Subsidio DNJ 2015

download Subsidio  DNJ 2015

of 48

  • date post

    09-Apr-2017
  • Category

    Spiritual

  • view

    578
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Subsidio DNJ 2015

  • 2015Juventude construindo uma nova sociedade

    Estou no meio de vs como aquele que serve. (Lc 22,27)

    Conferncia Nacional dos Bispos do Brasil

  • Dia Nacional da Juventude 20151 Edio - 2015

    Edies CNBBSE/Sul Quadra 801 - Cj. B - CEP 70200-014 Fone: (61) 2193-3019 - Fax: (61) 2193-3001E-mail: vendas@edicoescnbb.com.brwww.edicoescnbb.com.br

    Diretor Editorial: Mons. Jamil Alves de Souza

    Reviso:Leticia Figueiredo

    Projeto Grfico e Diagramao:Henrique Billygran

    Capa:Svio Gerardo

    Organizao:Pe. Antonio Ramos do Prado, SDB. Comisso Episcopal Pastoral para a Juventude CNBB

    C748d Conferncia Nacional dos Bispos do Brasil / DNJ: Dia Nacional da Juventude 2015. Braslia, Edies CNBB. 2015.

    48 p.: 11,5 x 16 cmISBN: 978-85-7972-390-2

    1. Juventude Momento Celebrao;2. Juventude Chamados;3. Juventude Sistema Pecado Histria;4. Juventude DNJ Liberdade .

    CDU: 3-053.7

    Nenhuma parte desta obra poder ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou quaisquer meios (eletrnico ou mecnico, incluindo fotocpia e gravao) ou

    arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem permisso da CNBB. Todos os direitos reservados

  • SUMRIO

    Apresentao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

    Introduo Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

    1 TEMA

    Construindo Uma Nova Sociedade . . . . . . . . . . 11

    2 TEMA

    Juventude e Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    3 TEMA

    Juventude e Pol t ica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

    ANEXOS

    Histr ia do DNJ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    Roteiro e or ientaes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

    Vis i ta Miss ionr ia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    Outubro, ms miss ionr io! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    Celebrao de Bno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

  • 5

    APRESENTAO

    Estou no meio de vs como aquele que serve. (Lc 22,27)

    Jovem, jovens! Dia Nacional da Juventude! jovem aquela, aquele que tem a fora, o vigor de Deus. Deus bondade, misericrdia, cuidado, fonte de todo o bem. jovem a pessoa que imita Deus na generosidade fontal!

    Estamos celebrando 30 Dia Nacional da Ju-ventude (DNJ). As refl exes propostas para ao de graas dos 30 anos de DNJ partem do tema da Campanha da Fraternidade: Fraternidade: Igreja e sociedade. O Conclio Ecumnico Vaticano II nos ensinou a sermos ativos, criativos, construtores da sociedade. Essa presena dos cristos, jovens cristos, na sociedade recordam dois documentos importantes do Conclio: Lumen gentium (Luz dos povos) e Gaudium et spes (Alegria e esperana).

    O lema do DNJ 2015: Juventude cons-truindo uma nova sociedade, deseja recordar a presena dos jovens cristos na sociedade.

  • 6

    Mulheres e homens jovens so chamados a uma participao esperanada e servidora. Os jovens so chamados serem uma Igreja em Sada. Pre-fi ro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter sado pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar s prprias seguranas. No quero uma Igreja preo-cupada com ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsesses e procedimentos. Se al-guma coisa nos deve santamente inquietar e preo-cupar a nossa conscincia que haja tantos irmos nossos que vivem sem a fora, a luz e a consolao da amizade com Jesus Cristo, sem uma comuni-dade de f que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida. Mais do que o temor de falhar, espero que nos mova o medo de nos encerrarmos nas estruturas que nos do uma falsa proteo, nas normas que nos transformam em juzes implac-veis, nos hbitos em que nos sentimos tranquilos, enquanto l fora h uma multido faminta e Jesus repete-nos sem cessar: Dai-lhes vs mesmos de comer (Mc6,37) (EG, n. 49).

    O Santo Padre Francisco insiste em que os jovens sejam construtores da paz, da vida nova, superando a cultura do consumo e do descarte.

  • 7

    Os jovens, olhando para Jesus Cristo, respondero: Estou no meio de vs como aquele que serve (Lc 22,27). Servir! A graa de servir! Jovens servindo e, no servio, transformando.

    O DNJ ser bem celebrado, se bem prepara-do! Os encontros de preparao so trs: 1. Cons-truindo uma nova sociedade; 2. Juventude e vida; 3. Juventude e poltica. Um aprofundamento dos temas ajudar na celebrao do Dia Nacional da Juventude.

    O Dia Nacional da Juventude ser um dia missionrio! A misso permanente; jovens mis-sionrios! Para o ms de outubro, ms mission-rio, os jovens encontraro um roteiro para ao missionria. Os missionrios jovens anunciando, testemunhando a vida que Jesus nos deixou com sua vida, morte e ressurreio na Comunidade, na Igreja local.

    Como jovens, sigamos a Jesus que nos ensi-na o caminho da realizao: O Filho do Homem no veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos (Mc 10,45).

    Nossa Senhora, Me de Deus e nossa, nos acompanhe na preparao e na celebrao do Dia Nacional da Juventude. Nos conceda pelo seu

  • 8

    Filho Jesus perseverana para percorrer o caminho do Evangelho: Estou no meio de vs como aque-le que serve.

    Braslia, 7 de maro de 2015.Memria facultativa de Santa Perptua e

    Santa Felicidade.

    + Leonardo Ulrich SteinerBispo Auxiliar de Braslia

    Secretrio Geral da CNBB

  • 9

    INTRODUO GERAL

    Nesses 30 anos de ao de graas a juventu-de da Igreja do Brasil procurou apresentar socie-dade um caminho em que a dignidade humana parte fundamental para que haja uma vida plena.

    Lembramos ainda o que o Papa Francisco nos diz hoje: Os cristos precisam conhecer profunda-mente o contexto no qual eles vivem para pensar linhas de ao que construam uma sociedade mais fraterna, justa e digna para todos (cf. EG, n. 180).

    Nesse ano em que celebramos os 30 anos do DNJ, queremos partir da refl exo que a Campanha da Fraternidade de 2015 nos prope: Fraternidade: Igreja e sociedade. Nessa perspectiva, os encon-tros abaixo trazem algumas temticas pertinentes como: 1- Construindo uma nova sociedade; 2- Ju-ventude e vida; e 3- Juventude e poltica. Tambm trazemos nos anexos um roteiro para ao missio-nria para que o ms de outubro seja todo missio-nrio junto Igreja local.

    A Pastoral Juvenil da CNBB, no Encontro Na-cional de Revitalizao em dezembro de 2013 aps

  • 10

    a JMJ, optou por fazer um caminho de Evangeliza-o da juventude a partir de 3 eixos: Misso, Capa-citao e Estrutura de Acompanhamento. Esses 3 eixos tm seus desdobramentos nas dioceses do Brasil. Ao mesmo tempo, desenvolve-se o projeto Rumo ao 300 anos de Aparecida em sintonia com a Igreja no Brasil com o tema: 300 anos de bnos: com a me Aparecida, juventude em misso. nesse rico contexto que celebramos os 30 anos do Dia Nacional da Juventude.

    Propomos que todos os fi nais de semana do ms de outubro sejam missionrios, ou seja, que a juventude faa misso nas casas, nas prises, nos lares de idosos, nas fazendas da esperana, nos hospitais, nas casas de liberdade assistidas etc. E na celebrao do DNJ que haja espao para o tes-temunho dos jovens que fi zeram essa experincia missionria.

  • 11

    1 TEMA

    Construindo uma nova sociedade

    ObjetivoObjetivoIncentivar os jovens a refletir os desa-fios da construo de uma nova sociedade, na qual o jovem a Luz do Evangelho assume seu protagonismo neste caminho de

    servio vida, justia e paz.

    IntroduoIntroduoAs alegrias e as esperanas, as tristezas e as

    angstias dos homens de hoje, sobretudo dos po-bres e de todos aqueles que sofrem, so tambm as alegrias e as esperanas, as tristezas e as angs-tias dos discpulos de Cristo (GS, n. 1).

    Os cristos precisam conhecer profundamen-te o contexto no qual vivem para pensar linhas de ao que construam uma sociedade mais fraterna, justa e digna para todos (cf. EG, n. 180).

    A dignidade da sociedade depende da dig-nidade de seus indivduos, principalmente dos que mais sofrem. Neste cenrio, a Igreja faz uma opo preferencial pelos pobres. Deste modo:

  • 12

    O nosso compromisso no consiste exclusivamen-te em aes ou em programas de promoo e as-sistncia; aquilo que o Esprito pe em movimento no um excesso de ativismo, mas primariamente uma ateno prestada ao outro considerando-o como um s consigo mesmo (EG, n. 199).

    Somos ento convidados a refl etir como po-demos vivenciar esta transformao na prtica sen-do Jovens Cristos.

    A PALAVRA DE DEUSA PALAVRA DE DEUSTexto a ser lido em grupo: Lc 10,25-37

    Reflexo sobre o texto bblicoReflexo sobre o texto bblicoNesta Parbola podemos observar diversas

    posturas que caracterizam a sociedade do tem-po de Jesus e a nossa. Observemos as palavras usadas por Jesus para caracterizar as aes dos personagens:

    1. Assaltantes: despojaram; maltrataram; feri-ram; deixaram. So todos verbos que indicam agresso e desrespeito pela vida humana. Os assaltantes pensaram apenas em si mesmos, valorizando o lucro que teriam com o assal-to. Pouco lhes importava aquele homem.

  • 13

    2. Sacerdote e Levita: viu; passou (adiante). Estes verbos indicam indiferena. Os dois homens de f viram a situao daquele homem. Sabiam o que acontecia, mas no queriam se comprometer. Tambm a eles pouco importava.

    3. Samaritano: viu; compadeceu-se; aproximan-do-se; atou as feridas; passou azeite e vinho; colocou-o sobre a montaria; levou-o hos-pedaria; tratou; tirou dois denrios; pagou o hospedeiro. Os verbos indicam aproximao e comprometimento. Assim como o sacerdo-te e o levita, o samaritano viu. Mas, diferen-te