As sociedades secretas os templários

Click here to load reader

  • date post

    03-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    1.489
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of As sociedades secretas os templários

  • 1. AS SOCIEDADES SECRETAS OS TEMPLRIOS Fundada em 12 de junho de 1118, em Jerusalm por Hugues de Payens e Gogofredo de Saint Omer. Chamada de "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomo", a Ordem do Templo foi criada , supostamente, para defender Jerusalm dos infiis, guardar o Santo Sepulcro e proteger os peregrinos caminho a Terra Santa. Aps o trmino da construo do Templo de Jerusalm, Salomo levou a Arca para l. O Templo era a casa do Senhor, edificado por Salomo, para a eterna habitao do Senhor, com a presena da Arca e das Tbuas da Lei como testemunhas. Esses dois fatos so mencionados na Bblia pela ltima vez e com preciso em ( I Reis 8,9). O grande interesse pela Arca no se prendia apenas ao valor religioso que elas apresentavam, mas tambm, segundo Charpentier, pelos captulos mais importantes e essenciais nelas escondidos cuidadosamente e fora do alcance do pblico. Essa parte continha a sabedoria antiqussima, a verdadeira Lei Divina participada a Moiss, no Monte Sinai, ou escrita por ele mesmo com os conhecimentos que adquirira atravs de sua iniciao no Egito. Seja qual for o sentido esotrico dos documentos trazidos, o fato que nas Tbuas no havia mensagens mticas os consideraes vagas que pudessem dar margem a interpretaes arbitrrias. Pois a parte da lei no destinada ao pblico formava uma enciclopdia compacta e de natureza cientfica e parecida com o texto de Hermes Trimegisto contendo dados de milhares de anos antes de Moiss. Essa cincia podia ser comparada perfeitamente a um impresso poltico ou, ao que tudo indica, seria um manual prtico para o esclarecimento do reino de Deus. Em conseqncia s informaes dos telogos e cabalistas judeus que, o grupos dos Templrios foram Jerusalm para conquistar a Arca e seu contedo inestimvel. A inteno era por em prtica, com muito cuidado e de maneira experimental, a verdadeira Lei Divina, chave dos segredos do universo, para o bem da humanidade. Tal misso lembra-nos a procura do Santo Graal, assunto que, nas dcadas seguintes, passou a Ter um vivo interesse na literatura Ocidental. Baldwuin II, rei de Jerusalm, recebeu a ambos e mais sete templrios nos alojamentos das estrebarias do Templo de Salomo onde permaneceram por nove anos e seus trabalhos e pesquisas permaneceram secretos. Eles retornaram Europa plenos de glria e mistrios e seu retorno coincidiu com a

2. construo das primeiras catedrais gticas. O SURGIMENTO DA ARQUITETURA GTICA Um ncleo, provavelmente ultra secreto, dos Templrios, formado liderana da Ordem (seria esse o pequeno grupo dos cavaleiros do Graal), dispunha, por meio das tbuas completas da lei, de um conhecimento ainda hoje fora do alcance da humanidade. Por exemplo, podemos provar que os Templrios no s racionalizou como tambm revolucionou a agricultura. No tempo do florescimento da Ordem do Templo, surgiu a arquitetura gtica. Curiosamente , esse "aparecer" foi repentino, e no resultado de um crescimento orgnico e lento. O goticismo no cresceu da arquitetura romana que a precedeu. Era algo completamente novo. Subitamente estava l. A arquitetura romana baseia-se numa fora que age de cima para baixo; a cpula redonda pressiona com seu peso os muros e estabiliza dessa maneira a construo. Os arcos pontudos da catedral gtica baseiam-se exatamente no princpio contrrio: a presso age de baixo para cima. Enquanto uma cpula romana pode eventualmente cair, se mal construda, um arco gtico pode explodir. Trata-se de um caso de tenso dinmica. Resumindo. Podemos dizer que os arquitetos romanos, com toda sua inteligncia, aplicaram nas suas construes uma tcnica pouco diferente daquela usada pelos construtores megalticos, quando amontoavam pedras pesadas umas sobre as outras. J a catedral gtica exige um conhecimento muito maior, assim como dados cientficos, tradicionalmente recebidos ou geometricamente calculados e recalculados constantemente. Isso superava amplamente os conhecimentos daquela poca. Alm da arquitetura e agricultura, um outro fato vlido tambm para o campo financeiro. Os monarcas estavam constantemente sem dinheiro. As cidades eram pequenas e o ncleo de habitantes tambm; a igreja protegia cuidadosamente seu tesouro. Os funcionrios pblicos eram, salvo raras excees, bastante pobres. Logicamente podemos perguntar o que estaria atrs dessa mania de construir que consumia somas astronmicas. muito provvel que essas construes, surgindo de uma hora para outra, dentro de um curto espao de tempo, dezenas ao mesmo tempo, faziam parte de um gigantesco projeto ainda no esclarecido para a humanidade. De onde vieram esses operrios especializados, do arquiteto ao escultor ou o chaveiro, num mundo de relativamente poucos habitantes? Seja como for, nasceu uma classe de operrios de construo, treinados numa tcnica exemplar e fisicamente livres para, em caso de necessidade, se locomover de uma 3. oficina para outra, sem problemas. No sem razo que se considera essas oficinas de construtores livres (chamadas loges, em francs) como precursores das lojas franco-manicas. Entre as invenes dos Templrios, podemos acrescentar a idia original da criao dos bancos, com seus cheques e outros mtodos de crditos, projetados para ajudar as finanas e suas atividades na Terra Santa. CABALA (trechos extrados do livro "Dogma e Ritual da Alta Magia) A Alquimia tomou emprestado da Cabala todos os seus signos, e era na lei das analogias, resultantes da harmonia dos contrrios, que baseava suas operaes. A magia a primeira das cincias e a mais caluniada de todas, porque o vulgo obstina-se em confundir a magia com a bruxaria supersticiosa cujas prticas abominveis so denunciadas. Os prprios historiadores religiosos reconhecem a existncia e o poder da magia que concorria abertamente com a de Moiss. Saber, ousar, querer, calar-se, so os quatro verbos cabalsticos do tetragrama e as quatro formas hieroglficas da esfinge. Saber a cabea humana; ousar so as garras do leo; querer so as ilhargas laboriosas do touro; calar so as asas msticas da guia. A magia a cabala fsica. OS MISTRIOS MGICOS TEORIA DA VONTADE A vida humana e suas dificuldades incontestveis tm por finalidade, na ordem da sabedoria eterna, a educao da vontade do homem. A dignidade do homem consiste em fazer o que quer e querer o bem, em conformidade com a cincia do verdadeiro. O bem conforme ao verdadeiro o justo. A justia a prtica da razo. A razo o verbo da realidade. A realidade a cincia da verdade. A verdade a histria idntica do ser. O homem chega idia absoluta do ser por duas vias; a experincia e a hiptese. A hiptese provvel quando solicitada pelos ensinamentos da experincia; improvvel ou absurda quando rejeitada por esse ensinamento. A experincia a cincia e a hiptese a f. A verdadeira cincia admite necessariamente a f; a verdadeira f conta necessariamente com a cincia. Este relato , no mnimo, intrigante. Como nove membros da nobreza conseguiriam proteger peregrinos, guardar o Santo Sepulcro e, pior, defender Jerusalm? Alm do mais, no se admitia outros membros nessa poca. Na verdade, esta Ordem foi 4. criada por uma outra Ordem e esses nobres permaneceram dentro do Templo de Jerusalm para uma cumprir uma misso. Misso definida e claramente apoiada pelo rei de Jerusalm, Baldwuin II que era na verdade, um descendente da nobreza francesa, da casa dAnjou. Os Templrios juraram pobreza, castidade e obedincia; no aceitavam adeptos, porm a Ordem dos Templrios foi uma das mais ricas instituies posteriormente e contavam com milhares de adeptos. Por trs da Ordem do Templo, se ergueram figuras mticas de personagem bem curiosos, que inspiraram o ideal Sinrquico Templrio do Oriente em conjuno com os Ismaelitas do Velho da Montanha, os cabalistas, judeus da Espanha muulmana, as ordas do Khanat de Gengiskan , os cavaleiros rabes de Saladino, as histrias do clice, romances e lendas da Tvola Redonda, Parcival entre outros. Um mpeto espiritual sem precedentes na histria medieval. E Jerusalm foi tomada de assalto no sculo XII, o que tambm descaracterizou a principal misso externa da Ordem do Templo. So Bernardo de Clairvaux, fundador da Ordem Cistercense, foi o patrono dos templrios e recebeu de presente vrias propriedades pertencentes aos templrios. Bernardo de Clairvaux defendia os judeus e convidava escriturlogos cabalistas para trabalhar na abadia de Clairvaux. Ele pediu a cooperao da Ordem, atravs de Hugues de Payen, para reabilitar os ladres, sacrlegos, assassinos, perjuros e adlteros, porm que estivessem dispostos as se alistar nas fileiras das cruzadas pela libertao da Terra Santa. Em 1128 de nossa era, o Papa Honrio II aprova a Ordem Templria, dando a eles uma vestimenta especial, um hbito e um manto brancos. Em 1145 o Papa Eugnio III, lhes concede como distintivo, a cruz vermelha, que foi inicialmente usada do lado esquerdo do manto e mais tarde, tambm no peito. Em 1163, o Papa Alexandre III outorgou a carta constitutiva da Ordem, que na verdade parecia com as regras da Ordem Cistercense. Devido as doaes altssimas de jias e terras, auferiram poderes e, at chegaram a s render obedincia ao gro-mestre e ao Papa. Uma informao deve ser acrescentada: O Vaticano, em Roma, est por cima do cemitrio onde supostamente Pedro, o Apstolo foi enterrado aps ser crucificado de cabea para baixo. A autoridade Papal baseada no fato de Jesus Ter chamado Pedro de "rocha", que ele daria continuidade a mensagem externa de Jesus. Os templrios, por sua vez, possuam a misso de guardies da 5. mensagem interna, ou seja, do continusmo proftico da arca da aliana, tesouros espirituais e, dos segredos da genealogia de Jesus que, descendendo da linhagem de Davi, via Salomo era, alm do Messias Prometido, um rei de fato. Eram mais afeitos Joo (NT) que , segundo relato bblico, recebeu de Jesus a incumbncia da linhagem ou seguidores da linhagem, j que Jesus solicitou a Joo que cuidasse de Maria, sua me e vice-versa.. A Ordem do Templo era constituda de vrios graus e a mais importante foi a dos cavaleiros, descendentes de alta estirpe em sua maioria. Tinham tambm clrigos ( bispos, padres e diconos) e outras duas classes de irmos servidores, os criados e artfices. Chegaram a ser grandes financistas e banqueiros internacionais, cuja riquezas chegaram a o seu apogeu no sculo XIII. Seu papel na Igreja pode ser avaliado pelo fato de haver representantes nos Conclios da Igreja catlica (Troyes, Lato, Lyon). Devido ao extremo sigilo de sua misso e sua iniciao, os leigos atribuam as mais horrveis prticas e histrias infundadas. Aps a tomada de Jerusalm pelos sarracenos (muulmanos que negociavam, no perodo de trgua, com os templrios, pois acreditavam ser prudente Ter algum dinheiro investido com os cristos para o caso de que os avatares da guerra pudessem terminar em alguma espcie de pacto com os europeus) em 1291, adveio a queda do reino latino; o quartel general da Ordem foi transferida da Cidade Santa para Chipre, e Paris passou categoria de seu principal centro na Europa. Embora a Ordem tenha sido abalada em sua razo de ser quando o tmulo de Cristo passou para os muulmanos, ainda era poderosamente rica e, a corte da Frana alm do Papa deviam dinheiro a eles e passaram a ser cobiados pelo rei francs, Felipe, o Belo. Esse rei confiscou os haveres dos lombardos e judeus e os expulsou do pas. Os templrios corriam perigo pois o imenso patrimnio (150.000 florins de ouro, 10.000 casa ou solares, inmeras fortalezas, pratarias, vasos de ouro, entre outras preciosidades. Trinta mil simpatizantes em 9.000 comendadorias entre Palestina, Antiquia, Tripoli, Frana, Siclia, Inglaterra, Esccia, Irlanda etc. Isto era apenas o que o rei sabia , em seu territrio. Felipe e o Papa fizeram uma perigosa cilada, ajudada por opositores que, interessados na desmoralizao da Ordem, contra ela, levantou graves acusaes. Em 13 de outubro de 1307, numa Sexta feira, mandou prender todos os templrios e seu gro-mestre, Jacques de Molay, os quais, submetidos inquisio, foram por estes, acusados de 6. hereges. Por meio de inominveis torturas fsicas, infligidas a ferro e fogo, foram arrancados desses infelizes as mais contraditrias confisses. O Papa, desejoso de aniquilar a Ordem, mantendo a hegemonia da Igreja de S. Pedro, e livrar-se da dvida, convocou o Conclio de Viena em 1311, com esse fim mas no conseguiu. Convocou um outro, porm privado em 22 de novembro de 1312 e aboliu a Ordem, conquanto admitindo a falta de provas das acusaes. As riquezas da Ordem foram confiscadas em benefcio da Ordem de So Joo, mas certo que uma grossa parcela foi parar nos cofres franceses de Felipe, o Belo. A tragdia atingiu seu ponto culminante em 14 de maro de 1314, quando o gro-mestre do templo, Jacques De Molay e Godofredo de Charney, preceptor da Normandia, foram publicamente queimados no pelourinho diante da Catedral de Notre Dame, ante o povo, como hereges impenitentes. Diz-se que o gro-mestre, ao ser queimado lentamente, voltou a cabea em direo ao local onde se encontrava o rei e imprecou: "Papa Clemente, Cavaleiro guilherme de Nogaret, rei Felipe...Convoco-os ao tribunal dos cus antes que termine o ano, para que recebam vosso justo castigo. Malditos, malditos, malditos!...Sereis malditos at treze geraes..." E de fato, antes de decorridos o prazo, todos estavam mortos. Em Portugal, o rei D.Dinis no aceita as acusaes, funda a Ordem de Cristo para qual passou alguns templrios. Na Inglaterra, o rei Eduardo II, que no concordara com as aes do sogro. Felipe, ordena uma investigao cujo resultado proclama a inocncia da Ordem. Na inglaterra, Esccia e Irlanda, os templrios distriburam-se entre a Ordem dos Hospitalrios, monastrios e abadias. Na Espanha, o Conclio de Salamanca, declara unanimemente que os acusados so inocentes e funda a Ordem de Montesa. Na Alemanha e Itlia a maioria dos Cavaleiros permaneceram livres. Tambem os rozacruzes, Grande Fraternidade Universal, OSTG (Ordem sagrada do Templo e do Graal. A destruio da Ordem no suprimiu os ensinamentos mais profundos. A maonaria e a Ordem DeMolay mantm a mstica at os dias de hoje. A ORDEM ATRS DA ORDEM A misso do priorado do Sion continuou intocvel. Os seguidores da linhagem mantiveram-se atentos e, apesar do sofrimento do segmento da Ordem dos Templrios, e o surgimento de outras denominaes envolvendo os templrios, os guardies do Graal e dos tesouros hebraicos continuavam sob a gide do Priorado de Sion. Mas quem foram realmente os templrios e qual foi a verdadeira 7. finalidade da criao dessa Orem de Cavalaria? Se havia uma Ordem que autorizou esta faco, o que ela realmente desejava? Quem seriam? Quando foi fundada? E por que? De acordo com os lendrios conhecimentos ocultos e bem guardados pelos templrios antigos e modernos, os princpios que serviram de ideal para a fundao oficial da Ordem do Templo perante o mundo profano, so to antigos quanto a prpria histria da humanidade. Existiram os cruzados e os templrios, onde estes ltimos seguiram um objetivo bem diferente do que o da conquista de Jerusalm...Ao se instalarem nas runas do templo de Salomo, diz-se que eles encontraram os tneis secretos que levavam ao tesouro da biblioteca oculta onde estava guardados os segredos da antiga Ordem Hermtica a qual pertenceu o rei Salomo, contendo tambm os diversos segredos de construo e arquitetura (gtica), segredos de navegao , as tbuas da lei e a arca da aliana, ressurgindo assim, os sagrados ideais de outrora, ocultado no interior de uma Ordem monstica com o nome de "Ordem dos Pobres Companheiros de Cristo", ficando conhecida mais tarde por "Ordem dos Pobres Cavaleiros do Templo de Salomo, ou do Templo de Jerusalm", e , finalmente "Ordem do Templo". Vencidos os obstculos, descobriram uma passagem oculta s conhecida antes por iniciados nos mistrios, e no fim dessa passagem, uma porta dourada onde estava escrito: "Se a curiosidade que aqui vos conduz, desisti e voltai. Se persistirdes em conhecer os mistrios da existncia, fazei antes o vosso testamento e despedi-vos do mundo dos vivos". Dessa forma, aps muita hesitao, um dos cavaleiros bateu na porta dizendo: "Abri em nome de Cristo" e a porta abriu-se. Ao entrarem, encontraram entre figuras estranhas um forma de esttuas e estatuetas, um trono coberto de seda e sobre ele, um tringulo com a dcima letra hebraica, YOD. Junto aos degraus do trono, estava a Lei Sagrada. A Ordem do Templo sempre possuiu duas hierarquias, uma Interna e outra Externa. Faziam parte da Hierarquia Externa, os militares que defendiam a Terra Santa e os peregrinos que a ela se dirigiam. J a Interna, era composta por homens e algumas mulheres que se dedicavam principalmente aos estudos hermticos e ocultos. No incio da Ordem, os Mestres do Templo eram sempre oriundos da Hierarquia Interna, sendo portanto, grandes Iniciados nos mistrios. Mas, a partir do mestrado de Bertrand de Blanchefort (1156-1169), introduziu-se o costume de escolher como Mestre do Templo, um profano da Hierarquia Externa que j tivesse, inclusive, desempenhado altas funes no Reino de Jerusalm, sendo Cavaleiros j amadurecidos na observncia da 8. regra. Esse costume demonstra o possvel desejo de garantir a influncia da Ordem perante aqueles que exerciam o poder na poca, influncia alis, que j era muito grande. Foi nessa poca tambm que houveram muitos desmandos, vcios, prepotncia e arrogncia dos Mestres do Templo. Isto talvez explique os erros lastimveis que cometeram os Mestres da Ordem, como por exemplo, a perda da batalha de Hattin e a conseqente perda de Jerusalm durante o mestrado de Gerard de Ridefort (1184-1189). Por erros e traies perpetradas por alguns Mestres, muitos se revoltaram dentro e fora da Ordem, at que novamente conseguiram trazer para Mestre, Jacques de Molay, que apesar de ser praticamente iletrado, possua o verdadeiro corao de um templrio, sendo um dos responsveis pela perpetuao da Hierarquia Interna atravs dos difceis dias daquela poca da Inquisio, bem como pela passividade diante da destruio da Hierarquia Externa, aceita pelos Mestres Ocultos do Templo como condio para que a Sabedoria secreta Pudesse ser salva. Seria difcil crer que um exrcito disciplinado e treinado, com milhares de homens, com influncias em todas as reas e possuidores de imensas riquezas, no tivesse amigos e informantes. Dessa forma, puderam os altos dignitrios do Templo, dar a seus membros, palavras de passe e sinais de reconhecimento, para que se albergassem em outras confrarias onde seriam acolhidos e protegidos, principalmente pelos franco-maons. Seus verdadeiros tesouros, isto , seus conhecimentos, foram resguardados de mos profanas, os arquivos e pergaminhos valiosos, foram colocados a salvo. Portanto, a Hierarquia Externa do templo, seu lado profano e militar, perdeu seu poderio. A ORDEM DE CRISTO Conforme foi dito em outro captulo, Felipe, o Belo, rei da Frana, junto com o Papa Clemente, dizimaram a fogo todos os templrios que puderam e confiscaram todos os seus bens; e que houve um xodo de templrios para Portugal, Inglaterra, Irlanda etc. Com a chegada dos templrios em Portugal em 1307, D.Diniz os recebeu e funda a "Ordem de Cristo! Que recebeu em 1416 D. Infante de Sagres como gro-mestre. Conforme havamos dito, os templrios tinham os segredos da arquitetura e construram prdios gticos. Tambm possuam segredos de navegao e astronomia. Parecia loucura para os europeus circunavegar a frica e chegar s ndias, onde chegou via Coluna de Hrcules s Amricas, terra de Ofir, as naus Fencias entre outras, 9. sculos antes de Cristo. No havia conhecimento sobre navegar o hemisfrio Sul, porque s o cu do Norte havia sido mapeado. Acreditava-se tambm que, no sul, os mares eram repletos de monstros terrveis. De onde teria vindo a informao de que era possvel encontrar um novo caminho para o Oriente? Possivelmente dos templrios que, durante as cruzadas, alm de se especializarem no transporte martimo de peregrinos para a Terra Santa, mantiveram intenso contato com os viajantes de toda a sia e segredos martimos da Ordem do qual pertencia o rei Salomo. Alguns historiadores tradicionais informam que a Amrica foi visitada regularmente por Vikings e na poca pr-crist por egpcios, gregos, fencios, cartagineses e celtas. Todas essas informaes haviam sido catalogadas e guardadas por ocultistas famosos desde a poca de Salomo, e isto o mais longe que sabemos. Fontes como a mitologia clssica, lendas indgenas e folclores martimos sugerem estas visitas. Antes de Colombo, informa-se que o prncipe Henry Sinclair, cavaleiro do Templo de Salomo. Esses mesmos cavaleiros templrios serviram de base para a Franco-Maonaria Escocesa que herdaram seus segredos e mistrios. (Vide nosso site sobre os Fencios na construo do Templo de Salomo) A proposta visionria recebeu o aval do Papa MartinhoV, em 1418, na bula Sane Charissimus. As terras tomada dos "infiis" passariam Ordem de Cristo, que teria sobre elas tanto o poder temporal, de administrao civil, quanto o espiritual, isto , o controle religioso e a cobrana de impostos eclesisticos. Em 1498, o cavaleiro Vasco da Gama conseguiria chegar s ndias. D. Henrique morreu em 1460, no assistindo portanto o seu triunfo. E Portugal ia se tornando a maior potncia martima da terra. A Escola de Sagres foi uma lenda criada por poetas romnticos portugueses do sculo XIX. Na verdade, foi do porto de Lagos , no Sudoeste de Portugal que a Ordem de Cristo , liderada por D. Henrique deflagrou a expanso martima do sculo XV. A Ordem de Cristo , sendo prosseguimento da Ordem dos Templrios tinham normas secretas e s conhecidas na totalidade pelo gro-mestre, podendo assim Ter interesses prprios. Ao entrar na companhia, o novato conhecia s uma parte das regras que o guiavam e , a medida em que era promovido , sempre em batalha, tinha acesso a mais conhecimento, reservados aos graus hierrquicos superiores. Rituais de iniciao marcavam as promoes. Foi essa estrutura 10. que permitiu , mais tarde, Ordem de Cristo manter secreto os conhecimentos de navegao do Atlntico. Usavam a cruz vermelha em fundo branco nas naus portuguesas ; a mesma que a Ordem dos Templrios usavam. O castelo de Tomar virou a caixa-forte dos segredos que a inquisio no conseguiu arrancar. At a metade do sculo XV, os cavaleiros saram na frente sem esperar pelo Estado Portugus. Uma vez anunciada a colonizao, eventualmente doavam famlia real o domnio material dos territrios , mantendo o controle espiritual. A corte, interessada em promover o desenvolvimento da produo de riquezas e do comrcio , cabia ento consolidar a posse do que havia sido descoberto. Em 1550, o rei D. Joo III fez o Papa Julio III fundir as duas instituies. Com isso, o gro-mestre passa a ser sempre o rei de Portugal, e o seu filho tem direito de suced-lo tambm no comando das expedies. Os templrios tinham em suas mos relatrios reservados de navegadores que j haviam percorrido regies desconhecidas e ver preciosidades como as tbuas de declinao magntica, que permitiam calcular a diferena entre o polo norte verdadeiro e polo norte magntico que aparecia nas bssolas. E medida que as conquistas avanavam no Atlntico , eram feitos novos mapas de navegao astronmica , que forneciam orientao pelas estrelas do hemisfrio sul, a que tambm unicamente os iniciados tinham acesso. Todos sabem que Cabral s esteve no comando da esquadra porque era cavaleiro da Ordem de Cristo e como tal , tinha duas misses: criar uma feitoria na ndia e , no caminho , tomar posse de uma terra j conhecida Brasil. Sua presena era indispensvel pois s a Ordem de Cristo , herdeira da Ordem dos Templrios tinha autorizao para ocupar os territrios tomados dos infiis. Mas o sucesso atraa a competio. A Espanha , tradicional adversria , tambm fazia poltica no Vaticano para minar os monoplios da Ordem , em ao combinada com seu crescente poderio militar. Em 1480, depois de vencer Portugal numa guerra de dois anos na fronteira, os reis Fernando e Isabel, comearam a interessar-se pelas terras de alm mar. Com a viagem vitoriosa de Colombo Amrica, em 1492, o Papa Alexandre VI , um espanhol de Valncia, reconheceu em duas bulas, a Inter Caetera, o direito de posse dos espanhis sobre o que o navegante genovs havia descoberto e rejeitou as reclamaes de D. Joo II de que as novas terras pertenciam a Portugal. O rei no se conformou e ameaou com outra guerra. A controvrsia induziu os dois pases a negociarem , frente a 11. frente, na Espanha, em 1494, um tratado para dividir o vasto novo mundo que todos pressentiam: "O Tratado de Tordesilhas". Na volta da viagem Amrica, em 1493, Cristvo Colombo fez uma escala em Lisboa para visitar o rei D. Joo II, um gesto corajoso. O soberano estava dividido entre dois conselhos: prender o Genovs ou reclamar direitos sobre as terras descobertas. Para a sorte de Colombo decidiu pela Segunda alternativa. Como a reivindicao no foi atendida acabou sendo obrigado a enviar os melhores cartgrafos e navegadores da Ordem de Cristo, liderados pelo ex-presidente Duarte Pacheco Pereira, a Tordesilhas , na Espanha, para tentar um tratado definitivo, mediado pelo Vaticano, com os espanhis. Apesar de toda a contestao a seus atos , a santa S ainda era o nico poder transnacional na Europa do sculo XV. S ela podia mediar e legitimar negociaes entre pases. O cronista espanhol das negociaes, Frei Bartolomeu de Las Casas, invejou a competncia da misso portuguesa. No livro "Histria de Las ndias" , escreveu: "No que julguei, tinham os portugueses mais percia e mais experincia daquelas artes, ao menos das coisas do mar que as nossas gentes". Sem a menor dvida, era a vantagem dada pela estrutura secreta da Ordem. Portugal saiu-se bem no acordo. Pelas bulas Inter Caetera, os espanhis tinham direito s terras situadas mais de 100 lguas a Oeste e Sul da Ilha dos Aores e Cabo Verde. Pelo acordo de Tordesilhas, a linha divisria e imaginria , que ia do polo norte ao polo sul, foi esticada para 370 lguas, reservando tudo que estivesse a leste desse limite para os portugueses. "trechos extrados de Jorge Caldeira, da revista Super Interessante, ano: 12 - n 2 - fev 98." OS CAVALEIROS TEMPLRIOS OS HOSPITALRIOS Os cavaleiros hospitalares de So Joo, Jerusalm, Rodhes e Malta. Formados depois da primeira cruzada. A ordem dos Hospitalrios dedicou-se originalmente medicina, curando e provendo o repouso para os peregrinos. Devido s contnuas invases muulmanas, os hospitalares adotaram a filosofia guerreira dos Templrios e rapidamente dedicaram-se defesa militar da cristandade. Porm, os cavaleiros hospitalares nunca esqueceram suas origens e sempre mantiveram hospitais para cuidar dos doentes e feridos. Os hospitalares foram a nica a sobreviver inclumes aos turbulentos sculos (ainda hoje a Ordem Hospitalria atuante, com sede na ilha de Malta, no Mediterrneo) em que 12. atuaram. Durante os ltimos sculos, eles agiram freqentemente em auxlio ao brao da espionagem do Vaticano. A maioria das pessoas os vem como dedicados obras beneficientes especialmente em auxlio pelo mundo inteiro em servio de ajuda a desastres. Os membros desta ordem, aparecem em pblico normalmente muito bem vestidos. Como a maioria dos mdicos, eles acreditam em padres altos de limpeza e higiene. Seu uniforme cerimonial negro com uma cruz branca (a cruz maltesa). Ocasionalmente, os guerreiros monges mais antigos, usam batas vermelhas com a cruz maltesa branca. Desde que foram expulsos de sua sede na ilha de Malta em 1700, por Napoleo, os Hospitalrios tiveram que contentar-se com uma propriedade pequena perto do Vaticano em Roma. Porm, foi permitido recentemente aos cavaleiros, reaverem seu castelo de Valletta; entretanto, o Malts j no os aceita como senhores. Os membros dessa Ordem so geralmente escolhidos entre os mdicos, homens de cincia ou com tendncia ao sacerdcio conforme comentamos acima, um brao dos Hospitalrios foi fortemente envolvido na espionagem do Vaticano durante sculos. O autor levanta a suspeita de que ainda hajam membros da Ordem dedicados esta tarefa. Esta a Ordem mais tradicional ( do ponto de vista de submisso ao Papa) e coloca grande nfase em religio e cerimnias religiosas. Como resultado, s so permitidas para as mulheres servir dentro da Ordem de uma maneira no combatente. Os Hospitalrios tm um forte senso de justia. Eles no auxiliaro nenhuma pessoa ou criatura que eles pensem que so ms e isto os pem freqentemente em conflito com os Templrios e Teutnicos. PRINCPIOS HISTRICOS Os cavaleiros hospitalares pertencem uma Ordem cuja poderosa documentao os torna oficiais, legais at os dias de hoje. Seus tradicionais rivais foram os Cavaleiros Templrios. Sua estrutura bsica bastante parecida com a dos Templrios, porm com maior enfoque em sade e medicina. A Ordem de Saint John, originou-se com o hospital dedicado a So Joo em Jerusalm, aproximadamente em 1070, trinta anos antes da primeira cruzada, por um grupo de comerciantes italianos que queriam cuidar dos peregrinos. Foi constituda como uma Ordem aproximadamente em 1100, logo aps a primeira cruzada , quando assumiu seu primeiro gro-mestre principal ( seu autor no cita o nome). Por volta de 1126 porm, aproximadamente 8 anos depois dos Templrios, publicamente, apareceram como "Os Cavaleiros de Saint John", comeando a assumir um carter crescentemente 13. militar, que ficaria, com o tempo, mais proeminente que o prprio servio de hospital para o qual tinham sido institudos. O autor cita aqui que em sua opinio, os Hospitalrios podem Ter sido obrigados a adotar o brao combatente, por que os Templrios no estavam fazendo o trabalho a eles destinados, dedicando-se a percorrer a Terra Santa, em busca de relquias Santas, em vez de proteger os peregrinos. Os Hospitalrios, juntos com os Templrios e Teutnicos, tornaram-se o exrcito principal e o poder financeiro da Terra Santa. Este poder expandiu-se ao longo do mediterrneo. Como os Templrios, eles ficaram imensamente ricos. A Ordem desenvolveu-se em um exrcito vasto, organizao eclesistica e administrativa com centenas de cavaleiros, um exrcito parado, numerosos servios secundrios, uma cadeia de fortalezas e propriedades enormes de terras pelo mundo Cristo. A ordem permaneceu verdadeira s suas origens e mantm at os dias atuais, hospitais atendidos por seus prprios cirurgies e demais funcionrios. Em 1307, quando os Templrios foram acusados de uma srie de ofensas contra a ortodoxia catlica, os Hospitalrios conseguiram ficar imunes de qualquer estigma. Eles retiveram o favor do papado. Na Inglaterra e em outros lugares, ex-propriedades dos Templrios foram devolvidas - impulsionando ainda mais suas riquezas. Depois de 1291, os Cavaleiros de So Joo retiraram-se para Chipre. Em 1309 eles estabeleceram sua sede na Ilha de Rhodes que governaram como o principado privado. Eles ali permaneceram durante dois sculos e resistiram a dois ataques dos turcos. Em 1522, um terceiro ataque os forou a abandonar a ilha e em 1530 eles novamente estabeleceram-se em Malta. Em 1565, Malta foi sitiada pelos turcos em uma tentativa ambiciosa para conquistar o Mediterrneo. Em uma defesa pica, 541 cavaleiros Hospitalrios e sargentos junto com 1500 soldados a p e mercenrios repeliram os repetidos ataques de 30000 inimigos. A derrota histrica infligida aos turcos, destruiu seus planos de invaso. Seis anos depois, em 1571, a Frota da Ordem, junto com navios de guerra da ustria, Itlia e Espanha, ganharam batalha naval de Levanto e quebraram o poder martimo turco. A frota dos Hospitalrios foi premiada com crditos pelos afundamentos. No dcimo sexto sculo eles eram ainda um exrcito supremo com poderes navais considervel no mundo Cristo, contando com fora e recursos financeiros comparvel maioria das naes. Mas a reforma protestante tinha comeado a quebrar a fora na 14. Europa Catlica, e a prpria Ordem viu-se fendida com novas convices. A Europa passou para uma idade nova de tolerncia religiosa e mercantilismo. Os cavaleiros ainda estavam em Malta em 1798, entretanto a Ordem havia transformado-se em apenas uma sombra do que eles eram. A Freemason tinha corrodo as suas submisses catlicas e quando Napoleo invadiu a ilha a caminho do Egito, os cavaleiros no ofereceram nenhuma resistncia. Quando Horatio Nelson recapturou as ilhas, os cavaleiros puderam ali restabelecer uma presena no oficial. Em 1834, uma base oficial era estabelecida em Roma. Uma vez mais dedicados ao hospital e ao trabalho, junto sade, os cavaleiros mantm sua fortaleza em Malta mas, no tm nenhum poder de governo. De maneira muito interessante, foi considerado seriamente a possibilidade de entregar Israel para os Hospitalrios depois da Segunda Guerra Mundial. Do ponto de vista de direitos internacionais, os Cavaleiros de Malta so encarados como um principado soberano independente, com a opo de um assento nas Naes Unidas (o qual eles nunca ocuparam) Podem ser identificadas embaixadas na frica e pases americanos latinos com plenos privilgios diplomticos. OS TEUTNICOS Nome completo: A Ordem Sagrada dos Cavaleiros Teutnicos. A Ordem dos Cavaleiros Teutnicos foi fundada em 1900 por cruzados alemes na Palestina e foi reconhecida pelo Papa em 1199, instituda depois dos Cavaleiros Templrios, e dos Hospitalrios, restringiu a admisso Ordem, apenas aos membros da Nobreza. A nova Ordem, constituiu-se no principal grupo militar Alemo. Em 1229, os Cavaleiros Teutnicos comearam uma cruzada para converter e pacificar eslavos pagos da Prssia. Eles esmagaram os eslavos nativos e adotaram para si prprios, um estado de semideuses. A forma impiedosa de combater os inimigos, rendeu aos Teutnicos a reputao de guerreiros malignos. Os Cavaleiros Teutnicos tornaram-se cnicos, e acreditavam que a eliminao total do inimigo era o nico meio de erradicar rapidamente o mal. Para atingir seus objetivos, seu treinamento militar era supremo. Vestidos para batalha, so iguais a todos os demais cavaleiros; em alguns casos um Teutnico pode Ter alguns suplementos opcionais alinhavados em seu vesturio, entretanto, normalmente, suas batas eram brancas e adornados 15. com uma cruz preta simples. Aps as batalhas da Idade Mdia, durante vrios sculos, um pequeno grupo de Teutnicos serviu em Viena como uma pequena chama que mantinha viva a Ordem; porm, agora que a Ordem dos Cavaleiros Teutnicos foi restabelecida, eles readquiriram sua antiga sede no Castelo de Marienburg . Os membros da Ordem so encarados pela populao em geral, como pessoas normais que pertencem uma Ordem semi clerical, dedicada ao trabalho de caridade; mas, segundo o autor, os membros da Ordem tm fora para dobrar barras de ferro, o que os afasta da mdia da populao. Os Cavaleiros Teutnicos escolhem os seus scios cuidadosamente, geralmente provenientes de polcias especiais os foras armadas de vrios pontos ao redor do mundo. A maioria dos Cavaleiros Teutnicos vm destes exrcitos ou equipes da fora policial. So muito reservados e raramente revelam sua identidade em pblico. Esta a nica Ordem que obriga os seus membros s antigas regras de no manter contatos familiares. Os fundos financeiros deles so quase impossveis de serem localizados, seus detalhes pessoais so protegidos at mesmo de Teutnicos da mesma categoria e suas habilidades de luta so cuidadosamente desenvolvidas. Para pertencer Ordem necessrio possuir muito bons atributos fsicos e ser um excelente lutador. Sua fama de possurem um temperamento agressivo, e freqentemente esto ansiosos para entrar numa briga. Este tipo de atitude interpretado pelos Hospitalrios e Templrios como puro instinto animal. As outras Ordens no apreciam o dio e a preocupao com que os Teutnicos agem com os inimigos. Os Teutnicos normalmente ficam frustrados com estratgias a longo prazo. Eles gastam a maior parte de suas vidas treinando para lutar e querem pr todo o treinamento em prtica rapidamente. Tendem a serem difceis de se dar socialmente. Repugnam o artifcio ou as tticas sutis e acreditam na confrontao frente-a-frente como melhor ttica de aproximao. Isto os conduziu freqentemente, em desentendimentos com os Hospitalrios e Templrios. As vezes os Teutnicos quando fora da Ordem, ignoram as instrues de seus prprios oficiais, se julgarem que a mesma imprpria ou incorreta. Princpios Histricos: Os Cavaleiros Teutnicos so um exrcito e Ordem Religiosa Alem, baseada nos Hospitalrios e Templrios. a mais jovem das 3 Ordens militares, foram fundadas em 1190 como uma 16. unidade de auxlio, por comerciantes alemes preocupados com os compatriotas sujeitos s doenas. Os membros do grupo estabeleceram-se entre os integrantes do exrcito Cristo acampado fora do Acre. Pouco depois, foi-lhes concedido terras para construir um hospital, e tambm um Estado Monstico. Os Teutnicos foram ento, surpreendidos com a instruo do Papa Innocent III, para se tornarem uma Ordem Militar. O brao militar era baseado no modelo dos Cavaleiros Templrios e o hospital nos Cavaleiros Hospitalrios. A Ordem dos Teutnicos no restringiu ento, aos seus membros, a exigncia de pertencer nobreza alem. Os nicos limites eram ser um homem livre e no estar casado. A Ordem geralmente usava um hbito branco com uma cruz preta. Cada um dos doze Captulos da Ordem , havia um lder conhecido como Komtur, significando o oficial da diligncias. Quando um gro-mestre morria , todos os Komturs reuniam-se para eleger treze membros que , em troca , elegeria um novo gro-mestre. Os outros oficiais do comando (GrossKomtur) , eram: os Ordensmarshall, o Tressler (o tesoureiro) , os Spittler (hospitalrios) e o Trapier (chefe de quartel). A Ordem nunca se distinguiu na Terra Santa. No lutou nenhuma batalha famosa , nem desfrutou inicialmente a riqueza de apoio dada s outras Ordens. parcialmente por causa dessa falta de apoio que permaneceu um movimento puramente germnico; fato este que logo direcionou seus interesses para prpria Ptria. Em 1216, a Ordem perdeu a maioria dos seus cavaleiros e seu gro-mestre em ao na defesa da Terra Santa. A Ordem ficou em Acre at a queda do reino em finais do 13 sculo, quando os Teutnicos aumentaram gradativamente sua fora nos Balcs. A Ordem ajudou o rei Andrew da Hungria nos meados de 1210, a desalojar os Kumans que estavam invadindo a Transilvnia. Outro que pediu ajuda Ordem foi o Duque polaco Conrad de Masovia, que pediu para a Ordem proteo contra os pagos que invadiam suas terras. A ordem era inumana em sua briga contra as tribos pags, at mesmo com pequenos contingentes de cavalarias eram praticamente invencveis em face a qualquer inimigo. Os Teutnicos no tinham misericrdia. Qualquer homem , mulher ou criana conquistado tinha que se converter ou seriam executados. Os nativos tornaram-se servos da Ordem , controlados de uma srie de fortalezas poderosas. Os domnios Teutnicos estenderam-se pelos Blcs da Polnia, pela Litunia e Sucia. Nos 100 anos seguintes eles estenderam seu domnio ao longo do Bltico do Golfo da Finlndia para as margens do Pomeranian. Os Teutnicos colonizaram a terra com alems e estabeleceram um governo central forte e com sede em Mariengburg Prssia. 17. Rebelies nos anos 1.260 foraram a Ordem em seus limites. Depois que vrios castelos Balcnicos e Acre caram em finais do 13 sculo, os cavaleiros migraram a sede deles para Veneza. Os territrio perdido nos Blcs foi logo recapiturado. Os cavaleiros Teutnicos governaram a nova terra deles eficazmente. A maioria dos colonos achou estranho Ter que responder a assuntos financeiros a monges que no foram autorizados a possuir qualquer coisa, mas isto limitou a corrupo e permitiu que os negcios fossem operados com eficcia. Durante princpios de 1.300, a Inquisio atacou os Templrios e Teutnicos com as acusaes de crueldade e bruxaria ; entretanto o teatro de operaes dos Teutnicos (Prssia e Costa do Bltico) , colocou-os em segurana , alm do alcance de qualquer autoridade que poderia agir contra eles. As regras dos Teutnicos no era fcil. No 14 sculo aconteceram uma srie de batalhas contnuas contra Lituanos; at 80 expedies ao todo com at sete em um ano. Os Teutnicos alcanaram o Cume do seu poder e reputao durante esse perodo, aparecendo ento, algumas das melhores mentes militares da era. Muitos membros da SS auto nomearam-se como cavaleiros da Ordem Militar. A Ordem dos cavaleiros Teutnicos ainda existe na ustria como uma organizao semi-clerical, dedicada ao trabalho de caridade. OS LUGARES SANTOS 4.1 - VALLETA , MALTA (Hospitalares) Entre suas caractersticas originais, possua uma srie de albergues (pousadas) , representando reas da Europa , tais como Arago , Frana, Alemanha, Provence, Castilha, Itlia e Inglaterra. Na costa norte da ilha est a Bahia onde So Paulo Naufragou em sua tentativa de chegar em Roma. A presena dos cavaleiros permanece, com vrias estruturas e fortificaes que comemoram locais com significado religioso; mas mais proeminente a do castelo do mar de SantAngelo, o forte de St Elmo e o subrbio cercado de vittoriosa , abrangendo dois promotrios que proveram um porto natural facilmente defendido. Todos esses pontos tornou-se a cidade de Valleta. A cidade foi nomeada em homenagem ao gro-mestre Jean de la Valette, veterano do ataque de Rhodes sendo considerado como o defensor prspero de malta contra os Turcos Otomanos. No cho de um quarto esto 375 tabletes (lajotas) de mrmore , cada uma ricamente decorada e registrando as aes da Ordem. Este quarto conhecido o mausolu de cavalheirismo. O grande hospital - contendo um dos quartos maiores em toda a Europa - o ponto alto da construo mdica hospitalria. o 18. pupilo principal mede 185 ps de comprimento por 35 ps de largura, com 31ps de altura (p direito). Construdo por volta de 1570 e est atualmente desativado. Foram observados padres rgidos de limpeza e higiene , pelos hospitalrios, que cuidaram dos pacientes usando utenslios de prata para assegurar higiene, alm de contarem com um corpo de cirurgies da Ordem, considerados como os melhores e mais bem treinados de toda a Europa. A cidade foi tomada por Napoleo Bonaparte em 1798 sem resistncia. Reduzidos a alguma propriedade de terra em edifcio em Roma , os hospitalrios buscaram consolo nas origens de sua Ordem e devolveram suas regras. Com o tempo, com o reaparecimento de seu poder e prestgio, foi devolvida a sua propriedade dentro de Valleta. CASTELO DE MARIENBURG, POLNIA (Teutnicos) A sede dos cavaleiros Teutnicos na Prssia Oriental (agora Polnia), castelo de Marienburg foi construdo originalmente em 1276 pelo gro mestre Von Winrich Kniprode como uma fortaleza funcional e sua importncia foi estratgica para o comando e sede dos Teutnicos por volta de 1309. Como os cavaleiros ampliaram seus territrios e trouxeram paz para a rea, o castelo tornou-se um magnfico hotel para os nobres visitantes e cavaleiros que quiseram tomar parte nas campanhas da Ordem. Reformados completamente durante o 19 sculo, foi bombardeado pelos aliados que o reduziram a runas durante a Segunda guerra mundial. O governo polons devolveu o castelo aos Teutnicos como meio de restabelecer a tradio e manter o local histrico. CAPELA DE ROSSLYN, ESCCIA (Templrios) Trs milhas sul de Edinburg e sete milhas da antiga sede dos Templrios, na Esccia, em Balantrodoch, est a aldeia chamada Rosslyn. Empoleirado na extremidade de um desfiladeiro sobre a cidade encontramos a capela de Rosslyn - gotejando to pesadamente com esculturas gticas, nrdicas e Clticas que parecem ser parte de algo maior. Esta era a inteno. Pretendia-se originalmente que a capela de Rosslyn fosse a capela da senhora , parte de uma estrutura maior que pretendeu ser a maior Catedral na Europa. A falta de capital e a necessidade de ateno em outro lugar (?) impediu a obra de ser completa. O interior da capela que teve essas fundaes iniciadas em 1446 , contm muitas imagens esculpidas alm de padres geomtricos e smbolos que so muito populares entre os freemasons . OS TEMPLRIOS NA ATUALIDADE Os Templrios atualmente so pessoas intelectuais e empresrios de alto nvel aquisitivo. O equipamento 19. (atualmente apenas ritualstico) de combate igual aos tradicionais cavaleiros, porm, no admitido o uso de nenhuma marca, broche, smbolo ou emblema de identificao. Suas batas monsticas e cerimoniais so distintivas, com uma cruz alargada vermelha ( a cruz patt ou de malta) fixada sobre um fundo branco. Sua bandeira um cu preto em um campo branco ou a to conhecida bandeira quadriculada ( usada para designar os vencedores em competies). Os atuais Templrios pertencem a um grupo cauteloso e fechado, que aps a amarga experincia de princpios do sculo XIV, costumam manter-se hermticos. So pessoas que do muita importncia investigao e pesquisa. Dezenas de grupos que se denominam descendentes dos Templrios de Origem, na verdade no o so. Quase todos os Templrios so obcecados pelo conhecimento; sendo este, considerados como primrios para o desenvolvimento da habilidade de pesquisa. Eles tm conceitos profissionais altamente educados. Cultivam o desenvolvimento intelectual, bem como o burocrtico, investigativo. Lingstico, legislativo e habilidades financeiras. Possuem tambm, fortes contatos, influncias e recursos. ESTUDOS DAS SOCIEDADES SECRETAS CABALA (Alguns trechos extrados do "A Chave dos Grandes Mistrios", por Eliphas Levi, de Acordo com Henoch, Hermes Trimegisto e Salomo. /chave absoluta das cincias ocultas dadas por Guilherme Postel e completado por Eliphas Levi. "Todo saber o sonho do impossvel, mas ai de quem no ousa aprender tudo e no sabe que para aprender alguma coisa, preciso resignar-se e estudar sempre! Dizem que para bem aprender preciso esquecer vrias vezes..." Existe um alfabeto oculto e sagrado que os hebreus atribuem a Henoch, os Egpcios a Tot ou a Trimegisto, os gregos, a Cadmo e a Palamdio. Esse alfabeto, conhecido pelos Pitagricos, compe-se de idias absolutas ligadas a signos e a nmeros e realiza, por suas combinaes, as matemticas do pensamento. Salomo havia representado esse alfabeto por 72 nomes escritos em trinta e dois talisms e o que os iniciados do Oriente denominam ainda de "as pequenas chaves ou clavculas de Salomo". Essas chaves so descritas e seu uso explicado num livro cujo dogma tradicional remonta ao patriarca Abrao, o Sopher Ytsinah que penetra o sentido oculto de Zohar, o grande livro dogmtico da Cabala dos hebreus. 20. A necessidade de crer liga-se estreitamente necessidade de amar. por isso que as almas tm necessidade de comungar com as mesmas esperanas e com o mesmo amor. As crenas isoladas no passam de dvidas. A f no se inventa, no se impe, no se estabelece por convico poltica; manifesta-se, como a vida, com uma espcie de fatalidade. Tudo o que eleva o homem acima do animal, o amor moral, a abnegao, a honra so sentimentos essencialmente religiosos. As instituies como o lar, a ptria, se degradariam completamente e no saberiam existir, uma crena em alguma coisa maior do que a vida mortal, com todas as suas vicissitudes, suas ignorncias e suas misrias. A essncia do objeto religioso o mistrio, uma vez que a f comea no desconhecido e abandona todo o resto s investigaes da cincia. Mas para que o ato de no seja um ato de loucura, a razo quer que ele seja dirigido e regulado. Chega-se ento a uma dupla definio; a verdadeira religio natural a religio revelada, acima das discusses humanas pela comunho da f, da esperana e da caridade. No h religio sem mistrios e nem mistrios sem smbolos. Metforas no deveriam ser confundidas com realidade nem f com histria. O smbolo a forma de expresso do mistrio, ele s exprime sua profundidade desconhecida por imagens paradoxais emprestadas do conhecido. Crer e saber so dois termos que nunca se podem confundir. Ousemos apenas confirmar que existe um fato imenso, igualmente aprecivel pela f e pela cincia, um fato que torna Deus visvel de algum modo sobre a terra, um fato incontestvel e de alcance universal; esse fato a manifestao no mundo, a partir da poca em que comea a revelao crist, de um esprito evidentemente divino, mais positivo que a cincia em suas obras, mais magnificamente ideal em suas aspiraes que a mais elevada poesia, um esprito para o qual era preciso criar um nome novo e que , tanto para a cincia quanto para a f, a expresso do absoluto; a palavra caridade e o esprito de que falamos o esprito da caridade. Diante da caridade, a f e a cincia inclinam-se vencidas. Ela, por si s, leva compreenso de Deus porque contm uma revelao inteira. A UNIDADE Para os iniciados da cabala, Deus a unidade absoluta. A unidade da inteligncia humana, demonstra a unidade de Deus. As matemticas no poderiam demonstrar a fatalidade cega, uma 21. vez que so a expresso da exatido que o carter da mais suprema razo. Na cabala, a unidade , o princpio, a sntese dos nmeros, a idia de Deus e do homem, a aliana da razo e da f. A f no pode ser oposta razo, exigida pelo amor, idntica esperana. Amar , acreditar e esperar, e esse triplo mpeto da alma chamado virtude, porque preciso coragem para realiza-la. A analogia era o dogma nico dos antigos magos. Dogma verdadeiramente mediador, pois metade cientfico, metade hipottico, metade razo e metade poesia. O BINRIO o nmero feminino, o yin. Diz a parbola celeste: "A mulher est antes dos homens, porque me e tudo lhe perdoado de antemo porque d a luz com dor" O TERNRIO o nmero da criao. O QUATERNRIO o nmero da fora. o ternrio completado por seu produto, o homem. E quando o homem compreender sua essncia quaternria, em unio com a criao, ter a liberdade. O anjo da liberdade nasceu antes da aurora do primeiro dia antes mesmo de despertar a inteligncia, e Deus o denomina estrela da manh. " Lcifer, tu te desligaste voluntria e desdenhosamente do cu onde o sol te inundava com sua claridade, para com sulcar teus prprios raios os campos agrestes da noite. Brilhas quando o sol se pe e teu olhar resplandecente precede o nascer do dia. Cais para de novo levantar, experimentas a morte para melhor conhecer a vida. s, para antigas do mundo, a estrela da noite; para a verdade renascente, a bela estrela da manh! A liberdade no a licena (libertinagem); a licena a tirania. A liberdade a guardi do dever, porque ela reivindica o direito. Lcifer, cujas idades das trevas fizeram o gnio do mal, ser verdadeiramente o anjo da luz (traduo da palavra Lcifer) quando, tendo conquistado a liberdade ao preo da reprovao fizer uso dela para se submeter a ordem eterna, inaugurando assim as glrias da obedincia voluntria. O direito apenas a raiz do dever, preciso possuir para dar". Eis como uma elevada poesia explica a queda dos anjos. "Deus tinha dado aos espritos a luz e a vida, depois lhe disse: Amai. - O que amar?, responderam os espritos. -Amar dar-se aos outros, respondeu Deus. -Os que amarem sofrero, mas sero amados. -Temos o direito de no dar nada, e nada queremos sofrer, disseram os espritos inimigos do Amor. -Estais em vosso direito, respondeu Deus -apartai! Os meus querem sofrer e 22. morrer, mesmo para amar. o dever! " O anjo cado aquele que recusou amar; no ama, e todo seu suplcio; no d, e toda sua misria; no sofre, e seu nada; no morre, e seu exlio. O anjo cado no Lcifer, a estrela da manh, o porta-luz, sat, o caluniador do amor. Ser rico dar; no dar ser pobre; viver a harmonia dos sentimentos gerais; o inferno o conflito dos instintos carnais. O dever obrigao, o direito egosmo; O dever amor, o direito o dio; O dever a vida infinita o direito a morte. Essa alegoria semita indica a funo quaternria. O QUINRIO o nmero religioso. A f no a credulidade estpida da ignorncia maravilhada. A f a conscincia e a confiana do amor. A f no consiste na confirmao deste com aquele smbolo, mas na aspirao verdadeira e constante s verdades veladas por todos os simbolismos. Os perseguidores da Roma decada tambm chamavam os primeiros cristos de ateus porque no adoravam os dolos de Calgula ou de Nero. A f um sentimento comum a toda humanidade. O homem que se isola de todo amor humano ao dizer: Eu servirei a Deus, este se engana. Pois diz o apstolo Joo: "Se ele no ama ao prximo que v, como amar a Deus que no v? O SENRIO o nmero da iniciao pela prova. o nmero do equilbrio. o cdigo da cincia do bem e do mal. O SETENRIO o grande nmero bblico. a chave da histria de Moiss e o smbolo de toda a religio. O Cristo o dever real que protesta contra o direito imaginrio. a emancipao do esprito que quebra as algemas da carne. a devoo revoltada contra o egosmo. O OCTONRIO o nmero da reao e da justia equilibrante. Toda ao produz uma reao. a lei universal. O cristianismo produz o anticristianismo. O anticristo a sombra , o contraste e a prova de Cristo. Os protestantes disseram: o anticristo o Papa. O Papa respondeu: Todo herege anticristo. O anticristo o esprito oposto ao Cristo. Quem ento o anticristo? " a usurpao do direito, o orgulho da dominao e o despotismo do pensamento. o egosmo pretensamente religioso de alguns protestantes da mesma maneira que a ignorncia crdula e imperiosa dos maus catlicos. o que divide o homem ao invs de os unir, o desejo mpio de se apropriar da verdade 23. e dela excluir os outros, que condena e amaldioa ao invs de salvar e abenoar. o fanatismo odioso que desencoraja a boa vontade. O NMERO NOVE o eremita do tarot; eis o nmero dos iniciados e dos profetas. Os profetas so solitrios pois o seu destino , na maioria, nunca serem ouvidos. Vem muito mais do que os outros. O Salvador disse samaritana: "Mulher, em verdade vos digo que vir o tempo em que os homens no adoraro mais a Deus, nem em Jerusalm, nem sobre esta montanha, pois Deus esprito, e seus verdadeiros adoradores devem servi-lo em esprito e em verdade. O NMERO DEZ O nmero absoluto da cabala. A chave dos sefirotes (Ver o "Dogma e Ritual da Alta Magia) Substncia una que cu e terra, conforma seus graus de polarizao, sutil ou fixa. Hermes Trimegisto chama de grande Telesma. Quando produz o esplendor, ela demonstra-se luz. essa substncia que Deus cria antes de todas as coisas, quando diz: "Fiat Lux" (Faa-se a luz) simultaneamente substncia e movimento, fluido e vibrao perptua. A fora que a pe em movimento denomina-se magnetismo. No infinito, a luz etrea (ou fora eletromagntica). Nos astros a luz astral; nos seres o fluido magntico; no homem, forma o corpo astral ou mediador plstico. A vontade dos seres inteligentes age diretamente sobre essa luz e, por meio dela, sobre toda natureza submetida s modificaes da inteligncia; o meio pelo qual os magos fazem a maioria dos trabalhos. Essa luz o espelho comum de todas as formas e pensamentos; guarda as imagens de tudo que foi, os reflexos dos mundos passados, e por analogia, os esboos dos mundos futuros. o instrumento da taumaturgia e da adivinhao. Conhecida por Hermes e Pitgoras, Sinsio e Plato, escola da Alexandria, Mesmer etc. essa substncia primeira que se designa na narrativa hiertica do Gnesis, quando o verbo dos Eloim faz a luz ordenando-lhe que seja. Eloim diz: "Que seja a luz, e a luz foi". Essa luz, cujo nome hebreu rut, or, o ouro fluido e vivo da filosofia hermtica. Seu princpio positivo o enxofre; o negativo, o mercrio e seu equilbrio denominado seu sal. Mesmer informa que nosso corpo astral ou mediador plstico um im que atrai ou repele a luz astral astral sob a presso da vontade. um corpo luminoso que reproduz com a maior facilidade as formas correspondentes s idias. At sob o 24. exerccio da vontade. Nossos corpos fluidicos atraem-se ou repelem-se uns aos outros, segundo leis consoantes elasticidade. o que produz simpatias a as antipatias instintivas. O NMERO ONZE o nmero da fora; da luta e do martrio. Todo homem que morre por uma idia um mrtir, pois nele, as aspiraes do esprito triunfaram sobre os temores da carne. Todo homem que morre na guerra um mrtir pois morre pelos outros. Os que morrem pelo direito so to bons em seus sacrifcios quanto s vtimas do dever e, nas lutas da revoluo, os mrtires caem dos dois lados. Sendo o direito a raiz do dever, nosso dever defender nossos direitos. O crime o exagero de um direito. O assassnio e o roubo so negaes da sociedade; o despotismo isolado de um indivduo que usurpa o governo e a sociedade e faz guerra por sua conta e risco. Quem no for irrepreensvel cmplice do todo mal, e quem no for absolutamente perverso pode participar de todo bem. O NMERO DOZE o nmero cclico; do smbolo universal. O NMERO TREZE o nmero da morte e do renascimento, da propriedade, da herana, sociedade, famlia, guerras e tratados. As sociedades tm por base a troca do direito, do dever e da f mtua. O direito a propriedade; a troca, a necessidade; a boa f, o dever. O NMERO CATORZE o nmero da fuso, da associao e da unidade universal. O NMERO QUINZE o nmero do antagonismo. O cristianismo agora divide-se em Igrejas civilizadoras ou brbaras; progressistas ou estacionrias; ativas ou passivas ; as que condenam e as que se submetem. O NMERO DESESSEIS o nmero do templo O NMERO DESSSETE o nmero da estrela, da inteligncia e do amor. O NMERO DEZOITO o do dogma religioso, que todo poesia e todo mistrio. Jesus, que foi o ltimo e o mais sublime dos arcanos, a ltima palavra de todas as iniciaes, sabia que no seria compreendido a princpio e disse: " No suportareis agora toda a luz da minha doutrina; mas, quando se manifestar o Esprito da Verdade, ele vos ensinar todas as coisas e explicar o sentido do que eu vos disse." 25. O NMERO DEZENOVE o nmero da luz a existncia de Deus provada pela prpria idia de Deus. A afirmao do atesmo o dogma da noite eterna; a afirmao de Deus o dogma da luz. OS NMEROS VINTE, VINTE E UM E VINTE DOIS Embora o alfabeto sagrado tenha 22 letras; as dezenove primeiras so a chave da teologia oculta. As outras so as chaves da natureza. O grande agente mgico. Substncias propagada no infinito que a dcima chave do tarot. Separar a religio da superstio e do fanatismo A superstio, da palavra latina superstes, sobrevivente, o smbolo que sobreviveu idia, a forma preferida coisa, o ritual sem razo, a f tornada insensata, por que se isola. E, por conseguinte, o cadver da religio, a morte da vida, a inspirao substituda pelo embrutecimento. O fanatismo a superstio apaixonada, seu nome vem da palavra fanum, que significa templo, o templo colocado no lugar de Deus, a honra do sacerdote substituda pelo interesse humano e temporal do padre, a paixo miservel do homem explorando a f do crente. Alm da superstio e do fanatismo, h tambm a paixo; outro exagero que denota desequilbrio. H dois amores, o do corao e o da mente. Apenas a sabedoria livre, as paixes desordenadas so o domnio da loucura, e a loucura a fatalidade. O que dissemos do amor pode-se dizer tambm da religio, que o mais poderoso e o mais inebriante dos amores. A paixo religiosa tambm tem seus excessos e suas reaes fatais. Pode-se Ter xtases e estigmas e sair, em seguida em abismos de devassido e impiedade. A verdadeira magia A verdadeira magia, isto , a cincia tradicional dos magos, inimiga mortal dos encantadores; ela impede ou faz cessar os falsos milagres, hostis a luz e fascinadores de um pequeno nmero de testemunhas despreparadas ou crdulas. A desordem aparente nas leis da natureza uma mentira; no , pois, uma maravilha. A maravilha verdadeira, o verdadeiro prodgio sempre resplandecente aos olhos de todos a harmonia sempre constante dos efeitos e das causas, so os esplendores da ordem eterna! Foi a alta magia que, apoiando o universo sobre as duas colunas de Hermes e Salomo, dividiu o mundo metafsico em duas zonas intelectuais, uma branca e luminosa encerrando as idias positivas, a outra negra e obscura contendo as idias negativas, e que deu noo sinttica da primeira o nome de Deus, sntese da outra, o nome de Sat. 26. O diabo o uso abusivo de uma fora natural; no nenhuma pessoa nem uma fora; um vcio e, por conseguinte, uma fraqueza. O inferno no um lugar, um estado. Existe um poder gerador das formas, que cria segundo as leis das matemticas eternas, pelo equilbrio universal. Os signos primitivos do pensamento, delineiam-se por si s na luz, que o instrumento material do pensamento. Deus a alma da luz. A luz universal e infinita para ns como o corpo de Deus. A cabala ou a alta magia a cincia da luz Todos os mistrios por meio das chaves da magia cabalstica, so encontradas as idias de antagonismo e harmonia (antteses) produzindo uma noo tributria na concepo divina, depois a personificao mitolgica dos quatro pontos cardeais do cu, completa o setentrio sagrado, base de todos os dogmas e rituais. A reforma religiosa de Moiss era inteiramente cabalstica, e que o cristianismo, no instituir um dogma novo, simplesmente reaproximou-se das fontes primitivas do mosasmo, e que o Evangelho no mais que um vu transparente lanado sobre os mistrios universais e naturais da iniciao oriental. Na cabala hebraica, o verbo ou a palavra, segundo os iniciados dessa cincia, toda a revelao, os princpios da alta cabala que devem se encontrar reunidos nos prprios sinais que compem o alfabeto primitivo. ALQUIMIA A alquimia, precursora da qumica e da medicina, foi a cincia principal da idade mdia. A busca da pedra filosofal e da capacidade de transmutao dos metais, inclua no s as experincias qumicas, mas tambm uma srie de rituais. A filosofia Hermtica era um dos seus alicerces, assim tambm como partes de Cabala e da Magia. Ao longo do tempo, diversos alquimistas descobriram que a verdadeira transmutao ocorria no prprio homem, numa espcie de Alquimia da Alma; diversos outros permaneceram na busca sem sucesso do processo de transformaes de metais menos nobres em ouro; afirma-se que alguns mestres atingiram seus objetivos. A alquimia tambm preocupava-se com a Cosmogonia do Universo, com a astrologia e a matemtica. Os escritos alqumicos, constituam-se muitas vezes, de modo codificado ou dissimulado, da, talvez a conotao dada ao termo hermtico ( fechada), acessvel apenas para os iniciados. A HISTRIA OCULTA DE JESUS E A LINHAGEM SAGRADA Os antigos lderes cristos da Igreja, adotaram as escrituras e os ensinos que obscureceriam a verdade sobre a linhagem real 27. de Jesus. Sabe-se que Maria Madalena estava grvida de 3 meses quando Jesus foi crucificado, consequentemente seu filho deve Ter nascido em setembro. Nessa poca, os casamentos dinsticos deveriam ser consumados em dezembro, pois setembro era um ms sagrado para os judeus e os filhos deveriam nascer nessa poca. Certamente era esta linha que os prprios pais de Jesus (Jos e Maria), eles mesmos tinham quebrado (Jesus nasceu em 6 de janeiro) e esta foi a razo porque os judeus ficaram divididos a respeito, se Jesus era, de fato, seu Messias verdadeiro. Quando uma criana considerada dinstica era concebida na poca errada do ano, a me era colocada geralmente sob custdia monstica para evitar o embaraamento pblico e Mateus indica claramente que quando Maria ficou grvida, Jos, seu marido, sendo um homem justo e no querendo fazer-lhe um constrangimento pblico, ocupou-se em afast-la. (Mateus 1:18,19). Neste exemplo, a dispensa especial para o nascimento foi concedido pelo arcanjo Simo , que nesse tempo foi distinguido com o nome de "Gabriel" , sendo o prior anglico no cargo. Os Manuscritos do Mar Morto e o Livro de Enouch (que foram excludos do VT) detalham que arcanjos ou embaixadores principais eram os gro-mestres senior em Qurn, retendo os ttulos tradicionais de "Miguel , Rafael e Gabriel". "trechos extrados do livro de Laurence Gardner e Bloodline do Grail Holy e Messianic Bloodline". Investiga-se a genealogia de Jesus at os nossos tempos. Tambm compara o NT com os arquivos romanos e judaicos. Nessa considerao, ele detalha como a igreja corrompeu e manipulou os registros para servir suas prprias agendas polticas. Apesar da doutrina catlica informar que Jesus era filho de uma virgem e filho de Deus, (veja o site Renns Le Chateau) definies que no caracterizou nos textos originais pr-romanos no NT, Lucas e Mateus enfatiza a linhagem e descendncia de Jesus , de Davi , de Israel e dos reis de Judah. A Palestina pertencia ao imprio romano e Csar tinha em seu comando , Herdes, que por sua vez dominava o local , porm obedecia a Csar. Um rei descendente dos reis de Israel e Judah , poderia ser mantido em sigilo pela Ordem de Melquideseque que mesmo Abrao pertencia. E sempre segundo as linhagens , pois tambm Salomo pertencia para que, numa poca propicia , ele pudesse reinar. Seria um expectativa no muito delirante, considerando que o povo aspirava por um rei sacerdote. A bblia explica que a histria da linhagem comeou com Ado e Eva, cujo filho Seth evoluiu numa linha que gerou Matusalm e 28. No , Abrao que se transformou no patriarca da nao hebria e que levou sua famlia do Oeste da Menopotmia (hoje Iraque) at a terra de Cana (Palestina). De onde alguns de seus descendentes foram levados para o Egito. Aps algumas geraes retornaram alm Jordo, conduzidos por Moiss e atravs do tempo , Davi (de Belm) assentou seu reino onde hoje Israel. Sabemos que Davi pertence a tribo de Judah e que antes dele era Saul, da tribo dos Benjamitas, que era o rei. Davi usurpou o trono Benjamita (o que fez graves discrdias at os dias de hoje.) Visto conforme est apresentado nas escrituras este relato uma saga fascinante , mas no h nada em qualquer lugar que indique porque a linha ancestral de Davi e seus descendentes seriam to especial. O fato o inverso. Seus antepassados viviam vagueando por territrios sem nenhum significado particular at a poca do rei Davi. O relato bblico no carrega nenhuma comparao, por exemplo dos Faras contemporneos do Egito antigo. Seu significado vem do fato que , na poca de Abrao , foram designados como "povo escolhido por Deus" porm , no h relatos desse povo Ter algum brilhantismo; pelo contrrio , fome, guerra, escravido, sucessivamente. Mediante isso , L. Gardner coloca duas possibilidades: ou Davi no era desta sucesso de Abrao ou nos apresentaram uma verso muito corrompida da histria Hebria. Uma verso que fosse projetada especificamente para a f Judica emergente. Os Evangelhos foram compilados 400 d.C. pelos bispos para suportar a opinio crist e adapt-la Roma. E se os escritores Judeus fizeram previamente exatamente a mesma coisa? Procurando sistematicamente no VT os mais antigos relatos a fim de encontrar todas as anomalias. O problema era que, eles mesmo foram escritos nos primeiros sculo a.C. (vide site Manuscritos do Mar Morto) assim, no era provvel ser autntico em seu dizer, da histria milhares de anos antes. E , foram escritos com a finalidade expressa de orientar-se com os princpios da f judaica. OS CTAROS Nos meados do sculo XII iniciou-se na Itlia um movimento religioso denominado os Ctaros ( ou Albigenses), numa reao a Igreja Catlica e suas prticas como a venda de indulgncias e a soberba vida dos padres e bispos da poca. Com medo da represso da Igreja, os Ctaros mantiveram sua f em segredo, porm em pouco tempo esta seita atraiu muitos seguidores. Cresceram bastante no sul da Frana e se estenderam a regio do Flandres e da Catalunha, funcionaram abertamente com a proteo dos poderosos senhores feudais, capazes de desafiar 29. at mesmo o Papa. A doutrina dos ctaros eram nitidamente diferentes da Igreja Catlica, eles eram extremamente radicais e dualistas como os maniqueistas, acreditavam que a salvao vinha em seguir o exemplo da vida de Jesus, negavam que o mundo fsico imperfeito pudesse ser obra de Deus, acreditavam ser o mundo criao do prncipe das trevas, rejeitavam a verso bblica da criao do mundo e todo o antigo testamento, acreditavam na reencarnao, no aceitavam a cruz, a confisso e todos os ornamentos religiosos. Realizavam cerimnias de iniciao e suas cerimnias eram muito simples, consistia basicamente em um sermo breve, uma beno e uma orao ao Senhor, essa simplicidade influenciou posteriormente uma gama de seguimentos protestantes. Possuam duas classes ou graus. Os leigos eram conhecidos como crentes, e a esses no eram exigidos seguir suas regras de abstinncia reservada aos perfecti, ou bonhomes eleitos, que formavam a mais alta hierarquia do catarismo. Para ser um perfecti tinham que tanto homem quanto mulher, passar por um perodo de provas nunca inferior a 2 anos, e durante esse tempo, faziam a renncia de todos os bens terrenos, abstinham de carne e vinho, no poderiam Ter contato com o sexo oposto, e nem dormirem nus. Depois deste perodo o candidato recebia sua iniciao conhecida com o nome de Consolamentum que era realizada em pblico. Essa cerimnia parecia com o batismo e continha tambm uma confirmao e uma ordenao. A Igreja Catlica fez tudo para combater a expanso do catarismo, chegando ao ponto de em 1209 fazer uma cruzada contra os ctaros, que com cerca de 20.000 cavaleiros os massacraram, durante 40 anos. Muitos morreram torturados ou na fogueira. Perguntado sobre como distinguir entre os hereges e os catlicos, o legado papal respondeu: "Matem-nos a todos. Deus se encarregar dos seus". Gnesis "Enki soube que os seres humanos ao Ter acesso rvore do conhecimento e da planta do nascimento, poderiam eles mesmos tornarem-se como deuses. Mesmo Jeov reconheceu isto e Gnesis indica que quando Ado comeu o fruto proibido Jeov disse: "o homem torna-se como um de ns." (Gen 3:22) Enki o sbio, guardio da rvore do conhecimento , teve tambm um outro nome na tradio hebria. Chamavam-no Sama-El, porque era o senhor designado de Sama na Mesopotmia do Norte. Os ensinos das antigas escolas de Mistrio era muito especficas sobre as rvores da vida e do conhecimento e emularam os ensinos de Enki, ele mesmo. Diziam: nada obtido 30. simplesmente querendo e nada conseguido abandonando a responsabilidade a uma autoridade mais elevada. Os registros dos Sumrios relacionam que o filho de Caim, rei Etana usou a planta do nascimento para gera seu prprio filho, rei Baali - e a planta do nascimento foi associada diretamente longevidade individual e relaciona-se atividade da glndula Pineal; a essncia pura de Anunnaki, o nctar de excelncia suprema. Nesta considerao , o Anunnaki (planta do nascimento) "flor" (ou lrio) foi o corpo portador , o transmissor do alimento rico da Matriz (me). Foi chamada tambm a rosa de Sharon (da palavra Sha, significando a "rbita" e o ra da palavra, relacionando-se ao templo final "da luz". A significao altamente venervel desta palavra feita aparentemente na cano esotrica da bblica de Salomo, que de forma messinica proclama: "Eu sou a rosa de Sharon e o lrio dos Vales" (can 2:1) Considerou Ter se tornado qualificado para rei quando alcanou um estado predestinado de lucidez de coincincia - um estado quando suas aptides para a sabedoria e a liderana tinham sido realadas - h um reino chamado Malk. Era desta palavra Malk Mesopotmica que os Hebreus derivaram suas palavras malchus (rei) Malkhut (reino). Somente em pocas muito recentes , mdicos cientistas identificaram a secreo hormonal da glndula pineal, isolando em 1968 a melatonina , que significa "o trabalhador da noite" e que reage fortemente luz. Pela virtude de seu condicionador corporal com a melatonina suplementar e outras secreoes hormonais , considerava-se que estariam os prncipes na escurido (noite) e ganharam sua conscincia (luz), adquirindo potncias acima do normal e a longevidade da estrela- o sangue lunar do fogo das rainhas do Anunnaki e das mulheres de escarlate. A inquisio catlica brutal da idade mdia perseguiram todos os chamados Herticos que acreditaram no sangue messinico real (o sangraal). Muitas das vtimas foram classificadas como ocultistas e bruxas que supostamente pertenceriam ao culto hertico de Draco , prncipe da escurido. Foram proclamados pelas autoridades da igreja como vampiros. J foi mencionado que o culto antigo egpcio do drago h quatro mil anos operativa at hoje. H alguns sculos atrs um proeminente chanceler da corte, era o prncipe Vlad III, da Transilvnia que construiu a cidade de Bucareste. conhecido tambm como drcula "o filho de Dracul" - o nome por que seu pai era conhecido na corte - e assim, as escavaes arqueolgicas foram trazidas sob o controle estrito e os financiamento tiveram de ser aprovados pela Gr- Bretanha 31. por autoridades recentemente designadas. Um destes, o fundo da explorao do Egito, foi estabelecido em 1891 e , na primeira pgina de seu memorando e artigos de associao indica-se que o objetivo do fundo promover o trabalho de escavao com a finalidade de elucidar ou ilustrar as narrativas do VT. E que ns s seramos informados (o pblico) se pudesse ser de encontro s velhas escrituras e , qualquer coisa que no suportasse as velhas escrituras , no seramos informados. Uma descoberta importante bblica a Phoenix e da pedra de fogo. Dentro do livro de Exodus , uma montanha bblica significativa nomeada na pennsula do Sinai - o monte de terra triangular que se encontra acima do mar vermelho entre o golfo de Suez e o golfo de Aqabah. No VT chamado Monte Horeb e a seguir chamada Sinai. Foi nela que Moiss viu o arbusto ardente e recebeu os dez mandamentos. No havia nenhuma montanha com esse nome at 300 d.C. O VT uma traduo de um trecho hebreu compilado h 1000 anos. O Monte Sinai hoje fica no sul da Pennsula e seu nome foi dado por monges cristos 1700 anos aps Moiss. Existe l o Monastrio de Santa Catarina. Seria este o monte de Moiss? O livro de Exodus explica alguma rota feita por Moiss a partir do delta do Nilo, seguindo as regies selvagens de Shur e Paran terra de Midian (norte do Jordo at hoje). Horeb significa deserto e a montanha que fica prximo a essa rota , tem 2600 ps e fica onde hoje chamado "Serbit" ou Serbit El-Khdim. Em 1890, o britnico Willian Flinders Petrie, Egiptlogo, professor da universidade de Londres, fez uma expedio no Sinai. Publicou os seus resultados mais adicionou a seu relatrio o fato que esta informao no seria disponvel oficialmente a todos, e que receberiam apenas os mapas e um esboo geral. E , depois no quis mais retornar as pesquisas. L. Gardner questiona se Petrie tinha descoberto o grande segredo da montanha sagrada de Moiss. Baseados nos achados arqueolgicos de Flinders Petrie, sabe-se que foi encontrado um laboratrio alquimista , onde o ouro era derretido por vrios processos para produzir o p, , conhecido como "estrela de fogo" (Starfire) Acreditava-se que a ingesto de certa quantidade deste p, alimentava faras e dava-lhes propriedades mentais , aumentando suas propriedades, pensa-se que estimularia a glndula pineal que associado por sua vez ao 3 olho. Os ocultistas costumam instalar-se em locais de foras eletromagnticas e harmnicas (Rennes, Carnac, etc.) OS CTAROS Nos meados do sculo XII iniciou-se na Itlia um movimento 32. religioso denominado os Ctaros ( ou Albigenses), numa reao a Igreja Catlica e suas prticas como a venda de indulgncias e a soberba vida dos padres e bispos da poca. Com medo da represso da Igreja, os Ctaros mantiveram sua f em segredo, porm em pouco tempo esta seita atraiu muitos seguidores. Cresceram bastante no sul da Frana e se estenderam a regio do Flandres e da Catalunha, funcionaram abertamente com a proteo dos poderosos senhores feudais, capazes de desafiar at mesmo o Papa. A doutrina dos ctaros eram nitidamente diferentes da Igraja Catlica, eles eram extremamente radicais e dualistas como os maniqueistas, acreditavam que a salvao vinha em seguir o exemplo da vida de Jesus, negavam que o mundo fsico imperfeito pudesse ser obra de Deus, acreditavam ser o mundo criao do prncipe das trevas, rejeitavam a verso bblica da criao do mundo e todo o antigo testamento, acreditavam na reencarnao, no aceitavam a cruz, a confisso e todos os ornamentos religiosos. Realizavam cerimnias de iniciao e suas cerimnias eram muito simples, consistia basicamente em um sermo breve, uma beno e uma orao ao Senhor, essa simplicidade influenciou posteriormente uma gama de seguimentos protestantes. Possuam duas classes ou graus. Os leigos eram conhecidos como crentes, e a esses no eram exigidos seguir suas regras de abstinncia reservada aos perfecti, ou bonhomes eleitos, que formavam a mais alta hierarquia do catarismo. Para ser um perfecti tinham que tanto homem quanto mulher, passar por um perodo de provas nunca inferior a 2 anos, e durante esse tempo, faziam a renncia de todos os bens terrenos, abstinham de carne e vinho, no poderiam Ter contato com o sexo oposto, e nem dormirem nus. Depois deste perodo o candidato recebia sua iniciao conhecida com o nome de Consolamentum que era realizada em pblico. Essa cerimnia parecia com o batismo e continha tambm uma confirmao e uma ordenao. A Igreja Catlica fez tudo para combater a expanso do catarismo, chegando ao ponto de em 1209 fazer uma cruzada contra os ctaros, que com cerca de 20.000 cavaleiros os massacraram, durante 40 anos. Muitos morreram torturados ou na fogueira. Perguntado sobre como distinguir entre os hereges e os catlicos, o legado papal respondeu: "Matem-nos a todos. Deus se encarregar dos seus". A MAONARIA (Trechos extrados do livro "As origens da Maonaria" de Realino de Oliveira) uma instituio fraternal inicitica, composta por homens 33. que congregam ideais construtivistas como a Fraternidade, a Igualdade e a Liberdade. Na Maonaria exerce-se a caridade que um dos seus princpios, seus ensinamentos so tradicionalmente transmitidos por meio de suas simbologias, alegorias e analogias. Sobre a sua origem, temos uma grande discusso. Alguns acreditam que a Maonaria descende das Sociedades Iniciticas do Antigo Egito, outros dos Antigos Construtores Medievais e tem alguns que reivindicam sua origem aos Cavaleiros Templrios. A Maonaria denominada simblica, possui trs graus de extrema importncia que formam a base de seus ensinamentos. Os ensinamentos manicos so muito profundos, mas cabe ao verdadeiro maom decifra-los e os que conseguem descobrem "grandes verdades". RITOS MANICOS Denomina-se de rito manico um conjunto sistemtico de cerimnias e ensinamentos manicos, esses variam de acordo com o perodo histrico, conotao, objetivo e temtica dada pelo seu criador. Os ritos de hoje mais difundidos so: Os ritos de York, o rito Escocs Antigo e Aceito, o rito Francs ou Moderno. No Brasil se exercem todos esses, mais se destacam tambm o rito Brasileiro e o Adonhiramita. RITOS Caractersticas: ADONHIRAMITA - Criado pelo Baro de Tschoudy, ilustre escritor, em Paris, Frana no ano de 1766, de carter mstico e cerimonial, atualmente s em funcionamento no Brasil. Iniciou-se no Recife, em 1878. Ficou adormecido at que em 1976, por iniciativa de Lauro Sodr, gro-mestre, deu o carter de regular, legtimo e legal para o rito. Este sofreu atualizaes, para a sua forma atual. ESCOCS ANTIGO E ACEITO - Derivou-se do rito de Heredon, em primeiro de maio de 1786 foram fixados as regras e seus fundamentos, composto at hoje de 33 graus, atualmente o rito mais difundido nos pases latinos. "As Brumas do Escocismo" Texto extrado de Arthur Franco, "A idade das Luzes" , Wodan, 1997, Porto Alegre, Brasil. "Em 367 d.c. , Irlandeses, Pictos e Saxes atacam por 3 frentes, de uma vez , as Ilhas Britnicas. As defesas da fronteira setentrional se deterioram. Elas sao restauradas posteriormente por Theodsio. Com estas invases os Scots comeam a cristianizao definitiva da Bretanha. At ento, os Pictos do Norte permaneciam praticamente intocados pela cultura romana, ou mesmo pela cultura cltica do sul. Apenas os galicos Scots , da Irlanda , conseguiram cristianiz-los. 34. Vale a pena destacar um evento pouco citado pelos analistas entusiasmados e pelos estudiosos manicos. que a origem desses mistrios ocidentais est ligada a esta regio, onde fizeram-se os galicos cristianizados por Columbano, que ganhou o nome de seus conquistadores: a Scotland ou a terra dos Scots. Todas as lendas de Merlim procedem desta regio , fronteiria com o reino Picto (p.229). As razes da palavra Escocs a partir do ingls Scot, Scotch, tem profunda ligao com o pagamento dos obreiros entalhadores. (Schet = Egito) da madeira pelo seu trabalho, a partir da cultura cltica da Irlanda e do Norte da Gr Bretanha, co- irm da civilizao egpcia e com a qual tinha profundas ligaes iniciticas. De fato, a raiz mais antiga da palavra Scot est nas primeiras genealogias irlandesas e britnicas. As lendas contam que Heber Fionn, o 1 grande Monarca da Irlanda , morto em 1698 a.c. , era a 22a gerao descendente de Niul (cujo nome originou a palavra Nilo) Niul, por sua vez , era trineto do bblico Japhet e desposara uma princesa egpcia de nome Scota, da se originando o termo Scots e seus descendentes. O trineto de Niul, por exemplo foi coroado rei da Sclia com o nome de Heber Surt (ou Scot). O cristianismo funcionou como um elo de ligao entre as duas culturas. os druidas traduziram sua antiga tradio na nova mensagem crit, mantendo acesa a chama do Conhecimento. Por isto, Jesus comeou seu trabalho com a fuga de Maria e Jos ao Egito, tendo o eplogo de seu prliplo na Gr Bretanha, quando Jos de Arimatia recolheu seu sangue no graal e levou-o at Glastonbury. Inmeras lendas contam que Jesus esteve com seu tio Jos na Inglaterra. O ritual manico, at passar ao ritual atualmente conhecido como escocs, teve uma longa jornada que comeou no perodo dos Duidas - os sacerdotes celtas, habitantes originais daquela regio. Eles eram os depositrios da Sabedoria Antiga, passando de boca e ouvidos pelos Iniciados de todo o mundo. Os escoceses - scots - irlandeses que colonizaram aquela regio, celtas puros, foram responsveis pelo sincretismo com a nova religio crist. Nos sculos XVII e XVIII, iniciados como o Conde de Saint Germain prepararam as bases para o Rito Escocs dos Maons Antigos, Livres e Aceitos. Segundo Jean Palou, dois fatos so certos: O Escocismo uma forma de maonaria regular, a forma mais antiga, sem dvida, pois suas origens esto no ofcio de pessoas que trabalham com a madeira antes de talhar a pedra. O Escocismo, no correr dos sculos, incorporou elementos iniciticos de diferentes origens, que constituram o sistema dos Graus Superiores. 35. Estes ltimos apareceram num determinado dia do sculo XVIII, porque essa exteriorizao tinha-se tornado necessidade histrica e que nada tem a ver com a lenda stuardista nem com as influncias jesuticas. Em 1717, quando foi fundada a primeira Grande Loja de Franco-Maonaria em Londres, um grande Iniciado participou da ligao entre os antigos Mistrios Clticos e Cristos no Ritual Escocs esta poca: O Cavaleiro Ramsay, que nesse mesmo ano tornou-se preceptor da Casa de Bouillon. Os Bouillon eram descendentes dos antigos merovngeos, que por sua vez, continuaram a mais antiga tradio Cltica e Crist com uma dinastia descendente do primeiro Rei Franco; Francus. Esse primeiro Rei Franco apareceu misteriosamente ao mesmo tempo em que a famlia de Jesus veio Frana atravs de Marseilles. Godfroi de Bouillon, o conquistador de Jerusalm, era a 27a gerao aps o primeiro Rei Cristo Clvis; este, por sua vez, era a 26a gerao aps Francus. Mas clvis era, tambm descendente da linhagem Real Britnica pela me de Clodomir IV, Rei dos Francos de 104 a 166 d.C.. A me de Clodomir IV, Athildis, era a 8a gerao aps Anna, Rainha da Inglaterra e filha de Jos de Arimatia, este, tio av de Jesus. As lendas de Jos de Arimatia na Inglaterra, em Glastonbury, e a companhia de Jesus em suas constantes viagens a Mendip Hills procura de Estanho para a regio da Palestina, ento, encontra-se aqui uma preciosa ligao entre Jesus e seus descendentes do Graal, os Merovngeos, as tradies Clticas e Crists, os Bouillon e a origem do Rito Escocs. (vide site Rennes Le Chatau). "At hoje no se deu a devida ateno ao fato de Ramsay ter sido amigo do Prncipe de Bouillon e ao fato de que a primeira Cruzada foi exatamente dirigida por Godfroi de Bouillon, antepassado dos duques do qual Ramsay foi "o protegido" (Jean Palou, op.cit.,p72) ESCOCS RETIFICADO (1782) - Esse rito consiste numa reformulao do REAA e o objetivo era retirar um contedo por alguns considerados desnecessrios. ESTRITA OBSERVNCIA - Criado em 1764 pelo baro Hund, com fundamento nas antigas "Ordens da Cavalaria". Era composto de 12 graus. Esse rito deu origem aos ritos da Alta Observncia e o da Exata Observncia. RITO FRANCS OS MODERNO - A histria desse rito se inicia em 1774, com a nomeao de uma comisso para se reduzir os graus, deixando apenas os simblicos. No princpio houve uma forte oposio, ento a comisso decidiu deixar 4 dos principais graus filosficos; com o decorrer do tempo, algumas lojas adotaram o rito. Atualmente, muito praticada na Frana e nos 36. pases que estiveram sob sua influncia. HEREDON OU PERFEIO - iniciado em Paris, em 1958. YORK (ou Arco Real) - Acredita-se Ter sido criado por volta de 1743, foi levado Inglaterra por volta de 1977, inicialmente foi composta de 4 graus, hoje possui 13, atualmente o rito mais difundido no mundo. MIZRAIM OU EGPCIO - Surgiu na Itlia por volta de 1813, e em seguida foi levada Frana por Marc, Michel e Joseph Bdarride. Mizr significa Egito em hebraico, e seus divulgadores afirmam ser derivado dos Antigos Mistrios Egpcios. Possuem 90 graus, divididos em 4 classes: Mnphis ou Oriental - Foi introduzido em Marselha (Frana) pelos Maons Marconis de Ngre e Mouret, no ano de 1838. Esse rito dirige seus ensinamentos como os de Mizraim para a tradio Egpcia, compe-se de 92 graus divididos em 3 sries. Mnphis-Mizraim - Rito criado com a reunio dos ritos de Mnphis e Mizraim em 1899 no Grande Oriente da Frana. Mizraim-Mnphis - Rito criado com a reunio dos dois ritos, com conotao voltada ao Mizraim. Adoo- Criado pelo grande Cagliostro (veja AltaMagia) na Frana em 1730, e reconhecido pelo Grande Oriente da Frana em 1774. Trata-se de um rito voltado para a temtica egpcia e com participao de mulheres. SCHREDER - Criado por Frederik Luis Schreder, em 1766 na Alemanha, com a idia de maonaria. Conta apenas com suas caractersticas fundamentais iniciais, sem nenhum acrscimo, estudou muito as origens manicas para compor esse rito. SWENDEBORG- Criado em 1721 pelo sueco Emmanuel Swendenborg, grande iluminista, tesofo, filsofo, psiclogo, fsico e estudioso dos mistrios manicos, desenvolveu este rito em 8 graus, e deu origem aos ritos denominados iluministas. A maonaria uma palavra francesa de origem latina, e o idioma francs originou-se entre os sculos VIII e XII. Na histria da Ordem, inclui-se razes bblicas que levariam muitos a acreditarem que Jesus no morreu na cruz. A MAONARIA EM SEU CARTER MORAL (trechos extrados de Eliphas Levi do livro "Ritual da Alta Magia) ORIGENS MGICAS DA MAONARIA A grande associao cabalstica, conhecida na Europa sob o nome de Maonaria, surge de repente no mundo, no momento em que o protesto contra a Igreja acaba de desmembrar a unidade Crist. Os historiadores desta Ordem no sabem explicar-lhe a origem; mas do-lhe por me uma associao de pedreiros 37. formada no tempo da construo da catedral de Estrasburgo; outros do-lhe Cromwell por fundador, sem entrarem em indagaes se os ritos da Maonaria inglesa do tempo de Cromwell no so organizados contra este chefe de anarquia puritana; h ignorantes que atribuem aos jesutas, seno a fundao ao menos a continuao e a direo desta sociedade muito tempo secular e sempre misteriosa. parte esta ltima opinio, que se refuta por si mesma, podem se conciliar todas as outras, dizendo que os irmos maons pediram aos construtores da catedral de Estrasburgo seu nome e os emblemas de sua arte, que eles se organizaram pela primeira vez publicamente na Inglaterra, a favor das instituies radicais e a despeito do despotismo de Cromwell. Pode-se ajuntar que eles tiveram os templrios por modelos, os rosa-cruzes por pais e os joanitas por antepassados. Seu dogma o de Zoroastro e de Hermes, sua regra a iniciao progressiva, seu princpio a igualdade regulada pela hierarquia e a fraternidade universal; so os continuadores da escola da Alexandria, herdeiros de todas as iniciaes antigas; so os depositrios dos segredos do Apocalipse o do Zohar, o objeto de seu culto a verdade representada pela luz; eles toleram todas as crenas e no professam seno uma s e mesma filosofia; eles no procuram seno a verdade; no ensinam seno a realidade e querem chamar progressivamente todas as inteligncias razo. O fim alegrico da maonaria a reconstruo do templo de Salomo; o fim real a iniciao e as provas por graus. REVOLUO FRANCESA E A MAONARIA (trechos extrados do Irm:. Joo Alves da Silva , Or:. De Macei - Al) Considera-se o 14 de julho de 1789 como a data da Revoluo Francesa, porque foi nesse dia que o povo francs assaltou a clebre fortaleza da Bastilha, tomada aps quatro horas de combate; cuja vitria fez o rei capitular completamente: Ironicamente, os cerca de 600 invasores da Bastilha foram encontrar encarcerados apenas sete presos: 2 loucos, 4 vigaristas e 1 lorde tarado. Essa Bastilha comeou a ser construda em 1369 e foi concluda em 1383. Seu construtor, Aubriot, foi o primeiro a ser nela encarcerado. Voltaire tambm foi preso ali em 1717, e l concluiu sua primeira tragdia - dipo - em 1718. Em 1726, voltou a ser encarcerado na Bastilha; liberto, seguiu para a Inglaterra retornando Frana em 1729. Luiz XVI (1754- 1793) era neto de Luiz XV (1715-1774) e tetraneto de Luiz XIV (1643-1715), o rei sol.. soberanos absolutos, donos de todo o poder, esses trs homens governaram 38. a Frana durante 150 anos. A Bastilha, que era smbolo do absolutismo, caiu em 14 de julho de 1789, mas Luiz XVI somente deixou de reinar em 22 de setembro de 1792, quando foi proclamada a Repblica. Em 21 de janeiro de 1793, por deciso da Conveno Nacional que o condenou guilhotina, num escrutnio em que 387 votaram a favor e 344 contra. Luiz XVI foi decapitado na Place de la Revolucion, hoje Place de La Concordia.. A Revoluo Francesa de 1789 foi feita ento pela burguesia em virtude de gerar quase toda a renda da Frana e desejar reformas (administrativas, jurdicas, fiscais). Nenhum proeminente revolucionrio era Maon, embora quase todos Maons fossem burgueses, j que lordes eram poucos. Da plebe no tinha ningum. No eram Maons: Robespierre, Marat, Carmot, Danton, Condorcet, Jean Luiz David, Saint-Just, nem mesmo Antoine-Franois Marmoro, um dos principais editores de imprensa do perodo revolucionrio e que, em 1791, cunhou a expresso LIBERT, GUALIT, FRATERNIT e a fez escrever nos edifcios pblicos. Tambm no eram Maons o libertino Mirabeau, preso vrias vezes e eleito deputado do Terceiro Estado para os Estados Gerais e que tambm era grande orador