Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo e Simbolismo

download Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo e Simbolismo

of 28

  • date post

    15-Apr-2017
  • Category

    Education

  • view

    335
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo e Simbolismo

  • Manoel Neves

    histria da literatura brasileira Revisando a literatura imperial 02

  • QUESTO 01 literatura imperial

    Todas as alternativas apresentam caractersticas do Realismo/Naturalismo, EXCETO:

    a) As narrativas apresentam descries lentas e pormenorizadas dos personagens e ambientes.

    b) O Naturalismo enfoca os ambientes e personagens miserveis, e o Realismo ocupa-se do desmascaramento da sociedade burguesa.

    c) As personagens esto sujeitas a um destino outorgado pelo ambiente, raa e momento histrico a que esto vinculadas.

    d) Os protagonistas dos romances no so retratados como personagens belos, puros e corajosos.

    e) O narrador privilegia a subjetividade como caminho de conhecimento do ntimo das personagens.

  • QUESTO 01 soluo comentada

    A alternativa d apresenta caractersticas especficas da literatura romntica.

  • QUESTO 02 literatura imperial

    Todas as seguintes passagens de O homem, de Alusio Azevedo, so representativas da esttica realista-naturalista, EXCETO

    a) No havia linhas de horizonte, no havia contornos definidos; era tudo uma acumulao de nvoas, onde mal se pressentiam apagadas sombras. [...] E aos olhos de Magd, tudo aquilo principiou de afigurar uma natureza em embrio, um mundo ainda informe, em estado gasoso; alguma coisa que j existia e que ainda no vivia: um ovo ainda no galado por Deus.

    b) Era a essa infeliz criana, to cedo privada do amor de me, que o Conselheiro dedicava a melhor parte dos seus afetos [...] E era ainda essa criana, j mulher, que o desgraado via agora escapar-lhe dos braos e fugir-lhe para a morte, arrastando atrs de si um triste sudrio de mgoas brancas, mgoas de donzela, mgoas flutuantes, que pareciam feitas de espuma...

    c) Um candeeiro de querosene iluminava a pobre sala de duas braas de largura e trs de comprimento, toda caiada de cima a baixo, e com uma pequena barra de roxo-terra. Havia um armrio de pinho sem pintura, onde se guardava a loua, aquela grossa loua de doze vintns o prato, e aquelas canecas de p de pedra, onde eles tomavam caf antes de levantar o dia.

    d) Ora, a tem! a febre histrica! classificou logo o Dr. Lobo. E em resposta s perguntas do Conselheiro, despejou um chorrilho de nomes tcnicos, dizendo que: Aquilo no podia ser febre tifide, nem ter sua origem na fleugmasia enceflica, nem tampouco na alterao de algum rgo esplncnico...

  • QUESTO 02 soluo comentada

    As imagens construdas na alternativa b apresentam um carter vago, impreciso, difano, tal qual ocorria durante o Simbolismo.

  • QUESTO 03 literatura imperial

    Todas as caractersticas se referem ao Realismo, EXCETO:

    a) narrativa de descries lentas, pormenorizadas.

    b) enfoque na misria da vida dos explorados.

    c) narradores subjetivos, envolvidos na descrio dos dramas.

    d) preocupao com a observao e anlise da realidade.

  • QUESTO 03 soluo comentada

    Marque-se a alternativa b, pois o enfoque nos aspectos sociais tpico do que acontece nas obras do naturalismo.

  • INSTRUO literatura imperial

    Observando-se as relaes entre Literatura e subdesenvolvimento anotadas por Antonio Candido em seu ensaio homnimo, pode-se identificar na literatura latino-americana a existncia tanto uma vertente alinhada com a chamada viso eufrica [que exalta os elementos brasileiros] tanto uma vertente dita engajada [que aponta os problemas os problemas sociais, econmicos e polticos].

  • QUESTO 04 literatura imperial

    a) E ri-se a orquestra, irnica, estridente... E da ronda fantstica a serpente

    Faz doudas espirais... Se o velho arqueja... se no cho resvala, Ouvem-se os gritos e o chicote estala.

    E voam mais e mais...

    b) Talhado para as grandezas, Pra crescer, criar, subir,

    O Novo Mundo nos msculos Sente a seiva do porvir.

    Estatutrio de colossos Cansado doutros esboos

    Disse um dia Jeov: Vai, Colombo, abre a cortina

    Da minha eterna oficina... Tira a Amrica de l.

    Considerando-se a afirmao acima, marque a opo em que aparea uma estrofe de Castro Alves em que percebam traos da chamada viso eufrica da poesia do Romantismo Brasileiro.

    c) No! No eram dous povos, que abalavam Naquele instante o solo ensangentado...

    Era o porvir em frente do passado, A Liberdade em frente Escravido,

    Era a luta das guias e do abutre, A revolta do pulso contra os ferros, O pugilato da razo com os erros,

    O duelo da treva e do claro!

    d) Leitor, se no tens desprezo De vir descer s senzalas,

    Trocar tapetes e salas Por um alcouce cruel,

    Vem comigo, mas... cuidado... Que o teu vestido bordado

    No fique no cho manchado No cho do imundo bordel.

  • QUESTO 04 soluo comentada

    Marque-se a alternativa b, pois neste fragmento, o locutor mostra que a Amrica est predestinada grandeza. Nas demais opes, nota-se claramente o tom condoreiro, de crtica social.

  • QUESTO 05 literatura imperial

    Considere as seguintes afirmativas, referentes ao Romantismo brasileiro:

    I. Jos de Alencar considerado o criador do romance romntico regionalista ou sertanista, objetivando mostrar que o cerne da nao brasileira, na sua forma mais pura e verdadeira, estava localizado no mundo rural.

    II. Bernardo Guimares expressou amplamente a tendncia sertanista do Romantismo, pois romances como A escrava Isaura, O seminarista, O sertanejo e O ermito do Muqum apresentam falas pitorescas do universo rural, alm de discutirem o problema da escravido e do celibato sacerdotal.

    III. Jos de Alencar foi o primeiro ficcionista a perceber a vastido de regies brasileiras e a diversidade do pas, abrindo um filo (a narrativa de temtica rural) que continua presente no romance brasileiro contemporneo.

    CORRETO o que se afirma apenas em:

    a) I e III. b) I, III e IV

    c) IV d) II e IV

    IV. A obra literria do Visconde de Taunay est vinculada tendncia regionalista do romance romntico brasileiro, pois o autor ambienta a sua fico na regio central do Brasil, descrevendo minuciosamente os hbitos, costumes rurais e cenrios da vida sertaneja.

  • QUESTO 05 soluo comentada

    Assinale-se a alternativa b. O erro da opo II est em atribuir o romance O sertanejo [obra regionalista de Jos de Alencar] a Bernardo Guimares.

  • QUESTO 06 literatura imperial

    Leia atentamente o trecho abaixo:

    Depois seguiam-se a Marciana e a sua filha Florinda. A primeira, mulata antiga, muito sria e asseada em exagero: a sua casa estava sempre mida das consecutivas lavagens. Em lhe apanhando o mau humor punha-se logo a espanar, a varrer febrilmente, e, quando a raiva era grande, corria a buscar um balde de gua e descarregava-o com fria pelo cho da sala. A filha de quinze anos, a pele de um moreno quente, beios sensuais, bonitos dentes, olhos luxuriosos de macaca. Toda ela estava a pedir homem, mas sustentava ainda a sua virgindade e no cedia, nem mo de Deus Padre, aos rogos de Joo Romo.

    No trecho acima, possvel perceber todas as seguintes caractersticas, EXCETO:

    a) determinismo

    b) objetivismo

    c) anlise psicolgica

    d) descries detalhadas

  • QUESTO 06 soluo comentada

    Assinale-se a alternativa c, pois no h, no fragmento anlise psicolgica. O que interessa, no trecho em anlise, o aspecto exterior das personagens.

  • QUESTO 07 literatura imperial

    Assinale a opo em que NO aparece a linguagem cientificista, naturalista:

    a) Aquilo no podia ser febre tifide, nem ter sua origem na fleugmasia enceflica, nem tampouco na alterao de algum rgo esplnico, porque uma meningite, ou uma encefalite ou mesmo a febre tifide comum no poderiam chegar quele grau, porque no havia doente capaz de resistir!

    b) Apenas ficava estonteada, presa de tnue vertigem, que de quando em quando lhe apagava a luz dos olhos. Entrou no mesmo estado pelo dia alto, muito abstrata, andando por toda a casa como uma sonmbula.

    c) E a voz ainda disse: Levanta-te, minha amada, e torna comigo ao nosso ninho de amor! Eu te busquei esta noite ao meu lado, busquei-te e no te encontrei! Ergui-me luz das estrelas e rodeei como um louco a ilha, e no te achei! Busquei-te pelas matas, pelos vales e pelo monte.

    d) E, com efeito, na esquina da rua surgiram seis negros descalos e em mangas de camisas, a cantarem em voz alta, equilibrando na cabea uma enorme cama do tempo antigo; bastante usada, mas polida de novo. Vinha armada e trazia j o colcho, os lenis e um par de grandes travesseiros.

  • QUESTO 07 soluo comentada

    Na alternativa c, nota-se a presena de lirismo amoroso, um dos traos estilsticos tpicos do Romantismo.

  • QUESTO 08 literatura imperial

    Em relao ao Romantismo brasileiro, todas as afirmaes so verdadeiras, EXCETO:

    a) Expresso do nacionalismo atravs da descrio de costumes e regies do Brasil.

    b) Anlise crtica e cientfica dos fenmenos da sociedade brasileira.

    c) Desenvolvimento do teatro nacional.

    d) Expresso potica de temas confessionais, indianistas e humanistas.

    e) Caracterizao do romance como forma de entretenimento e moralizao.

  • QUESTO 08 soluo comentada

    Marque-se a alternativa b, pois a anlise cientfica da realidade feita no Naturalismo e no Realismo.

  • QUESTO 09 literatura imperial

    Todas as passagens, extradas do romance Iracema, de Jos de Alencar, referem-se submisso do colonizado ao colonizador, EXCETO:

    a) A sabedoria falou pela boca da virgem tabajara. Poti espera o nascimento da lua.

    b) O estrangeiro senhor na cabana de Araqum.

    c) Iracema seguir teu rastro, chegando aqui, ver tua seta e obedecer tua vontade.

    d) Como a ostra que no deixa o rochedo, ainda depois de morta, assim Iracema junto a seu esposo.

    e) Iracema tudo sofr