TÍTULO: AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE MICRORGANISMOS conic- · PDF...

Click here to load reader

  • date post

    04-Jan-2019
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of TÍTULO: AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE MICRORGANISMOS conic- · PDF...

TTULO: AVALIAO DA OCORRNCIA DE MICRORGANISMOS EM CASCAS DE OVOS EXPOSTOSEM COMRCIO POPULAR NA REGIO DE GUARULHOS SPTTULO:

CATEGORIA: EM ANDAMENTOCATEGORIA:

REA: CINCIAS BIOLGICAS E SADEREA:

SUBREA: BIOMEDICINASUBREA:

INSTITUIO: UNIVERSIDADE GUARULHOSINSTITUIO:

AUTOR(ES): MELISSA COLPANI DE VITORAUTOR(ES):

ORIENTADOR(ES): DENISE BARCELOSORIENTADOR(ES):

COLABORADOR(ES): AUREA REGINA MALDONADO MUNHOZCOLABORADOR(ES):

i

UNIVERSIDADE GUARULHOS Projeto apresentado para solicitao de bolsa de Iniciao Cientfica PIBIC-UnG

Rodada I-14

AVALIAO DA OCORRNCIA DE MICRORGANISMOS EM

CASCAS DE OVOS EXPOSTOS EM COMRCIO POPULAR NA

REGIO DE GUARULHOS SP

Aluno: Melissa Colpani de Vitor

RA: 2012045370

Curso: Biomedicina (5 semestre)

Orientadora: Prof. Ms. Denise Barcelos

Durao do Projeto: 12 meses

Data prevista para incio: 01/08/14

2014

ii

Orientadora do Projeto:

Nome: Denise Barcelos

Endereo: Alameda Tutoia, 389, Gopouva, Guarulhos

Titulao: Mestre em Patologia pela Universidade Federal de So Paulo.

Vnculo empregatcio: UNIVERSIDADE GUARULHOS (Contrato CLT)

Co-orientadora do Projeto:

Nome: Aurea Regina Maldonado Munhoz

Endereo: Rua da Cavalgada, 340, AP. 22B Jardim Julieta So Paulo - SP

Titulao: Biomdica

Vnculo com a UNIVERSIDADE GUARULHOS: Contrato CLT

iii

SUMRIO

1 INTRODUO ......................................................................................................... 5

2 JUSTIFICATIVA ....................................................................................................... 8

4 MATERIAL E MTODOS ....................................................................................... 10

4.1 COLETAS DO MATERIAL .................................................................................. 10

4.2 ANLISES MICROBIOLGICAS ....................................................................... 11

4.3 ESTUDOS DAS COLNIAS ............................................................................... 11

5 PLANO DE TRABALHO ........................................................................................ 13

6 RECURSOS NECESSRIOS ................................................................................ 14

7 CRONOGRAMA .................................................................................................... 14

8 RESULTADOS ESPERADOS ................................................................................ 15

9 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS ...................................................................... 16

iv

RESUMO

O ovo de galinha um alimento rico em protenas e de fcil acesso

populao, est presente na alimentao por se tratar de um alimento de baixo

custo e de fcil preparo. Vrios microrganismos podem ser encontrados do lado de

fora do ovo sobre a casca, que expostos a condies favorveis, podem penetrar a

casca contaminando assim o produto e causando sua deteriorao. Portanto, o

presente projeto tem como objetivo avaliar a ocorrncia de microrganismos como

Escherichia coli, Samonella sp e Staphylococcus aureus na casca de ovos expostos

em comrcio na regio de Guarulhos. Sero coletadas amostras no estabelecimento

escolhido em trs momentos diferentes, pr e ps-exposio. As coletas sero feitas

em trs meses diferentes Setembro, Novembro e Janeiro visando comparar pocas

diferentes. As amostras sero divididas em dois grupos distintos sendo estes grupos

(A) e grupo (B). O grupo (A) o grupo de ovos que estar em contato com os

funcionrios do estabelecimento e grupo (B): o grupo que ficar em contato com o

pblico. Ser estudada a incidncia dos microrganismos citados em duas situaes,

tendo em vista a manipulao da populao e a manipulao dos funcionrios do

estabelecimento comercial.

Palavras-chave: comrcio, ovos, microbiologia, contaminao, microrganismos.

5

1 INTRODUO

Independente da cultura do indivduo e da poca vivida, o alimento um fator

essencial e indispensvel manuteno e ordem da sade. Sua importncia est

associada ao fornecimento de nutrientes necessrios ao corpo humano mantendo

assim a integridade do organismo (Moura et al., 2002).

Segundo Pascoal et al (2008) o ovo apresenta em sua composio protenas,

vitaminas, minerais e cidos graxos, desse modo um dos alimentos mais

completos para alimentao do ser humano, colabora para a dieta de famlias de

baixa renda, por ser de baixo custo e tambm est presente nas mesas de toda a

populao sem distino de classe social.

Contudo, o ovo pode estar associado contaminao alimentar sendo, o

tempo, a temperatura de armazenagem e a manipulao incorreta alguns dos

fatores de contaminao onde microrganismos passam da superfcie da casa para

as estruturas internas (Oliveira e Silva, 2000).

A intoxicao alimentar uma infeco que ocorre devido ao fato de

alimentos contaminados com microrganismos, toxinas ou vrus, terem sido ingeridos.

Essa contaminao pode ser causada pelo contato de alimentos com ratos, moscas,

baratas, fungos ou at mesmo por pesticidas e agrotxicos aplicados sobre o

alimento. Com isso h o aumento dos casos de Doenas Transmitidas por Alimentos

(DTAs) como, por exemplo, as toxinfeces alimentares de origem microbiana que

surgem com sintomas como dores abdominais, febre, nuseas, diarria e vmitos

(Sonemann, 2012). Outra forma de contaminao atravs da estocagem,

preparao ou manuseamento errado do alimento. Devido ao clima mido do Brasil,

o aparecimento desses microrganismos propcio, principalmente no vero, quando

aumentam os casos de intoxicaes alimentares.

Os sintomas surgem, aps algumas horas ou at dias depois da ingesto do

alimento contaminado dependendo do tipo de microrganismo consumido. Esse

tempo o chamado de tempo de incubao, estes microrganismos passam pelo

estmago, vo at o intestino e comeam a se multiplicar. Muitos produzem toxinas

que so absorvidos pela circulao sangunea e podem invadir diretamente tecidos

mais profundos do corpo (ddsonline.com. br, 2014).

6

Rodrigues et al (2003) cita que esses microrganismos podem ser

patognicos ou no, dentre eles: Escherichia coli, Salmonella sp e Staphyloccoccus

aureus que so as principais bactrias envolvidas em contaminaes alimentares e

maus hbitos de higiene podendo causar diversas conseqncias.

A E coli o gnero mais comum das cinco espcies de Escherichia e

clinicamente importante por se tratar de um microrganismo associado a uma

variedade de distrbios incluindo sepse, Infeces do Trato Urinrio (UTI), meningite

e gastrenterite possuindo amplos fatores de virulncia, alm dos fatores gerais

presentes em todos os membros da famlia Enterobacteriaceae, fazendo parte da

microbiota normal do ser humano sendo capaz de estabelecer infeco do trato

gastrointestinal (Murray, et al., 2004).

A Salmonella sp pode estar praticamente em todos os animais, porm est

altamente adaptada aos seres humanos, contudo ela causa doenas graves em

ambos. A maioria das infeces resulta da ingesto de alimentos contaminados, a

incidncia maior em crianas com menos de 5 anos de idade e em adultos com

mais de 60 anos, as fontes mais comuns de infeco so as aves domsticas, os

ovos, os laticnios e os alimentos preparados em superfcies contaminadas (por

exemplo, tbuas de cortar onde so preparadas aves no cozidas), ou quando so

ingeridos alimentos ou gua contaminados por manipuladores (Kottwitz et al., 2008).

A dose infectante de Salmonella sp baixa, de modo que a disseminao

pessoa a pessoa comum, porm, quando os microrganismos se multiplicam

atingem alta densidade. Desse modo, quando produtos contaminados so

estocados, em condies imprprias, ou seja, deixados temperatura ambiente este

risco aumenta consideravelmente (Murray et al., 2004).

O Staphylococcus aureus uma bactria do grupo dos cocos Gram-positivos

que faz parte da microbiota humana, mas, que pode provocar doenas que vo

desde uma infeco simples, como espinhas e furnculos, at as mais graves, como

pneumonia, meningite, endocardite, sndrome do choque txico e sepse. Esta

bactria foi uma das primeiras a serem controladas com a descoberta dos

antibiticos, mas, devido a sua enorme capacidade de adaptao e resistncia,

tornou-se uma das espcies de maior importncia no quadro das infeces

hospitalares e comunitrias. Os sintomas so cefalias e doenas do trato

7

respiratrio como as rinites; alteraes gastrointestinais como diarrias e do trato

urinrio como a infeco renal (Koneman, 2008).

A identificao bacteriana feita por etapas, elas consistem em inicialmente

cultivar em meios no seletivos as bactrias que se quer identificar e aps isso

selecionar mtodos mais especficos at que se chegue ao grupo ou espcie

suspeita.

Desse modo este trabalho usar os mtodos de crescimento em Caldo

Triptona de Soja (TSB) em seguida semeadura em placas de gares seletivos. Aps

crescimento ser realizado o esfregao em lmina para colorao de Gram.

Sero realizados t