bem como a relao entre remisso

clnica e qualidade de vida.

Metodologia: Numa amostra de novos casos de acalsia, foram analisados dados

demogrficos, clnicos e a qualidade de vida, antes e aps tratamento. Utilizaram-se a escala

sintomtica de Eckardt, questionrio de qualidade de vida especfico para acalsia

(questionrio de Urbach) e questionrio SF-36.

Resultados: Dezoito doentes efectuaram tratamento, 33,3% eram homens, sendo a mdia de

idades de 46,5 anos (18,42) e a mediana do tempo de atraso de diagnstico 2,4 anos. Foram

classificados como acalsia vigorosa 33,3% dos casos. Previamente ao tratamento, 94,4% dos

doentes apresentavam disfagia frequente, 55,6% regurgitao frequente, 38,9% dor

retroesternal frequente, 33,3% perda ponderal importante. A mediana na escala de Eckardt era

6,5; no questionrio de Urbach 57 e nas escalas do SF-36: 87,5 na funo fsica; 100 no

desempenho fsico; 46,5 na dor corporal; 46 na sade geral; 40 na vitalidade; 50 na funo

social; 67 no desempenho emocional; 40 na sade mental. Aps o tratamento, 38,9%

apresentavam disfagia frequente, 1 doente regurgitao frequente, 11,1% dor retroesternal

frequente, nenhum doente perda ponderal importante. A mediana na escala de Eckardt era 2;

no questionrio de Urbach 33 e nas escalas do SF-36: 95 na funo fsica; 100 no desempenho

fsico; 73 na dor corporal; 58,5 na sade geral; 67,5 na vitalidade; 81,5 na funo social; 100

no desempenho emocional; 74 na sade mental. Verificou-se uma melhoria significativa na

3

escala de Eckardt, no questionrio de Urbach e nas escalas do SF-36 (p < 0,05), exceptuando,

neste ltimo caso, o desempenho fsico e emocional. A remisso clnica foi detectada em

61,1% dos doentes, com valor mediano no questionrio de Urbach de 23, enquanto os que no

estavam em remisso apresentavam o valor de 52. Neste ltimo grupo, no se observou

melhoria significativa da qualidade de vida com o tratamento.

Concluses: O tratamento da acalsia tem impacto positivo tanto na sintomatologia como na

qualidade de vida dos doentes. Uma boa qualidade de vida geralmente alcanada. A

qualidade de vida, avaliada pelo questionrio de Urbach, correlaciona-se bem com a

gravidade sintomtica.

Palavras-chave

Acalsia; Qualidade de vida; Questionrios; Resultado de tratamento; Remisso clnica.

4

Abstract

Introduction: Achalasia is a rare disorder of the esophagus with significant impact on the

patients quality of life.

Objectives: To examine a sample of new cases of achalasia, assessing changes in clinical

presentation and quality of life with treatment, as well as the relation between clinical

remission and quality of life.

Methods: Demographic, clinical and quality of life factors were examined, before and after

treatment, in a sample of new cases of achalasia. Eckardt symptom score, achalasia specific

quality of life questionnaire (Urbach questionnaire) and SF-36 were used.

Results: Eighteen patients received treatment, 33,3% of which were men. Mean age was 46,5

years (18,42), median delay of diagnosis was 2,4 years. Vigorous achalasia was detected in

33,3% of cases. Before treatment, 94,4% of patients had frequent dysphagia, 55,6% frequent

regurgitation, 38,9% frequent retrosternal pain and 33,3% significant weight loss. Median

Eckardt score was 6,5; median Urbach questionnaire score was 57. Median scores in SF-36

scales were: physical function 87,5; role-physical 100; bodily pain 46,5; general health

46; vitality 40; social function 50; role-emotional 67; mental health 40. After

treatment, 38,9% had frequent dysphagia, one patient had frequent regurgitation, 11,1% had

frequent retrosternal pain. No patient had significant weight loss. Median Eckardt score was

2; median Urbach questionnaire score was 33. Median scores in SF-36 scales were: physical

function 95; role-physical 100; bodily pain 73; general health 58,5; vitality 67,5;

social function 81,5; role-emotional 100; mental health 74. A significant improvement

was observed in the Eckardt score, the Urbach questionnaire score and in the SF-36 scales (p

< 0,05). Exceptions in this last case were role-physical and role-emotional. Clinical remission

5

was observed in 61,1% of patients, with a median Urbach score of 23. Patients not in

remission had a median Urbach score of 52. These patients didnt show improvement in

quality of life with treatment.

Conclusions: Treatment has a positive impact on both patients symptoms and quality of life.

In general, a good quality of life is achieved. Quality of life, evaluated by the Urbach

questionnaire, correlates well with symptom severity.

6

Introduo

A acalsia um raro distrbio motor primrio do esfago, com uma incidncia anual estimada

de 1 em 100.000.1 Resulta de um processo neurodegenerativo, que conduz a aperistalse e

incompleto relaxamento do esfncter esofgico inferior (EEI) com a deglutio. Tais

alteraes so responsveis pelo quadro clnico de disfagia para slidos e lquidos, perda

ponderal, regurgitao, dor torcica e pirose.2,3

A progresso destes sintomas geralmente

indolente, levando a adaptaes graduais que limitam a vida social.2

Para o diagnstico de acalsia so geralmente realizados trnsito esofgico baritado,

endoscopia digestiva alta (EDA) e manometria esofgica. O primeiro revela alteraes

sobretudo em formas mais avanadas. A EDA geralmente realizada para excluso

diagnstica. A manometria esofgica o gold standard para o diagnstico de acalsia. Na

apresentao clssica so caractersticas a aperistalse, hipertenso do EEI e relaxamento

incompleto deste com a deglutio.2 No entanto, existem doentes em que o peristaltismo

esofgico est aumentado, a acalsia vigorosa.3

Nenhum tratamento consegue reverter ou impedir a degenerao neuronal. O objectivo

daquele reduzir a presso do EEI, de modo a permitir a progresso dos alimentos.4

Relativamente s opes teraputicas, a farmacolgica claramente limitada e a injeco

endoscpica de toxina botulnica est associada a uma recorrncia sintomtica extremamente

alta aps dois anos.5 A dilatao pneumtica endoscpica e a miotomia de Heller combinada

com procedimento anti-refluxo, por via laparoscpica, permanecem como as duas opes de

tratamento mais eficazes.6

importante avaliar o impacto do tratamento nos sintomas crnicos e na qualidade de vida,

pelo facto dele ser dirigido paliao das queixas, que permanecem residualmente na maioria

7

dos doentes tratados.7,8

A eficcia clnica das modalidades de tratamento diminui com o

decorrer do tempo, realando a importncia do seguimento.6

Mtodos de avaliao da qualidade de vida relacionada com a sade so frequentemente

utilizados para analisar o efeito de tratamentos,9,10

tendo os especficos por patologias

recebido muito interesse nos ltimos 20 anos.10

No entanto, no que respeita a acalsia, a

informao publicada sobre a frequncia ps-tratamento de sintomas tem sido limitada.11

O

efeito do tratamento na qualidade de vida s recentemente tem sido avaliado, assim como a

relao da remisso clnica com a recuperao da qualidade de vida.11,12

O sucesso dos tratamentos tem sido determinado subjectivamente pelo grau de satisfao dos

doentes, que no se correlaciona bem com a gravidade sintomtica. Eckardt et al promoveram

um mtodo de avaliao sintomtica na acalsia,13

no qual os parmetros considerados so a

frequncia de disfagia, regurgitao e dor retroesternal, bem como o grau de perda ponderal.

O SF-36 uma medida genrica de sade desenvolvida pelo Medical Outcomes Study, nos

anos 80. Contm 36 itens, cobrindo oito dimenses do estado de sade: funo fsica,

desempenho fsico, dor corporal, sade em geral, vitalidade, funo social, desempenho

emocional e sade mental. Existe uma verso traduzida e validada para a populao

portuguesa.14

Urbach et al desenvolveram e validaram um questionrio de qualidade de vida especfico para

acalsia, que avalia a tolerncia alimentar, modificaes do comportamento relacionadas com

disfagia, dor, pirose, sofrimento, limitaes ao estilo de vida e grau de satisfao.15

Foi

tambm