O trovadorismo e a mpb

Click here to load reader

download O trovadorismo e a mpb

of 24

  • date post

    29-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    2.595
  • download

    18

Embed Size (px)

description

O Trovadorismo foi o primeiro movimento literário da Língua portuguesa. Iniciado em Portugal, trás consigo elementos que unem o literário ao musical, de modo a construir e transmitir a arte através da oralidade. O objetivo deste trabalho é estabelecer a relação entre o legado deixado pelo Trovadorismo, especificamente as cantigas Satíricas, dentro da Música Popular Brasileira, de modo que seja possível compreendê-los e relacioná-los.

Transcript of O trovadorismo e a mpb

  • 1. O TROVADORISMO E A MPB O Legado que se Manteve Salvador BA 2013

2. Discentes: Ana Carolina Macedo Jason Levy Reis de Souza Taiane Silva dos Santos Victor Said dos S. Sousa Victria Benvenuto S. Cabral Docente: Elisngela Mendes Disciplina: Portugus Tema Geral: Trovadorismo Tema Especfico: O Trovadorismo e a MPB Turma: 5822 Curso: Automao Industrial 3. O Trovadorismo foi o primeiro movimento literrio da Lngua portuguesa. Iniciado em Portugal, trs consigo elementos que unem o literrio ao musical, de modo a construir e transmitir a arte atravs da oralidade. O objetivo deste trabalho estabelecer a relao entre o legado deixado pelo Trovadorismo, especificamente as cantigas Satricas, dentro da Msica Popular Brasileira, de modo que seja possvel compreend-los e relacion-los. 4. A principal metodologia empregada neste trabalho consiste na reviso bibliogrfica, a qual foi realizada utilizando livros, artigos cientficos, assim como websites e o banco de dados virtuais. A necessidade deste trabalho justifica-se quando analisado o fato de, em geral, no haver estudos voltados para o legado do Trovadorismo na Msica Popular Brasileira. 5. O TROVADORISMO E A MSICA POPULAR BRASILEIRA A Construo Histrica 6. TROVADORISMO Portugal Galego-Portugus Perodo: 1189 1418. Cantiga Ribeirinha Soares de Taveirs Puramente Masculina Brasil Portugus Perodo: XIX Atualmente Abre Alas Chiquinha Gozaga Seres Humanos MPB 7. Alta Mdia Classe Baixa Clero Nobreza Terceiro estado Alta Mdia Classe Baixa Capitalismo Capitalista Burgus Proletariado Produo Industrial Condio Consumista Antropocentrismo Clero Nobreza Terceiro estado Feudalismo Senhor Feudal Vassalos Servos Produo Agrria Condio de Subsistncia Teocentrismo A Idade Mdia A Contemporaneidade 8. Provena e Portugal Os Senhores Feudais A Nobreza As Cruzadas O Machismo A Ignorncia A Igreja e a Corrupo PORTUGAL E O TROVADORISMO Bahia e a msica Lundu e o Maxixe Sculo XIX e as modinhas Negros e o Samba Chiquinha Gonzaga e a mulher. Classe popular X Elite. A Era das Rdios. Desfile dos Carnavais. Dom Pedro II O BRASIL E A MPB 9. MPB Bossa Nova Jovem Guarda Tropiclia Rock Nacional Ax Baiano Etc. Trovadorismo Lrica Amor Amigo Satricas Escrnio Maldizer 10. Iniciado em Agosto de 1958. Linguagem Coloquial. Joo Gilberto, Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Eu Lrico Feminino. Direciona-se s mes, amigos e a natureza. Perspectiva real das Saudades. 11. Letras romnticas e descontradas. Inspirados nos The Beatles. Eu-Lrico Masculino Direciona-se Dama (Nobre) Amor Ideal, Impossvel e Platnico 12. Crtica indireta, irnica, ambgua, e mordaz. Metafrica, inteligente, sagaz. Religiosos, mulheres, cavaleiros, etc. Msicas de Protesto. Censura X Musica. Linguagem com sentidos figurados. 13. Rock Nacional Funk Carioca Ax Baiano Reggae Rap Pop Influncia vanguarda e o pop internacional. Movimentos culturais. Artes plsticas, cinema e msica. 14. ESCRNIO MALDIZER Eu-Lrico Masculino Masculino Interlocutor No identificado Identificado Tema Ridicularizao de mulheres feias, crtica aos cavaleiros covardes, mentirosos e aos maus jograis. Desavenas Pessoais Crtica Indireta Direta Linguagem Ambgua, duplo sentido, leves ofensas Vulgar, Grosseira, ofensas diretas e pessoais 15. TROVADORISMO & MPB Cantigas X Canes 16. ANA CAROLINA Cantora , compositora , empresria , arranjadora e instrumentista. Premiaes Prmio Multishow da MPB: 4 vezes Trofu imprensa: 3 vezes Prmio TIM de msica: 1 vez Estilo: Formal. 17. MSICA POPULARTROVADORISMO Eu no gosto de Joana Joana tem uma cara esquisita Joana tem uma risada careta e Maldita Eu no gosto das suas unhas e seu jeitinho de ainda vencerei Joana meio problemtica Perde tempo estudando fsica, Matemtica Joana l com seus cadernos Essa a cano que eu fiz no dia que tirei Pra falar mal de Joana Autor: Ana Carolina Ttulo: Joana O bela dama gorda, que anda pelos bosques a noite O que ser que queres com essas saias curtas? Estars a procura de um pretendente? Ou apenas de uma diverso passageira [...] No sabes responder, pois suas formas globais no deixam. s a o barril de vinho da taverna, onde todos bebem Sem pudor nenhum de mostrar suas vergonhas ao dia D ao peito a quem de direito, a no foges a luta bela dama feia e gorda, nunca irs casar Autor: Desconhecido Ttulo: Desconhecido 18. Maysa Matarazzo 19. TROVADORISMO Ai, dona fea! Foste-vos queixar que vos nunca louv'en meu trobar; mas ora quero fazer um cantar en que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar: dona fea, velha e sandia! Ai, dona fea! Se Deus me pardon! pois avedes [a] tan gran coraon que vos eu loe, en esta razon vos quero j loar toda via; e vedes qual ser a loaon: dona fea, velha e sandia! [...] Autor: Joan Garcia de Guilhade Ttulo: Dona Fea, velha e Sandia! Voc passa por mim e no olha Como coisa, que eu fosse ningum Com certeza voc j esqueceu Que em meus braos j chorou tambm Eu no ligo, porm, ao seu modo Isto prprio de quem infeliz Quer mostrar que no sente saudade De um passado que foi to feliz Se eu quisesse eu podia dizer Tudo, tudo que houve entre ns Mas pra que destruir seu orgulho Se eu at j esqueci sua voz Intrprete: Maysa Matarazzo Ttulo: Franqueza Composio: Denis Brean / Oswaldo Guilherme MSICA POPULAR 20. ANA CAROLINA Cantora , compositora , empresria , arranjadora e instrumentista. Premiaes Prmio Multishow da MPB: 4 vezes Trofu imprensa: 3 vezes Prmio TIM de msica: 1 vez Estilo: Formal. 21. Nasceu em 31 de Dezembro de 1947 filha de Charles Fenley Jones e Romilda Padula Jones. Participou da banda OSeis (1964) que com as idas e vindas de integrantes da banda acabou por se tornar o trio que se intitulou Os Mutantes. Em 1976, depois de ter sado de Os Mutantes e ter montado uma banda chamada Tutti Frutti (1973). Rita Lee conhece e se apaixona por Roberto de Carvalho um guitarrista e pianista carioca com quem trabalhou junto at 1991 e teve trs filhos Rita Lee 22. MSICA POPULARTROVADORISMO As mina de Sampa so branquelas que s elas Pudera! Praia de paulista o Ibirapuera (...) As mina de Sampa esto na moda, na roda, no rock, no enfoque! do Paraguai a grife made in Nova Iorque (...) As mina de Sampa do duro, no banco Mos ao alto! Ou d ou desce ou desocupa o asfalto Eu gosto as pampa das mina de Sampa Autor: Ana Carolina Ttulo: As Mina de Sampa Composio: Roberto de Carvalho / Rita Lee ...No nosso mundo vosso par non hava Ha un que i vosso par houvesse Quen a meu cuu concela posesse, De parescer ben vencer-vos-ia (...) Donzela, vos sodes ben talhada Se no talho erro non pretendes Ou en essa saia que vs tragedes E, pero sodes ben colorada, Quen ao meu cuu posesse orelhas E lhi ben tingisse as sombrancelhas De parescer no vos deveria nada Autor: Pero de Armea Ttulo: Donzela quen-quer entedera 23. Nara leo Nara Lofego Leo nasceu no dia 7 de junho de 1942, filha do casal Jairo Leo e Altina Lofego, ela se mudou para o Rio de Janeiro com um ano de idade e mais velha teve aulas de violo com Roberto Menescal. Entre 1957 e 1959 enquanto trabalhava no Jornal Ultima Hora, Nara se apresentava em shows universitrios com outros integrantes do movimento Bossa Nova. Faleceu em 1989. 24. TROVADORISMO Porn Tareija Lpiz non quer Pero Marinho: pero x'el mancebo, quer-x'ela mis meninho. (...) Non casar con ele, pola cobrir d'alfolas, nen polos seus dinheiros velhos, que ten nas olas; o que perdeu nos alhos quer cobrar nas cebolas. Porn Tareija Lpiz non quer Pero Marinho: pero x'el mancebo, quer-x'ela mis meninho. Non casar con ele por ouro nen por prata, nen por panos de seda, quant' por escarlata, ca dona de capelo de todo mal se cata. Porn Tareija Lpiz non quer Pero Marinho: pero x'el mancebo, quer-x'ela mis meninho. Autor: Afonso Soares Sama Ttulo: Porn Tareija Lpiz non quer Pero Marinho ...E o que me de direito Arrancou-me do peito E tem mais Levou seu retrato, seu trapo, seu prato Que papel! Uma imagem de so Francisco E um bom disco de Noel (...) A Rita matou nosso amor De vingana (...) Mas causou perdas e danos Levou os meus planos Meus pobres enganos Os meus vinte anos O meu corao E alm de tudo Me deixou mudo Um violo Intrprete: Maysa Matarazzo Ttulo: A Rita Composio: Chico Buarque MSICA POPULAR