Revista Patrimonio 34 IPHAN

Click here to load reader

  • date post

    29-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    169
  • download

    5

Embed Size (px)

Transcript of Revista Patrimonio 34 IPHAN

  • N 342012 Patrimnio

    Rev

    ista

    do

    N 342012

    Histrico e Artstico Nacional

    Histria e Patrimnio

  • Revista do PatrimnioHistrico e Artstico Nacional

  • Revista do PatrimnioHistrico e Artstico Nacional n 34 / 2012

  • Histria e PatrimnioOrganizao: Mrcia Chuva

  • Rplica da esttua Pensador angolanoAcervo do Museu do Dundo, em Luanda, Angola

    Presidenta da Repblica do BrasilDilma Rousseff

    Ministra de Estado da CulturaAna de Hollanda

    Presidente do Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico Nacional

    Luiz Fernando de AlmeidaChefe de Gabinete

    Weber SuttiProcurador-Chefe Federal

    Heliomar Alencar de Oliveira Diretora de Patrimnio Imaterial

    Clia Maria CorsinoDiretor do Patrimnio Material e Fiscalizao

    Andrey Rosenthal SchleeDiretora de Planejamento e Administrao

    Maria Emlia Nascimento SantosDiretor Substituto de Articulao e Fomento

    Claudio Antonio Marques LuizOrganizao

    Mrcia ChuvaEditorao e Reviso Geral

    Ana Carmen Amorim Jara CascoProduo

    Vera Lcia de MesquitaCapa, Abertura e Apoio Diagramao

    Aluzio de CarvalhoIconografia e Legendas

    Cintia Mayumi Carli Silva Reviso e Padronizao de Texto

    Alexandra BertolaRosalina Gouveia

    DiagramaoNjobs Comunicao (a partir do projeto grfico de Victor Burton)

    Capa e abertura: ilustrao que representa trecho do rio Tocantins, localizado a sudeste da regio norte brasileira, que documenta a ocupao da regio por volta de 1781Acervo Mapoteca do Itamaraty, Ministrio das Relaes Exteriores

    Folha de rosto: Cais de Venda do Pescado Foto: E. Cavalcante, 1974. Acervo: Arquivo Central do Iphan

    A Revista do Patrimnio publicada pelo Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico Nacional, do Ministrio da Cultura, desde 1937. Os artigos so autorais e no refletem necessariamente a posio do Iphan e da organizadora deste nmero, Mrcia Chuva.

    Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico NacionalSEPS 713/913, Lote D70390-135 Asa Sul Braslia DF

  • RE

    VIS

    tA

    D

    O P

    At

    RIM

    N

    IO H

    ISt

    R

    ICO

    E

    A

    Rt

    St

    ICO

    N

    AC

    ION

    AL

    5

    Homenagem pstuma

    Este nmero da Revista foi marcado pela perda de dois grandes historiadores que para ele contriburam Sandra Jatahy Pesavento e Manoel Luiz Salgado Guimares. A gacha Porto Alegre brilha singular na poesia de Mrio Quintana, O mapa. E por meio dela brilha tambm a cidade qualquer, o esprito urbano sem nome, que vai do pequeno mundo de cada um ao universal, ao humano.Que a simplicidade da poesia fale por ns das perdas que no podemos dimensionar, que no sabemos traduzir. O mapa

    Mrio Quintana

    Olho o mapa da cidade Como quem examinasse

    A anatomia de um corpo... ( nem que fosse meu corpo!)

    Sinto uma dor esquisita Das ruas de Porto Alegre

    Onde jamais passarei... H tanta esquina esquisita

    Tanta nuana de paredes H tanta moa bonita

    Nas ruas que no andei (E h uma rua encantada

    Que nem em sonhos sonhei...) Quando eu for, um dia desses,

    Poeira ou folha levada No vento da madrugada, Serei um pouco do nada

    Invisvel, delicioso Que faz com que o teu ar

    Parea mais um olhar Suave mistrio amoroso

    Cidade de meu andar (Deste j to longo andar!) E talvez de meu repouso...

    O mapa. In: Apontamentos de histria sobrenatural.

    So Paulo: Globo, 1976 by Elena Quintana

  • Re

    vis

    ta

    d

    o P

    at

    Rim

    n

    io H

    ist

    R

    ico

    e

    a

    Rt

    st

    ico

    n

    ac

    ion

    al

    7

    Lu iz Fe r nando d e A lme ida

    Apresentao

    Apresentar ao pblico um novo nmero da histrica e sempre atual Revista do Patrimnio Histrico Artstico Nacional, editada pelo Iphan, como abrir as portas e janelas de uma casa brasileira. Dessas que preservamos com o prazer e o orgulho comprometido com a proteo e a difuso de nossas razes histricas. Casa cheia de compartimentos e recantos, memrias, rudos e cheiros, que convido o leitor a descobrir e conhecer.

    Melhor ainda essa metfora quando pensamos que o assunto deste nmero a Histria, disciplina que desde os primrdios do Iphan acompanha suas prticas e a inerente construo de saberes que preservar o patrimnio produz em cada Nao que se dispe a enfrentar este desafio. Histria que comparece em nossa prtica, seja na atribuio de valores aos bens culturais, seja na forma de compreender a lgica que constitui nossa identidade nacional, seja na abordagem que fazemos dos grupos sociais que do sentido ao patrimnio que preservamos. Histria que resgatamos, interpretamos e difundimos para proteger e preservar as mais diversas dimenses e expresses do nosso patrimnio cultural.

    Cuidadosamente organizado pela historiadora Mrcia Chuva, ex-funcionria deste Instituto e sua permanente colaboradora, que hoje enriquece os quadros universitrios como professora do Departamento de Histria da Unirio, este nmero da Revista aborda as diferentes relaes da Histria com a preservao do patrimnio cultural brasileiro. Rene pesquisadores e profissionais que, com seriedade e zelo, trouxeram suas contribuies a este tema to antigo quanto atual, mas necessariamente permanente na nossa rotina de trabalho. A todos os colaboradores, manifestamos os nossos sinceros agradecimentos por terem tornado realidade mais este nmero da Revista.

    Neste momento em que o Iphan, consolidando e recriando continuamente as suas prticas, amplia sua capacidade de trabalho por meio da vertente da formao profissional, conferida pelo reconhecimento das atividades de seu mestrado profissionalizante, entregar ao pblico este nmero da Revista soa quase como sublinhar essa caracterstica que gostaramos de valorizar e que a de reunir teoria e prtica, produo acadmica e formao profissional. Afinal, a superao do abismo que muitas vezes parece cindir o pensar e o fazer o nosso desafio permanente na construo cotidiana dos caminhos da preservao do patrimnio.

    Se a mediao dinmica entre teoria e prtica nosso desafio permanente, o tema deste nmero da Revista instiga novas percepes e perspectivas sobre o papel dos historiadores na preservao do patrimnio. E estamos convencidos que esta reflexo propiciar experincias nicas para o compartilhamento de ideias, saberes, prticas e aes desenvolvidas cotidianamente para que o nosso patrimnio, memria e cultura sejam alicerces do futuro.

    Com a metfora da casa, convidamos os leitores a conhecerem todos os recantos da Revista. Boa visita!

    Crio de Nazar, Belm (PA), registrado em 2005 no Livro dasCelebraes como manifestao cultural que integra o patrimnioimaterial brasileiro. Foto: Francisco Moreira da Costa, sem data. Em Crio de Nazar. Rio de Janeiro: Iphan/MinC, 2006. (Dossi Iphan n. I)

  • Histria e Patrimnio

    Mrcia ChuvaIntroduo Histria e patrimnio: entre o risco e o trao, a trama 11

    Parte I em foco o camPo do PatrImnIo

    Dominique Poulota razo patrimonial na europa do sculo XVIII ao XXI 27

    Jos Carlos Reiso tempo histrico como representao intelectual 45

    Jorge Colimaterialidade e imaterialidade 67

    Mrcia Mansor DAlessiometamorfoses do patrimnio o papel do historiador 79

    Manoel Luiz Salgado GuimaresHistria, memria e patrimnio 91

    Andrea Daherobjeto cultural e bem patrimonial representaes e prticas 113

    Roberto Conduru artifcios para inventar e destruir arquitetura, histria, preservao cultural 131

    Mrcia ChuvaPor uma histria da noo de patrimnio cultural no Brasil 147

    Parte II HIstrIa e PoltIca

    Analucia Thompson, Cludia F. Baeta Leal, Juliana Sorgine, Luciano dos Santos TeixeiraHistria e civilizao material na revista do Patrimnio 167

    Carla da Costa Dias e Antnio Carlos de Souza Limao museu nacional e a construo do patrimnio histrico nacional 199

    Marcus Tadeu Daniel Ribeiroentre o ser e o coletivo o tombamento das casas histricas 223

    Lia Mottao patrimnio cultural urbano luz do dilogo entre histria e arquitetura 249

    Daryle Williamsalm da histria-ptria as misses jesutico-guaranis, o patrimnio da humanidade e outras histrias 281

    Jaelson Bitran TrindadePatrimnio e histria a abordagem territorial 303

    Parte III temas clssIcos da HIstrIa, noVos oBjetos de PatrImonIalIzao

    Lilia Moritz Schwarcznacionalidade e patrimnio o segundo reinado brasileiro e seu modelo tropical extico 337

    Alberto da Costa e Silvao Brasil na frica atlntica 361

    Flvio Gomes terra e camponeses negros o legado da ps-emancipao 375

    Sandra Jatahy PesaventoHistria, literatura e cidades diferentes narrativas para o campo do patrimnio 397

    Jos Carlos Sebe Bom MeihyHistria oral e identidade caipira, espelho, espelho meu? 411

    Mrio de Andradenoturno de Belo Horizonte 427

    notas Biogrficas 440

  • Re

    vis

    ta

    d

    o P

    at

    Rim

    n

    io H

    ist

    R

    ico

    e

    a

    Rt

    st

    ico

    n

    ac

    ion

    al

    11

    Mrc ia Chuva

    Introduo

    H i s t r i a e p a t r i m n i o : e n t r e o r i s c o e o t r a o , a t r a m a

    Viver muito perigoso... Querer o bem com demais fora, de incerto jeito, pode j estar sendo se querendo o mal, por principiar. Esses homens! (...)

    Guimares Rosa1

    Se os historiadores produzem o passado e o passado que faz uma nao,2 os historiadores do patrimnio fazem poltica, inventando o patrimnio nacional, atribuindo valor e significados a bens e prticas culturais que circunscrevem os limites da nao. Sabemos bem que o trabalho do historiador ao fabricar um patrimnio no seu prprio ofcio da escrita da histria est integrado a um projeto de nacionaliz