Voz de Esperança · Junho de 2014

of 28 /28
A TELEVISÃO ME DEIXOU BURRO, MUITO BURRO DEMAIS! Música Televisão · Titans ANO 17 Nº 06 2014 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA EQUILÍBRIO EM MEIO AO CAOS Silvio Faustini sociedade p. 10 PERDOAR PARA PROSSEGUIR Cibele Nardi comportamento p. 11 AMOR PELOS RIBEIRINHOS Emerson Alves entrevista p. 16 Veja p.12

description

Edição de junho de 2014 da PrimeiraIEQ.

Transcript of Voz de Esperança · Junho de 2014

Page 1: Voz de Esperança · Junho de 2014

A TELEVISÃO ME DEIXOU BURRO,MUITO BURRO DEMAIS!

Música Televisão · Titans

ANO 17 Nº 06 2014

DIST

RIBU

IÇÃO

GRA

TUIT

A

EQUILÍBRIO EM MEIO AO CAOSSilvio Faustini

sociedade p. 10PERDOAR PARA PROSSEGUIR

Cibele Nardi

comportamento p. 11AMOR PELOS RIBEIRINHOS

Emerson Alves

entrevista p. 16

Veja p.12

Page 2: Voz de Esperança · Junho de 2014

Diretor ExecutivoPr. Eduardo Zdrojeswski

Coordenação ExecutivaFernando Klinger

EXPEDIENTE

Projeto GráficoEmerson R Batista

Arte e DiagramaçãoEmerson R. Batista, Mônica Amorim

Jornalista ResponsávelDanielle D. S. Roscamp RevisoresRoberto Bueno e Tarcísio Regert

voz para você

Quanto tempo você fica em frente a televisão?

Muito cuidado com aquilo que você consome,

intelectualmente falando. E por falar nisto, a televisão

brasileira é extremamente corrompida: notícias sem

informações, opiniões tendenciosas e parciais,

novelas sobre tudo e nada ao mesmo tempo,

reality-show que praticamente diz: se tua vida não é

boa, assista a de alguém e seja feliz. Sem contar que a

preferência é para ver a violência, o sexo e estereótipos

a ler um livro, estar com os amigos ou reunir a família

simplesmente para conversar. Este mês, fazemos um

convite a você leitor: desligue um pouco a TV e leia a

matéria de capa sobre ela. Talvez seja hora de

reorganizar as suas prioridades. Boa leitura!

Você em Alta Voz.Faça parte da Voz de Esperança e envie sua sugestão de matéria e releases. Você pode estar na próxima edição!

primeiraieqcuritiba

[email protected]

PARA REFlETIR 3RETIcêNcIAS 4SABoR & cIA 5

VIDA & SAÚDE 6

FÉ & cIêNcIA 8SocIEDADE 10

coMPoRTAMENTo 11cAPA 12

ENTREVISTA 16

FAToS & FoToS 18cIDADANIA 21

TEMPo DE cRIANÇA 23ESPAÇo culTuRAl 24

FAlA PASToR 24

Fotografia GeralEvandro Takemiya

Tiragem25.000 exemplares

CTP E IMPRESSÃONova gráfica 41 9198.5210

Page 3: Voz de Esperança · Junho de 2014

A TV que você não vê

para refletir

Fernando KlingerComunicação · primeiraIEQ

No século XX os meios de comunicação evoluíram, o rádio, cinema mudo, e finalmente a TV. A TV é a que mais influenciou e influencia até os dias de hoje. Ela está disponível no celular, no carro, em casa, no trabalho, no restaurante. Quantas vezes paramos para pensar nos benefícios e malefícios da televisão? Se por um lado ela nos traz informação ou divertimento, por outro ela influencia na família. As crianças são muitas vezes “abandonadas” em frente à televisão, que cumpre o papel da babá. E o que ela ensina? Os adolescentes e jovens são expostos às modinhas, que incluem desde roupas e objetos e influenciam até mesmo no comportamento. E isto é bom? Os adultos buscam na TV seu momento de lazer, mergulham no sonho, na fantasia e acabam aceitando todo o conteúdo. E alguém questiona? O termo “televisão”, ver à distância, passa a significar, portanto, não ver. O espetáculo pode não ser a realidade. A telinha pode funcionar como um meio de ofuscamento. E você, como assiste televisão? Você fica atento para a linguagem utilizada, para os preconceitos que podem vir embutidos, para os erros de lógica cometidos, para as falsificações? Se responder com uma negativa a dois itens ou mais, então você precisa refletir. Lembre-se do que Jesus ensinou: “Os olhos são a candeia do corpo. Quando os seus olhos forem bons, igualmente todo o seu corpo estará cheio de luz. Mas quando forem maus, igualmente o seu corpo estará cheio de trevas”. Lucas 11.34. E como você pode “se armar” para ver televisão? Transformando-se num espectador ativo, que não engole facilmente o que vê.

Page 4: Voz de Esperança · Junho de 2014

reticências

Não podemos controlar as circunstâncias, mas podemos controlar nossa reação diante delas. Podemos controlar se uma experiência nos tornará uma pessoa amarga ou uma pessoa melhor. O que importa na vida não é tanto o que acontece a nós, mas o que acontece em nós”.

Rick WaRRen escritor, no livro Poder Para mudar sua vida

O mundo está fora de propósito, a não ser que quando olhamos através dele, nossos olhos não se fixem nele, mas no Deus que o criou”.

Benjamin BReckinRidge WaRfield teólogo, 5/11/1851 - 16/2/1921

Qual tem sido o seu comportamento diante das necessidades dos outros? Esquivar-se ou se envolver à procura de uma solução? Que a nossa atitude diante das necessidades não seja a de esquivarmo-nos delas, mas de buscarmos uma solução”.

SilaS ZdRojWeSki Pastor, Primeira ieQ, 4/5/2014

Page 5: Voz de Esperança · Junho de 2014

Ingredientes Massa2 copos de farinha de trigo½ copo de açúcar1 ovo inteiro1 tablete de fermento100g manteiga

1º Creme: 3 copos de leite, 1 lata de leite condensado, 1 lata de creme de leite, 3 colheres sopa de maisena, 1 colher de margarina, 3 gemas; gotas de baunilha.

2º Creme (cobertura): 2 copos de suco de laranja, 2 colheres de sopa de maisena, 4 colheres de sopa de açúcar, 4 maçãs cortadas em fatias.

Recheio4 maçãs cortadas em fatias finas

sabor& cia

Maria Mar Silva

Há 20 anos uma senhora me ensinou

uma receita que iria me acompanhar pelo resto da vida e trata-se da torta de maçã que você leitor da Revista Voz de Esperança poderá fazer e experimentar. A maçã é uma fruta que eu não deixo faltar em casa, eu como duas por dia. Tem um antigo ditado inglês que diz: uma maçã por dia mantém o médico afastado. Algum fundo de verdade isto tem, mesmo porque a maçã é rica em fibras e flavonoides. Se você comprou muitas maçãs, a torta é uma ótima oportunidade de aproveitá-las em um quitute muito saboroso. Eu gosto de fazê-la para eventos e aniversários de pessoas queridas. Quando vou para casa de minha família em Minas Gerais, a primeira coisa que me perguntam é: você vai fazer a torta de maçã? Enfim, experimente fazê-la, colocar em um belo prato e sirva com um chá para uma pessoa querida.

Modo de PreparoFazer a massa e forrar um pirex oval ou assadeira. Furar com garfo e assar por 30 min. Depois de assado coloque o 1º creme que foi levado ao fogo até engrossar e quente, em seguida cortar as maçãs com ou sem casca e coloque por cima do creme e por cima coloque o 2º creme também quente. Coloque as maçãs cortadas em tirinhas bem finas com casca ou sem, formando desenhos. Se desejar pode colocar uvas passa para enfeitar. Coloque o creme de laranja por cima das maçãs. Leve a geladeira por 2 ou 3 horas.

açãtorta dem

Page 6: Voz de Esperança · Junho de 2014

vida & saúde

Q uase todas as pessoas querem ter hábitos saudáveis, porém não

sabem por onde começar e o que mudar. Essas mudan-ças são importantes para o bom funcionamento do nosso organismo, o que tem relação direta com a nossa tão sonhada qualidade de vida, evitando e prevenindo doenças. Por isso precisamos prestar atenção nos sinais que nosso corpo emite quando não está fun-cionando 100%. Sinais que geralmente aparecem por meio de alterações na pele, unhas, cabelo, sono, intestino, diges-tão, urina e imunidade. Neste artigo estão algu-mas dicas básicas para incenti-var esse começo de mudança. Ainda assim, recomendo que cada um procure a orientação de um profissional qualificado, específica para o seu organis-mo, afinal precisamos respeitar a individualidade bioquímica de cada um. O primeiro passo é: seja sincero com você mesmo. Não se engane, admita seus erros alimentares, pois se você diz: “não como mal”, não tem porque mudar. Cuidado com os “alimentos” seguintes.

mudando o Estilo de Vida

Por Juliana Gomes

Nutricionista

Page 7: Voz de Esperança · Junho de 2014

Q uase todas as pessoas querem ter hábitos saudáveis, porém não

sabem por onde começar e o que mudar. Essas mudan-ças são importantes para o bom funcionamento do nosso organismo, o que tem relação direta com a nossa tão sonhada qualidade de vida, evitando e prevenindo doenças. Por isso precisamos prestar atenção nos sinais que nosso corpo emite quando não está fun-cionando 100%. Sinais que geralmente aparecem por meio de alterações na pele, unhas, cabelo, sono, intestino, diges-tão, urina e imunidade. Neste artigo estão algu-mas dicas básicas para incenti-var esse começo de mudança. Ainda assim, recomendo que cada um procure a orientação de um profissional qualificado, específica para o seu organis-mo, afinal precisamos respeitar a individualidade bioquímica de cada um. O primeiro passo é: seja sincero com você mesmo. Não se engane, admita seus erros alimentares, pois se você diz: “não como mal”, não tem porque mudar. Cuidado com os “alimentos” seguintes.

Farinha branca e açúcar Farinha branca (bolachas, pães, massas, bolos, cereais ma-tinais) e açúcar (açúcar de mesa, doces, sobremesas, chocolates, balas) fazem com que nossa glicose sanguínea eleve rapida-mente, aumentando a propensão a armazenar gordura corporal e à pré-diabetes. São pobres em fibras e não trazem saciedade, fazendo com que a gente queira comer mais. Além disso, ambos desregulam nossa flora intestinal, diminuindo o número de bactérias boas e aumentando o das patóge-nas. A consequência é imunidade baixa, ansiedade alta e mais vontade ainda de comer doces.

O que fazer – farinha branca Foco nos integrais. Pão 100% integral (leia bem as emba-lagens), macarrão integral (hoje você encontra várias marcas e vários formatos), arroz integral. Evite bolachas, pois até as que se dizem integrais possuem mais fa-rinha branca do que integral, além de conterem gordura trans. Se você está acostumado com arroz branco, pão branco e macarrão normal, vai estranhar as versões integrais no começo. Nesse caso não substitua de uma vez, pro-vavelmente você não vai manter. Alterne entre integral e normal durante a semana, e conforme vá se acostumando, aumente a frequência dos integrais até subs-tituir os alimentos normais.

O que fazer – açúcar Troque o açúcar refinado pelo mascavo ou açúcar de coco. Se você tem o costume de adoçar o que toma (leite, café, chá, sucos) diminua a quantidade aos poucos, até que seu paladar acostume com o mínimo ou zero. Utilizar nada de açúcar é o ideal. Se quiser choco-late, escolha os que possuem 65% de cacau ou mais.

Produtos industrializados Produtos industrializados (congelados, enlatados, em con-serva, sopas, bolachas, temperos prontos, macarrão instantâneo, bebidas industrializadas, fast food) são extremamente ricos em gor-duras trans (o pior tipo de todas) e saturadas, sódio, açúcar, farinha refinada, xarope de milho, adoçan-tes artificiais, corantes. Tudo isso em excesso (e é muito fácil atingir o excesso) causa sobrecarga no fígado, forma toxinas no nosso organismo, que vai ter dificuldade para eliminá-las. Essas toxinas geram o aumento de radicais livres, aumentando as chances de doenças como diabetes, pressão alta, colesterol alto (presente em muitas crianças) e sintomas como enxaquecas, fadiga, falta de con-centração, gases, intestino preso ou solto, acne e celulite. E é fato: quanto mais você come isso, mais seu organismo pede.

O que fazer Diminua o consumo. Busque por “alimentos” e não “produtos alimentares”. Sem dú-

vida os produtos alimentares são bem mais práticos para algumas pessoas, porém essa praticidade tem um preço – sua saúde e a da sua família. Ao invés de comer bolacha de tarde, que tal uma fruta como castanhas ou frutas secas? São tão práticas quanto uma bolacha. Use e abuse de temperos naturais no lugar de temperos prontos, pois esses possuem uma quanti-dade de sódio extremamente alta. Utilize cebola, alho, ervas frescas, pimenta do reino moída na hora. Suco de caixinha (cheio de açúcar e conservante) não serve para substituir o refrigerante. Faça suco da fruta de verdade ou polpa no lugar de consumir sucos prontos. Diminua a frequência de fast foods e guloseimas a, no máximo, uma vez na semana. O mais importante de tudo é ter consciência de que toda mudança gera desconforto e não é fácil. Por isso vá com calma, me-lhor é um resultado a longo prazo do que nunca chegar ao resultado esperado. Só não vale usar isso como desculpa para não evoluir na mudança. Então estabeleça metas, não queira mudar tudo de uma vez, escolha uma mudança por semana e vá aumentando gradati-vamente.

Se uma mudança não der

certo pule e vá para outra,

não fique frustrado, pois

uma hora eu garanto que

você vai conseguir, só não

desista.

dica para animar o dia

Page 8: Voz de Esperança · Junho de 2014

Alguém já citou que com a fé passamos a ser diferentes e a viver de maneira diferente, pois começamos a crer no incrível, ver o invisível e realizar o impossível. Trabalho com isolamento de moléculas que existem em plantas e para tal uso várias ferramentas apropriadas para este procedimento. E muitas vezes lançamos mão de equipamentos sofisticados, que detectam espectros de luzes que tais moléculas geram. Muitas vezes, também, temos de buscar um leitor de UV (ultravioleta) “invisível”, que como o nome diz, permite-nos ver luzes que são emitidas de forma invisível aos nossos olhos, mas que o aparelho consegue detectar. Não vejo tal espectro, mas sei que o equipamento possui um sensor especial para detectar essa luz. Tantas coisas são invisíveis aos nossos olhos, pois eles são despreparados para ver algo microscópico ou enxergar esse tipo de luz. A ciência não para de procurar pelo invisível e pelo desconhecido, avanços maravilhosos têm acontecido como temos observado no dia a dia e acompanhamos pelos meios de comunicação. São novas e muitas vezes surpreendentes descobertas. Usamos expressões como: incrível, surpreendente, maravilhoso, quando tomamos conhecimento de uma nova descoberta. Chegamos à conclusão que a ciência pode nos fazer “ver o invisível” e “realizar o impossível”. Quando a ciência realiza algo que considerávamos impossível, usamos a expressão “incrível”. É incrível e mesmo assim cremos, pois a ciência mostrou. A fé é exatamente isso: crer no incrível, ver o invisível e desfrutar o Real de Deus. Real aqui descrito como não fantasioso e também com a conotação de realeza, do reino que iremos habitar. O pastor Paul Washer citou em

Luiz Pianowski Cientista e Doutor em Tecnologia Farmacêutica

fé & ciência

ORA, A Fé é O FIRME FunDAMEnTO DAS COISAS quE SE ESPERAM, E A PROvA DAS COISAS quE SE nÃO vEEM. HEbREuS 11:1

ENDOISÍVELO INV

Page 9: Voz de Esperança · Junho de 2014

uma pregação: “O que vemos é fantasia e o que não vemos é real”, que frase impactante! Parece tão louca e sem propósito, mas quando pensamos que nesse mundo vivemos por pouco tempo e nossos olhos não veem exatamente tudo que nos rodeia, podemos pensar que esse não é mesmo o verdadeiro mundo. Hoje pesquisadores renomados falam que não existem só três dimensões, ou seja; a largura, altura e profundidade. Eles já apontam, no mínimo, outras oito dimensões completando 11 no total (até agora). Interessante que Paulo, na carta aos efésios, capítulo 3, dos versos 17 a 20, coloca: “Que Cristo habite pela fé nos vossos corações, a fim de que, estando arraigados e fundados em amor, possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus. Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera”. Reparem que ele deixa transparecer que há mais, muito mais para conhecermos até chegarmos a ser plenos. Certos cientistas enxergam mais, pois estão usando a ferramenta da fé como instrumento indispensável para encontrar o impossível. Vejam uma colocação de Isaac Newton: “A maravilhosa disposição e harmonia do Universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isso fica sendo a minha última e mais elevada descoberta”. Com certeza ele viu o invisível, pela fé, pois não chegaria a essa conclusão usando apenas as ferramentas da ciência. Que possamos, através da fé verdadeira, desfrutar da plenitude de Deus obtida por intermédio de seu Filho Jesus, e descansar nos braços invisíveis, mas reais de Deus, que nos acolhem e nos orientam.

Hoje pela manhã estava em minha aula de biologia estudando o desenvolvimento de uma célula, quando simplesmente parei um pouco para refletir o quão complexo é uma célula, ou melhor, quão complexa é a vida.

Voltei para casa e isso tomou conta de toda minha tarde, fiquei pensando e refletindo em nossa natureza incrível.Meus principais pensamentos se basearam em como um organismo tão pequeno e complexo pode, através de meses, se tornar um ser vivo mais complexo ainda (embriologia).

O que levou a minha admiração nesse tema é justamente a complexidade que gira em torno dele, e concluí que muitas vezes passamos boa parte de nossa vida batalhando para conquistar coisas que não

necessariamente irão nos acrescentar algo bom.

Então, inclinei meus olhos para minha mão direita e comecei a analisá-la abrindo e fechando continuamente, olhando atentamente para cada movimento, depois me veio a ideia da perfeição e da complexidade de meus olhos. Até olhar para o céu (estava noite com o céu totalmente limpo), admirei por um instante aquela imensidão de estrelas e foi quando realmente me senti um insignificante. Voltei para meus problemas, e estava mais que claro que eles não eram lá grande coisa para quem criou tudo aquilo.

Acredito que o maior problema do homem é que ele quer sempre viver em um mundo irreal, sendo ele o centro do Universo e a razão acima de todas as coisas, mas felizmente não são todos que veem assim. Como exemplo usei nosso corpo, mas existem muitas coisas nesse mundo que são incríveis, por exemplo, os átomos, os organismos, a Terra, o Universo, as estrelas, as galáxias. Todas estas coisas, sejam grandes ou pequenas, devem ser admiradas em sua complexidade.

Thiago BahiaEstudante, 16 anos

Leitor da Revista Voz de Esperança

A máquinA perfeitA, no mundo perfeito

ORA, A Fé é O FIRME FunDAMEnTO DAS COISAS quE SE ESPERAM, E A PROvA DAS COISAS quE SE nÃO vEEM. HEbREuS 11:1

Page 10: Voz de Esperança · Junho de 2014

sociedade

A existência huma-na é um enorme desafio para todos nós. Num momento estamos sorrindo, em outro, chorando. Numa estação o sol ilumina nosso ros-to, em outra, uma tempestade desaba sobre nossa cabe-ça. Numa ocasião somos aplaudidos, em outra vaiados. Num momento so-mos considerados heróis, em outro, vi-lões. Num momento sentimos o sabor da vitória, em outro, o gosto da derrota. Como são complica-dos os fenômenos da existência! Como é difícil controlar as variáveis que nos afetam diariamen-te. Como é difícil lidar com os impre-vistos. Parece que a vida tem um jeito de fazer com que as coisas previsíveis não aconteçam e as imprevisíveis batam com frequência a nossa porta. Porém, em censo comum, precisamos admi-tir que a vida não é uma trajetória des-provida de agitação e conflitos. Cada um de nós, em um, ou

equiLÍBrio em meioAo CAoSem outro momento é surpreendido pe-las adversidades da existência, que por conseqüência, re-velam irritabilidade, choro, medo e frus-tração.Muitas pessoas, in-cluindo intelectuais, comportam-se com elegância quando o mundo as aplaude, mas perturbam-se e reagem impulsi-vamente quando os fracassos e os sofrimentos cru-zam as avenidas de suas vidas. Numa existência pautada por surpresas e in-certezas, quem esta realmente prepara-do para enfrentar os reveses da vida?Houve um homem que ensinou a todos nós a reagir com equilíbrio e lucidez diante do caos. Um homem que foi mes-tre em administrar e lidar com os confli-tos da existência. Jesus de Nazaré foi o melhor exemplo de equilíbrio e supe-ração que o mundo pode contemplar, pois o Mestre dos mestres teve sua

vida pautada por desafios, oposição e sofrimentos de toda ordem. Teve todos os motivos para ser deprimido e reclamar da vida, mas não o fez, pelo contrário, era ale-gre, compreensivo, bondoso e amável.Jesus não se abala-va ao ser contraria-do. Não desanimava quando as pedras lhe atrapalhavam o caminho. Não se ir-ritava quando seus opositores tenta-vam envergonhá-lo. Pelo contrário, ele enfrentava os am-bientes mais hos-tis com sabedoria, paciência e amor. Sabia criar uma at-mosfera agradável e tranquila, mesmo quando o ambien-te à sua volta era turbulento. Por isso dizia: “Aprendei de mim, pois sou man-so e humilde de co-ração”. Os homens podiam ser violentos e agressivos com Je-sus, mas ele era dó-

cil e amável com to-dos. No sermão da montanha bradou e l o q u e n te m e n te : “Felizes os pacifica-dores, porque eles serão chamados filhos de Deus” (Mt 5.9). Na sociedade moderna, os felizes são aqueles que tem status social e dinheiro. Mas, para Jesus, os felizes são aqueles que ir-radiam a paz onde quer que estejam, e, apesar das cir-cunstancias, são equilibrados e con-seguem gerenciar o caos com sabedoria e coragem. Em certa ocasião, quando o barco dos discípulos estava sendo castigado pela fúria do mar e prestes a sucumbir (Mt 14. 22-32), Je-sus veio ao encon-tro deles andando sobre as águas. Em seguida, Pedro, ou-vindo a voz do Mes-tre, rompe todos os

paradigmas e vai ao encontro do mestre.Nesta passagem, Jesus nos ensina que quando olha-mos para Ele, pode-mos andar sobre as águas turbulentas. Ele nos mostra que é possível ter equi-líbrio em meio ao caos e, com Sua aju-da, podemos andar sobre o oceano das crises existenciais, do medo, da ansie-dade, da frustração, dos imprevistos e reveses da vida. Neste episódio, Je-sus nos ensina que o sucesso não é pro-veniente da ausên-cia de problemas, mas uma questão de equilíbrio, supe-ração e fé. Assim sendo, quando você passar por uma tempestade faça como Pedro, olhe para Jesus e ande sobre as águas.

perd

oa

r

Page 11: Voz de Esperança · Junho de 2014

As pessoas são seres naturalmente sociáveis e costu-mam estabelecer relacionamentos nos mais diversos

ambientes de suas vidas. A questão é que, por diversos motivos, divergências culturais ou de ideias, acabam

magoando umas às outras e interrompendo esses laços sociais. É neste momento que saber perdoar e eliminar a culpa de quem o ofendeu pode fazer

toda a diferença no andamento do relacionamento, curando feridas e deixando de lado um sofrimento

acumulado que pode causar amargura, afasta-mento e até mesmo doenças.

O perdão é mais do que um sentimento, é uma decisão, portanto depende da pessoa querer

isentar a outra da culpa e passar por cima da mágoa para dar continuidade à relação.

Primeiro decidimos perdoar e começamos a ter atitudes e comportamentos de quem per-doou, trabalhando pensamentos de forma a eliminar todo negativismo. A partir disso, os

sentimentos também se renovam e uma nova fase é instituída. Todo esse processo pode levar um tempo, dificilmente ocorre

de maneira imediata.É preciso ter em mente que a pessoa envolvida pode não se arrepender e continuar com as mesmas atitudes que causaram o desentendimento, mas que a decisão de perdoar irá

beneficiar o indivíduo, que estará se libertando desses sentimentos ruins

que estavam ligados à briga. Compre-ender que o ato de perdoar será bom para si mesmo e ter a consciência de

quantos benefícios isso trará para todos os envolvidos, faz com que o perdão seja

independente do comportamento do outro, gerando o verdadeiro arrependimento.

Prender-se ao sentimento de rancor não traz bons resultados e gera pendências emocio-

nais. O ideal é libertar-se do orgulho e perdoar ou pedir perdão para estar em paz e ser feliz

novamente. William Shakeaspere, escritor inglês, já dizia que “ressentimento é tomar um pouco de

veneno todos os dias e esperar que o outro morra”. Independentemente da situação, perdoar liberta

dos sentimentos ruins e conduz para um caminho de felicidade.

Cibele Nardi,Coach.

````````````

comportamento

pedir perdão e perdoar ao próximo são decisões que eliminam o negativismo e dão início a um

processo de restauração nos relacionamentos.

pedir perdão e perdoar ao próximo são decisões que eliminam o negativismo e dão início a um

processo de restauração nos relacionamentos.

perd

oa

rpa

ra

pr

oss

egu

ir

Page 12: Voz de Esperança · Junho de 2014

A TELEVISÃO ME DEIXOU BURRO,MUITO BURRO DEMAIS!

“AgorA todAs As coisAs que eu penso me pArecem iguAis”será que estA frAse é reAlmente no sentido literAl, ele só pensA As mesmAs

coisAs, ou então, por cAusA dA televisão todAs As coisAs, mesmo que sejAm muito diferentes, AcAbAm sempre iguAlAdAs em suA percepção?

pArece que o compositor está dizendo que suA mente se Assemelhou A umA telA de televisão, em que todAs As imAgens desfilAm uniformes, por mAis distintAs que possAm pArecer. AnAlisAndo A sociedAde AtuAl, é possível perceber que A

letrA dA músicA de 1985 é mAis AtuAl do que nuncA. A tv proporcionA grAnde quAntidAde de informAção sem exigir muito esforço pArA A compreensão, o

que produz comodidAde, enquAnto que A leiturA obrigA o cérebro A decifrAr símbolos e orgAnizAr As informAções contidAs nos textos.

Danielle Roscamp

Page 13: Voz de Esperança · Junho de 2014

matéria de capa

tra como no Brasil o público infantil se tornou alvo preferencial da publicidade. As crianças são bombardeadas por mensagens que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. “Este aqui é o meu tamanco, gosto de usar para parecer mais alta”, diz uma menina de 8 anos, e ela complementa: “Gosto, de comprar roupas e sapatos”. Solange Souza, doutora em educação, comenta que quando as crianças ganham o que queriam, logo pedem outra coisa, por-que a anterior já perdeu o significado de desejo. A alimentação também sai prejudicada sob a influência da televi-são, e associada ao sedentarismo leva ao sobrepeso e à obesidade. Segundo pesquisa do Ministério da Saúde de 2008/2009, 34,8% dos meninos e 32% das meninas estavam com sobrepeso (16,6% e 11,8% obesos, respectivamen-te). A pesquisa alerta que, se o aumento da obesidade infantil continuar neste ritmo, as doenças cardiovasculares vão aumentar em mais de 30% nos próxi-mos 15 anos. É claro que não é possível estabelecer uma relação direta de cau-sa e efeito entre publicidade e obesida-de isolando os demais fatores presentes no desenvolvimento das crianças. Ape-sar das tentações, famílias com hábitos alimentares mais saudáveis têm menos chance de conviver com o problema. Outro problema é a discipli-na. Filhos que têm TV no quarto cos-tumam burlar o horário de dormir e as recomendações dos adultos sobre a programação que não devem assistir. “Algumas vezes eu peguei as meninas com a televisão ligada de madrugada. Percebi que desligavam pelo controle remoto quando ouviam que alguém es-tava acordado. Tirei a TV do quarto”, con-ta Samuel, pai de duas meninas. Ele fala

A mãe diz pra eu fazer alguma coisa, mas eu não faço nada A televisão é um dos meios de comunicação mais acessíveis à maioria da população brasileira. Mais de 97% dos lares, segundo o último censo do IBGE, possuem, no mínimo, um aparelho de TV (é mais do que os 95% das casas com geladeiras), entretanto, quase metade da população do Brasil, acima dos cinco anos, não costuma ler. A pesquisa ainda revela que, mesmo após a invenção da internet, a televisão é uma das principais fontes de infor-mação dos brasileiros, pois apenas 53% têm acesso à rede. É lógico que a televisão exerce influência na sociedade brasileira em todos os níveis. Com relação à vida familiar, o trabalho dos pais toma tempo da con-vivência com os filhos e como as ruas se tornaram ambiente extremamente inseguro, as conexões das crianças com o mundo ficam praticamente a cargo da escola e da televisão. “Para estimular essa dependência, as emissoras trans-portam em suas programações cada vez mais a violência para dentro dos lares. Não apenas na exibição de programas policiais, mas até novelas e desenhos exploram a violência”, diz KK Martins, que há mais de 20 anos trabalha neste meio. O jornalista explica que o problema é a antecipação de assuntos como sexo e drogas, fazendo com que percam a ino-cência mais rapidamente. “Mas para os donos das TVs, o mais importante é que antecipando etapas, essa gente miúda se torna mais cedo um consumidor poten-cial”, diz Martins. A questão do pequeno con-sumista é abordada no documentário Criança, a Alma do Negócio, que mos-

que a realização dos deveres escolares estava ficando sutilmente ligada à pro-gramação da televisão. “Percebi que a tarefa era interrompida, porque era hora de tal programa. Não dá para fazer todos os gostos. Isto estava prejudicando o de-senvolvimento das atividades, primeiro as tarefas”, finaliza o pai. Para solucionar o problema, “desligar a TV nem sempre é a solução”, diz KK Martins. O jornalista afirma que é possível tirar algum proveito da pro-gramação televisiva na educação. “O veículo ajuda na alfabetização. Oferece estímulos para que as crianças falem, narrem os episódios, interpretem as histórias dos filmes e desenhos anima-dos que assistiram e façam, assim, uma ponte com a vida cotidiana. Também permite a constante atualização de acontecimentos, amplia fronteiras nos colocando em contato com diferentes realidades”. Ou seja, é mais eficiente ensinar as crianças a lidar com a mídia e a entender seu funcionamento do que tentar impedir que ela tenha con-tato com a ampla e crescente gama de meios de comunicação oferecida hoje. O produto que aparece na fantasia da propaganda costuma ser diferente da-quele que se encontra dentro da caixa, ou na prateleira da loja. Orientadas, as crianças aprendem rapidamente essas diferenças. E quanto à legislação? Des-de 2006 os anúncios de alimentos para crianças não podem encorajar o consu-mo excessivo de alimentos e bebidas, ou menosprezar a alimentação saudá-vel ou apresentar produtos que subs-tituam refeições. No início de 2013 foi proibido o merchandising de qualquer produto ou serviço na programação voltada para crianças, uma decisão im-portantíssima e com um impacto muito grande.

Page 14: Voz de Esperança · Junho de 2014

DEIXA A CORTINA FECHADA A brincadeira da letra é com o momento em que as cortinas são total-mente fechadas nas janelas da sala ou do quarto para assistir um filme, assim a imagem fica mais nítida. A metáfora faz alusão à mente passiva, inerte. A mente está tão acostumada às sombras, que contrai imediatamente os olhos ao mais ameno raio de luz. Um clarão no meio das trevas é o que se tornou Muito Além do Cida-dão Kane, um documentário britânico dirigido por Simon Hartog, produzido por John Ellis, e transmitido pela pri-meira vez no Channel 4 de Londres em 1993. Ele detalha a posição dominadora da Rede Globo e discute a influência, o poder do grupo, e as conexões políticas. O presidente da Globo e fundador Ro-berto Marinho foi criticado e compara-do ao personagem Charles Foster Kane, magnata de um jornal fictício, criado por Orson Welles para o filme de 1941, Cidadão Kane. De acordo com o docu-mentário, o grupo de mídia do Marinho se envolve em manipulação de notícias para influenciar a opinião pública. A Rede Globo contestou a posição do filme e tentou comprar os direitos do Brasil, mas Hartog já tinha feito acordos para não dar direitos à TV, a grupos políticos e culturais no Brasil. Então, a emissora foi à Justiça para im-pedir a exibição agendada para março 1994, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e ganhou uma ordem judicial pela qual a Polícia Militar confiscou car-tazes e a cópia do filme. Nunca foi trans-mitido pela TV no Brasil ou lançado nos cinemas comerciais, mas foi mostrado ilegalmente durante a década de 90 em universidades e entre grupos políticos. Em 1995, um tribunal rejeitou a oferta

da Rede Globo para confiscar uma có-pia em poder de alguma universidade. O filme foi oficialmente restrito a exa-mes universitários. Desde o boom da Internet do início do século 21, o filme foi lançado em redes de compartilha-mento e teve centenas de milhares de acesso no YouTube e Google Video . Um dos pontos apresenta-dos no documentário é sobre a ma-nipulação de imagens por parte do jornalismo da Rede Globo, no Jornal Nacional, um dia depois do debate do dia 14 de dezembro de 1989 entre os candidatos à Presidência da Repúbli-ca, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor de Mello. E para completar, em 2011, o homem que formatou o “Pa-drão Globo de Qualidade” lança sua nova obra, “O Livro do Boni”: a Globo manipulou o debate. No livro, José Bo-nifácio Sobrinho, o Boni, dá detalhes da noite do debate, cuja repercussão foi considerada fundamental para a vitória no segundo turno de Collor de Mello, uma vez que antes do aconte-cimento os dois políticos estavam em situação de empate técnico. Boni admite que “a emissora assumiu o lado de Fernando Collor de Mello”. Segundo ele, após ser procura-do pela assessoria do ex-presidente, o superintendente executivo da Globo, Miguel Pires Gonçalves, pediu que ele palpitasse no evento. “Eu achei que a briga do Collor com o Lula nos deba-tes estava desigual, porque o Lula era o povo e o Collor era a autoridade”, es-creveu. “Então nós conseguimos tirar a gravata do Collor, botar um pouco de suor com uma ‘glicerinazinha’ e colo-camos as pastas todas que estavam ali com supostas denúncias contra o Lula – mas as pastas estavam inteiramente vazias ou com papéis em branco”, re-

lata Boni. E ainda finaliza: “Todo aquele debate foi produzido, não o conteúdo, o conteúdo era do Collor mesmo, mas a parte formal nós é que fizemos”. Após o trágico fim do gover-no Collor, inicia-se uma postura mais sóbria da imprensa que se declarou de-mocrática e apartidária, entretanto uma grande parte das concessões de rádio e TV estão nas mãos de políticos. Diante desta suposta neutralidade da mídia, o diferencial das eleições passaram a ser os “marqueteiros profissionais”. “Todo o arsenal da propaganda que o dinheiro pode comprar passa a construir can-didatos-personagens (ou candidatos--produtos) cada vez mais vendáveis (ou votáveis). Chegam a usar pesquisas de opinião diárias e monitorar os debates na TV com grupos de discussão tão ins-tantâneos que instruem mudanças no desempenho dos candidatos ao vivo, entre um bloco e outro da transmissão (quando assessores lhes vêm falar ao ouvido)”, afirma o publicitário Lorenzo Aldé. “Como colocar um intelectual empedernido paulistão, como ele, com cara de povo?”, era o que se pergunta-va o publicitário Nizan Guanaes, res-ponsável pela campanha de Fernando Henrique Cardoso em 1994. A solução era econômica: o herói foi o preço do pãozinho, mais barato na mesa do povo — o fim da inflação era cabo eleitoral irresistível, e o “Pai do Plano Real” aca-bou eleito. Após amargar três derrotas consecutivas em eleições à presidência, Lula declarou que só se candidataria pela quarta vez se sua campanha elei-toral fosse dirigida por um publicitário. Duda Mendonça, que já havia colabo-rado com a eleição de Paulo Maluf para a prefeitura de São Paulo em 1993, foi o escolhido e se tornou o grande nome

Page 15: Voz de Esperança · Junho de 2014

matéria de capa

do marketing político nacional. Ele transforma a imagem do “sindicalista raivoso de 1989 à consagração nacio-nal, 13 anos depois. Um novo Lula havia nascido: Lulinha paz-e-amor”, diz Aldé.

É claro que líderes não se fazem só de imagem, Lula é um grande articulador de massas. Mas o temor do “político artificial” diminui se considerarmos que também o olhar do espectador-eleitor

se aprimora com o andar da democra-cia. Aprende-se a enxergar que o jogo político é muito mais complexo do que aquelas caras sorridentes da TV.

TUDO QUE A ANTENA CAPTAR MEU CORAÇÃO CAPTURA A captação de imagens pela antena de televisão deixa de ser assim algo tão ingênuo e passivo para adquirir matizes de processo ativo. “Captar” é quase “capturar”, o que implica ir ao en-calço de, criar estratégias, armadilhas para o aprisionamento de homens ou animais. O compositor dissera antes: eu vivo dentro dessa jaula, na qual ele também é o capturado. Ele foi captura-do pelas imagens que seus olhos capta-ram (ou capturaram). Com esta metáfora, o letrista diz que o telespectador é preso da te-levisão, que ele se torna refém dela. Na verdade, o verso “meu coração captura” deve ser lido antes como “meu cora-ção é capturado”. Essa leitura é perfei-tamente autorizada pela letra. Captar aqui é ser capturado, é perder o espírito crítico. Novelas há muito tempo acio-nam modismos no Brasil. Depois de

“O Clone”, a dança do ventre tornou-se uma epidemia. Em 1994, meninas bra-sileiras começaram a usar flores amare-las nos cabelos após uma personagem exibir o adorno em “Quatro por Quatro”. Depois de “Caminho das Índias”, coisas indianas, ou supostamente indianas, tornaram-se imensamente populares. A assistente social e palestrante do assunto, Christiane Lima, explica que a população é facilmente influenciada pela mídia principalmente quando está relacionada a novelas. “Acaba uma no-vela e inicia outra e os modelos de com-portamentos, beleza, moda e outros vão se alterando. Mudam os persona-gens, a trama e os assuntos abordados e a sociedade vai respondendo a este estímulo produzido”. Mas, no Brasil, “um país que assiste em média mais televisão do que qualquer outro, só perde para a Grã--Bretanha”, novelas tem um efeito mais duradouro ao “influenciar escolhas de estilo de vida”, dizem os pesquisadores da Texas A & M University, que estuda-ram a influência dos programas na so-ciedade brasileira. A pesquisa foi divul-

gada pelo The Washigton Post, um dos jornais mais respeitados e lidos em todo o mundo. Para se ter uma ideia, um dos estudos publicados na matéria encon-trou uma ligação entre o consumo de novelas produzidas e a queda das taxas de fertilidade e aumento das taxas de divórcio no Brasil. O que os pesquisado-res afirmam é que as novelas celebram uma concepção específica da família: uma análise de 115 novelas, entre 1965 e 1999, mostrou que 72% das principais personagens femininas não tinham fi-lhos e 21% tinham apenas um filho. As novelas retrataram a família “pequena, bonita, branca, saudável, urbana, clas-se média e alta, família consumista”, observou o estudo. “Você tinha essa representação chegando todos os dias: se você quer ser urbano, moderno, de classe média, as crianças não são uma boa ideia”, afirmou La Pastina, um dos pesquisadores. Os estudiosos ainda di-zem que as novelas têm desempenha-do um papel na formação de opiniões no Brasil porque, por muitos anos, elas eram uma das poucas formas de entre-tenimento disponíveis para as massas.

Psicologia Pastoral“A bocA fAlA do que o corAção está cheio” (bíbliA, NVi, MAteus

12.34) e AiNdA “AciMA de tudo, guArde o seu corAção, pois dele depeNde todA A suA VidA” (bíbliA, NVi, proVérbios 4.23). leiA jorNAl, boNs liVros. MesMo

eM cAsA, iNVeNte NoVAs forMAs de lAzer coM A fAMíliA. VejA A VidA lá forA e Não ArregAle tANto os olhos pArA As “MArAVilhAs” do MuNdo do espetáculo. A VidA é Muito coMplexA pArA cAber NuMA teliNhA. e pArA fiNAlizAr A MAtériA NA MesMA siNtoNiA, Me VeM à MeNte uM

trecho de uMA cANção que ApreNdi NuM AcAMpAMeNto iNfANtil: “Não deixe que A teliNhA dA teleVisão suje A teliNhA do seu corAção”, ou sejA, toMe cuidAdo coM o que suA ANteNA cAptA porque Você pode ser o cApturAdo NessA históriA.

Page 16: Voz de Esperança · Junho de 2014

entrevista

Como voCê senTiu que era o momenTo de re-nunCiar a Tudo o que Tinha para Começar a viver aquilo que deus Tinha para voCê?Quando eu vim para Cristo, estava passando por uma época difícil na minha vida. Por ser deficiente físico, passei por um período de revolta muito grande e para sair dessa revolta me refu-giei nas drogas. Dos 13 aos 19 anos fui dependente quí-mico, porém aos 19, Jesus me resgatou e esse encon-tro com Cristo foi trans-formador. Voltei a estudar, conclui o ensino médio, fiz faculdade de pedagogia com especialização em psi-copedagogia, um mestrado, casei, Deus me deu um filho, fiz vários concursos e passei em todos, até que eu olhei e pensei: Deus fez tanto por mim, eu preciso fazer algo para retribuir pelo menos um pouco do muito que Ele fez. Foi aí que eu comecei a trabalhar na igreja de maneira apaixona-da, trabalhei na igreja local, em grupos missionários, fui coordenador de jovens e adolescentes, até que eu fiz um curso da antiga escola teológica quadrangular. Foi em uma convenção de pastores que Deus falou comigo de uma forma muito especial, surgiu uma

oportunidade e eu recebi um convite de um amigo, que necessitava de obreiros para a ilha de Marajó. Essa é uma região muito carente do Brasil e eu fui enviado para trabalhar em Anajás, cidade com 22.000 habi-tantes, onde eram regis-trados 20.000 casos de malária por ano. Eu e minha esposa tínhamos um bom salário, casa, carro, todo conforto e estrutura que alguém gostaria de ter. Só que a cidade que nós morá-vamos ficava a dois dias de barco da cidade para a qual estávamos sendo enviados, e para assumir o trabalho na igreja em Anajás, era necessário que abríssemos mão do concurso público e da casa. Eu não pensei duas vezes, deixei o concurso, abri mão da casa e fui com minha família.

quais foram as maio-res difiCuldades que enfrenTou dianTe da renúnCia do emprego e do desafio de morar em ouTra Cidade?Quando eu cheguei lá a realidade foi difícil, a cidade era extremamente pobre, eu tive que aprender a viver por mês com menos do que eu ganhava em uma hora de trabalho. Peguei malária dez vezes, fui picado por cobra. Um dos desafios

Este mês nossa equipe conheceu um pouco da história do homem que ven-ceu as dificuldades físicas, se graduou, fez mestrado, foi concursado e depois deixou tudo para desenvolver o minis-tério junto aos ribeirinhos na ilha do Marajó.

Page 17: Voz de Esperança · Junho de 2014

oportunidade e eu recebi um convite de um amigo, que necessitava de obreiros para a ilha de Marajó. Essa é uma região muito carente do Brasil e eu fui enviado para trabalhar em Anajás, cidade com 22.000 habi-tantes, onde eram regis-trados 20.000 casos de malária por ano. Eu e minha esposa tínhamos um bom salário, casa, carro, todo conforto e estrutura que alguém gostaria de ter. Só que a cidade que nós morá-vamos ficava a dois dias de barco da cidade para a qual estávamos sendo enviados, e para assumir o trabalho na igreja em Anajás, era necessário que abríssemos mão do concurso público e da casa. Eu não pensei duas vezes, deixei o concurso, abri mão da casa e fui com minha família.

quais foram as maio-res difiCuldades que enfrenTou dianTe da renúnCia do emprego e do desafio de morar em ouTra Cidade?Quando eu cheguei lá a realidade foi difícil, a cidade era extremamente pobre, eu tive que aprender a viver por mês com menos do que eu ganhava em uma hora de trabalho. Peguei malária dez vezes, fui picado por cobra. Um dos desafios

foi aprender a nadar, as cidades são interligadas por água e eu não sabia nadar. Por ser portador de defici-ência eu tinha um trauma, um medo muito grande. Ou-tro desafio foi me adaptar a realidade ribeirinha, pois eu vivia em um contexto bem diferente vindo de uma realidade urbana. A pri-meira vez que eu contraí a malária, eu peguei dos dois tipos, mas com a graça de Deus superamos todas as dificuldades, pois eu sabia que Deus era maior do que toda aquela situação que estávamos enfrentando. Eu precisava mostrar àquele povo que Deus os amava, se eu tivesse que morrer para que aquele povo conhe-cesse o amor de Deus, eu estava disposto a isso.

fale um pouCo soBre o projeTo de implanTa-çÃo de várias igrejas em pouCos dias, Como surgiu isso?Nossa igreja (IEQ) em 2013 completou 40 anos no Pará, e todos os anos o nosso presidente, o pastor Josué Bengtson, se reúne com a liderança para estabelecer alvos para a implantação de novas igrejas e eu queria homenagear nossa igreja, nosso fundador, abrindo 40 igrejas ao longo do ano de 2013. Quando apresenta-

mos o nosso projeto, muita gente achou que era loucu-ra, achavam que ninguém conseguiria fazer e isso no começo me entristeceu, porém o nosso líder nos en-corajou dizendo: “Se você crê, então vá! A minha falta de fé não vai te atrapalhar, assim como a minha fé pode não te ajudar.” E nós fomos, reunimos nossos grupos, juntamos a lide-rança da igreja, fizemos um período de jejum, oração e eu falei para o meu grupo: “Ninguém acredita que é possível abrir 40 igrejas em um ano mas eu creio no poder de Deus e tenho fé que podemos construir em 40 dias e eu vou dar o exemplo, vou construir uma igreja e não vou pedir di-nheiro a ninguém, vou tirar do meu bolso, vou comprar um terreno, comprar o material de construção e se eu não tiver dinheiro para pagar a mão de obra vou aprender, mas em 40 dias eu vou fazer.” Quando eu vi, 250 pessoas se propu-seram a fazer o mesmo, separamos essas pessoas em 40 grupos de 5 pessoas e cada equipe tinha a mis-são de comprar um terreno e construir uma igreja em 40 dias, e o mover de Deus foi tão grande que conse-guimos construir 47 igrejas nesse período.

qual é a sensaçÃo de olhar para a Cidade e ver TanTas famílias Transformadas, resTiTuídas, pessoas alCançadas?A gente fica feliz, mas ao mesmo tempo se entristece porque ainda existe outra multidão que ainda precisa ser alcançada e enquanto a gente não os alcançar, essa felicidade não vai ser plena. Nossa oração é para que Deus nos dê forças e levante mais e mais obrei-ros para que consigamos alcançar essas almas que estão clamando. Se eu tivesse ido para lá e tivesse ganhado apenas uma alma, eu já estaria feliz porque uma alma vale mais do que o mundo inteiro, só que Deus nos deu um campo com 500 mil pessoas e eu tenho que ir atrás.

Como voCê define esse amor pelas almas?O amor é um mistério, essa paixão é algo que Deus implanta dentro da gente, as vezes a gente pode achar que não sente amor. Eu converso com muitas pes-soas e muitos me dizem: “Eu queria ter esse amor, essa paixão.“ Talvez vocês tenham uma paixão ainda maior, o que falta é colocar esse amor em prática, por-que há o desejo, a diferença

está na ação porque o amor com certeza é o mesmo só que a maneira de um agir é diferente do outro agir. Atualmente tenho dois filhos, e como pai os amo da mesmo modo, só que um consegue me cativar mais que o outro. Não quer dizer que eu ame diferente, mas é a maneira com que eles agem comigo que faz a diferença. A maneira com que expressamos nosso amor pelas almas é o que faz a diferença. Talvez você ame mais as almas do que eu, possivelmente a diferença seja a minha maneira de agir frente a sua maneira de agir.

voCê Tem algum medo? Sim. Deus tem nos levado a muitos lugares e isso me assusta, eu tenho medo de perder o coração, de ficar deslumbrado. Meu coração tem que estar plantado em Deus e em Deus está. A Bíblia diz que onde está o coração do homem ali está o seu tesouro. Eu amo quando Deus me leva para ministrar em outros lugares, mas não tem coisa mais apaixonante den-tro do meu coração do que quando eu estou ali pregando para os ribeirinhos, para aqueles jovens, adolescentes, vendo as coisas acontecerem. O meu medo hoje é de perder o foco, a visão, espero que isso nunca aconteça.

E M E R S O N A L V E SA M O R P E L O S R I B E I R I N H O S ,

Page 18: Voz de Esperança · Junho de 2014

Ame Brasil A Marcha para Jesus 2014 marcou sua 21ª edição. No dia 17 de maio, cerca de 300 mil pessoas se reuniram no centro de Curitiba para manifestar seu amor por Jesus. Pessoas de outros Estados também participaram do evento. Alexandre Amaral é pastor em Ubatuba e disse estar impressionado com toda a organização e principalmente com a alegria das pessoas, “fomos muito bem recebidos, a imagem do curitibano frio não fez parte desse momento”. O tema deste ano foi “Ame Brasil”, baseado na Copa do Mundo 2014. O objetivo foi demonstrar que existe uma nação que ama seu país, sua cidade, mas que principalmente a Jesus e às pessoas. Além da capital, a Marcha também acontece em outras 115 cidades do Paraná.

Fotos: João Tavares

Page 19: Voz de Esperança · Junho de 2014

fatos & fotos

Não existe mentirinha Foram quatro meses preparatórios para que o Musical Infantil fosse apresentado no dia 11 de maio, data especial por ser o Dia das Mães. Ao todo, o evento contou com a colaboração de quase 300 pessoas, que se dividiram em ensaiar as crianças, confeccionar cenários e figurinos, entre outras atividades. O tema do Musical Infantil de 2014 foi as “Aventuras de Flô”, que trouxe no enredo a mentira como tema principal. Ao longo da peça, as crianças abordaram, através da dança, do coral e interpretação, a maneira sutil que a mentira se insere no nosso dia a dia, e as consequências que ela traz para a vida das pessoas. Esse é um evento anual que tem como objetivo inserir a comunidade e os membros nas atividades da igreja, e também é uma forma de homenagear as crianças e os pais que se dedicam para que tudo ocorra bem nesse dia especial para todos. Fotos: Evandro Takemiya

Page 20: Voz de Esperança · Junho de 2014

da mesma forma Que se fala em reeducação alimentar, o ato da reciclagem e até mesmo sobre ser gentil Para mudar o mundo, também é Preciso Pensar seriamente na forma Que estamos consumindo a água.sem água não há vida. Por isso, esse é o Ponto crucial da discussão. devemos ingeri-la abundantemente, inclusive no inverno, mas em hiPótese alguma esnobar o direito (ou Privilégio) Que temos Para usá-la, evitando toda forma Possível de desPerdício.esPecialistas dizem Que se as coisas continuarem como estão, um dia ela deixará de existir. Por isso é imPortante lembrar Que a água Que escoa Pelo ralo não é reciclável, nunca mais vai voltar. então, devemos tratá-la como um tesouro. o Povo Que a tem Pode dizer Que é abençoado, afinal sem riQuezas continuamos a vida, mas sem água não.são PeQuenas atitudes no dia a dia Que fazem toda a diferença.

Um TeSoURo cHamado

ÁGUA

Basta um copoPara escovar os dentes é ne-cessário apenas um copo de água. Evite deixar a torneira aberta.

Use a vassouraAntes de lavar a calçada, use vassoura. Jamais use a água da mangueira para “varrer” a sujeira.

Hora do banhoSeja rápido no banho. Cada 5 minutos embaixo do chuveiro ligado consomem aproximadamente 70 litros de água.

cidadania

Page 21: Voz de Esperança · Junho de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO

PSICOTEOLOGIATERAPIA FAMILIAR

GESTÃO ECLESIÁSTICA

DURAÇÃO8 meses

PRESENCIAL15 encontros

À DISTÂNCIA:2 encontros

CIÊNCIAS DA RELIGIÃO

DOCÊNCIA DO ENSINO RELIGIOSO

CURSOS RECONHECIDOS PELO MEC

GESTÃO DE PESSOAS

R. São Francisco, 204.CENTRO. CURITIBA. PARANÁ

TEL [email protected]

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE CURSOS, DATAS E VALORES, ACESSE:

cvq.com.br

1965 - 2014RUMO AO JUBILEU DE OURO

Basta um copoPara escovar os dentes é ne-cessário apenas um copo de água. Evite deixar a torneira aberta.

carro limpoUse baldes, e não a man-gueira, para lavar o carro. Seu automóvel fica limpo e a economia pode chegar a 300 litros de água.

economiaDiminua as descargas. Regule periodicamente a válvula de descarga.

lavando roupaJunte roupas para lavar to-das de uma só vez. Aprovei-te a água usada no tanque ou na máquina para lavar calçadas.

Tá Pingando!Os maiores ladrões de água são vazamentos, torneira pingando e descarga des-regulada. Faça manutenção regularmente.

feche a torneiraAo lavar as mãos ou a louça, não deixe a torneira aberta todo o tempo. Isso evitará que vários litros de água tra-tada sejam desperdiçados.

Pordaiane estevão

Page 22: Voz de Esperança · Junho de 2014

Alcance,Ensino ePastoreio.

O Conexão Kids e Teen será aos domingos:

CONEXÃO KIDS Crianças de 7 a 10 anos.

LOCAL: Cenáculo. HORÁRIO: Manhã: 9h às 11h,

Tarde: 16h30 às 18h e Noite: 19h às 21h.

CONEXÃO TEENS Juniores de 11 a 14 anos.

LOCAL: Templo. HORÁRIO: Manhã: 9h às 11h e

Noite: 19h às 21h.

FAÇA A INSCRIÇÃODO SEU FILHO!

INÍCIO: 8 DE JUNHO

PRIMEIRA IEQR. ALBERTO FOLLONI, 143. CTBA. PR

41 3151.5100

Page 23: Voz de Esperança · Junho de 2014

tempo de criança

O que lhe vem à mente quando ouve a palavra armadura? Talvez você pense naquelas armaduras

antigas que os soldados usavam nas batalhas, ou quem sabe na proteção que os policiais usam hoje em dia,

ou ainda no equipamento que os bombeiros usam. O que todos têm em comum, é que a armadura serve para

proteger. Deus também nos dá uma armadura quando aceitamos Jesus como Salvador, para nos proteger de

Satanás, que é nosso inimigo, nosso adversário.

Não podemos ver essa armadura, ela é invisível, porém muito poderosa, e está descrita no livro de

Efésios 6.13 ao 17: O capacete da salvação protege a mente; a couraça da justiça protege o coração para

que faça aquilo que é certo; o cinto da verdade ajuda você a aprender a Palavra de Deus e a dizer a

verdade; os sapatos do Evangelho da paz ajudam você a ficar firme; o escudo da fé protege dos

ataques que o fariam duvidar de Deus; a espada do Espírito é a Palavra de Deus, é a sua arma

contra seu inimigo. E lembre-se: ela não é invisível para Deus e nem para nosso inimigo.

Precisamos da Armadura de Deus para nos proteger de todo ataque de Satanás, pois

ele é inimigo de Deus, e assim nosso inimigo também, pois somos filhos de Deus.

Ele ataca seu coração fazendo com que você não obedeça a Deus e faça coisas

erradas, que te afastam da proteção de Deus. Então, amiguinho, cuidado

com aquilo que você fala, assiste, acessa na internet ou joga. Sozinho

não conseguirá, mas com Jesus e com a Armadura de Deus você

terá forças para vencer. Você precisa vestir todos os dias cada

parte da armadura, para isso aproveite seu tempo com

Deus em seu devocional, enquanto você não me-

moriza todas as partes, leia o versículo para

colocar a armadura, orando a Deus,

pois ela também faz parte da

nossa proteção.

oque é

armadura dedeus?

Pastora Rosangela Ferreira

No verso desta páginapinte, recorte e colea armadura do soldado.

Passatempo

Page 24: Voz de Esperança · Junho de 2014
Page 25: Voz de Esperança · Junho de 2014

2º Do

MINg

oRE

uNIõE

SAT

IVIDA

DES

cAMPANhA PElA FAMílIALutem por seus irmãos, por seus filhos e por suas filhas, por suas mulheres e por suas casas (Neemias 4.14b). Todo segundo domingo do mês9h, 16h30 e 19h Participe, lute e vença pela sua família!

PRojETo NoS BRAÇoS Do PAIO Projeto “Nos Braços do Pai” é um ministério da Primeira IEQ que realiza um trabalho com pessoas portadoras de necessidades especiais.As reuniões acontecem aos sábados, das 17h às 18h, na rua Alberto Folloni, 60.

Contato

[email protected]

MINISTÉRIo coM SuRDoS Atendimento de terça à sexta, das 13h às 19h.

(para médico, advogado etc).

Reuniões

Contato41 [email protected]

REuNIõES ESPEcIAISSanta CeiaDia 6 de julho, domingo às 9h, 16h30 e 19hDia 11 de julho, sexta-feira às 14h30

Culto da FamíliaDia 13 de julho, domingo às 9h, 16h30 e 19h

Culto de MissõesDia 20 de julho, domingo às 9h e 19h

Batismo Disse Jesus: “Quem crer e for batizado será salvo” (Mc 16.16).Dia 27 de julho, domingo às 9h, 16h30 e 19hDia 30 de julho, quarta-feira às 14h30

agenda primeiraIEQ

DoMI

NgoS

Page 26: Voz de Esperança · Junho de 2014

Amados, até quando não acreditaremos no poder de Deus? Até quando deixaremos de receber aquilo que Deus tem preparado para a nossa vida? A incredulidade não vê, em momento algum, a superação das coisas ou o resultado após a luta. Quanta coisa Deus já te deu porque você acreditou? E quanta coisa nós não recebemos porque duvidamos? Por que não acreditamos naquilo que Deus nos tem prometido? Quantos gigantes estão diante de você? A doença é um gigante? Problemas financeiros, conjugais, sentimentais, filhos, filhas, quem sabe envolvidos com drogas, por que é que vamos temer? Vamos entrar na batalha porque a vitória é nossa. Vamos à casa do Senhor e tomemos posse da bênção, pois é certo que venceremos. Grandes coisas vão acontecer. Creia!

espaço cultural

Cantor: DAVI SACER Gravadora: SOM LIVRE

O cantor Davi Sacer acaba de lançar pela Som Livre o CD “Venha o Teu Reino”. O álbum contém 13 faixas que resultam de momentos de busca e intimidade com Deus. O cantor relata sobre a composição da música Único Senhor, que é a décima canção do CD. Ela foi escrita por Davi durante um voo, o cantor lia no evangelho de Marcos a passagem em que Jesus responde a um mestre da Lei, que o indaga sobre qual é o mandamento mais importante. “Quando eu li isso no avião, meu coração foi incendiado instantaneamente por esta declaração, e em pouco mais de meia hora, sentado na poltrona daquela aeronave, em lágrimas, Deus me deu essa canção”, relata. O disco começou a ser distribuído para todo o Brasil pela Som Livre, quem prefere adquirir as canções em formato digital já pode encontrar “Venha o Teu Reino” no iTunes.

Jonatas Alves

CD

venha o Teu reino

Autor MARCOS BOTELHO Editora EDITORA ULTIMATO

Vida Cristã Fora da Caixa é um livro para quem tem pressa. Para quem tem um olho na Bíblia e o outro no mundo. Para quem não vive sem internet e para quem não sabe bem o que fazer com a fé cristã. “Entender o verdadeiro motivo pelo qual não nos relacionamos com Deus irá nos humilhar, sim, mas será o primeiro passo para um relacionamento sincero com o Pai. Um passo para uma maior dependência dele”. Sexo, vocação, igreja e uma variedade de temas que quase sempre questionamos são apresentados neste livro

Andrielli Prussak ALves

Livrovida CrisTÃ fora da CaiXa

pr. eduardo Zdrojewski

Page 27: Voz de Esperança · Junho de 2014
Page 28: Voz de Esperança · Junho de 2014

RUA ALBERTO FOLLONI, 143 TEL 41 3151.5100CURITIBA . PR

PRIMEIRA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR

UMA FAMÍLIA PARA TODOS

9h16h3016h3019h19h

MANHÃ DA BENÇÃOENCONTROS DE VIDACULTO INFANTILCULTO DO PODER E LOUVORCULTO INFANTIL

14h3020h3020h30

TARDE DA PROVISÃOREUNIÃO DO EMPREENDEDORCULTO INFANTIL

8h14h3020h

ORAÇÃO E JEJUM (TEMPLO)INTERCESSÃO (TEMPLO)CULTO DE ORAÇÃO

18h19h30

CULTO DOS SURDOS (CENÁCULO)ALTA FREQUÊNCIA - JOVENS

14h30 TARDE COM DEUS (3ª IDADE)

8h14h3014h3020h20h20h

MANHÃ DA BENÇÃOTARDE DA BENÇÃOCULTO INFANTILNOITE DOS LOUVORESJUNIEQ | JUNIORES (TEMPLO)CULTO INFANTIL

14h3020h20h19h3022h3022h30

LIBERTAÇÃO E PROSPERIDADECULTO INFANTILNOITE DOS MILAGRESMAD - ADOLESCENTES (TEMPLO)CULTO INFANTILCURA E LIBERTAÇÃO

D

S

T

Q

Q

S

S

8h30 às19h

CENT

RO EV

ANGE

LÍSTIC

O

8h30 às 16h

8h30 às12h14h às 16h

RUA SENADOR ALENCAR GUIMARÃES, 97 . 1º ANDAR . CENTRO 41 3224.5274 (ENTRE A RUA EMILIANO PERNETA E A PRAÇA OSÓRIO EM CIMA DA BOUTIQUE DIM DOM).

Enc

ontr

o d

e E

vange l istas de Crianças

Idealcançai

eas crianças

ORGANIZAÇÃO

INVESTIMENTOInscrição, material didático e lanche da tarde

R$ 15,00 (crianças de 6 a 10 anos) R$ 30,00 (adultos)

R. Alberto Folloni,nº 143 · Juvevê

41 [email protected]

PRELETORES

Pra. Sabrina AraújoPra. Sibele Mantz

PRIMEIRA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR

UMA FAMÍLIA PARA TODOS

19 JUN 8h às 19h

OficinasSemináriosMinicursos