Norbert elias e pierre bourdieu

Click here to load reader

download Norbert elias e pierre bourdieu

of 19

  • date post

    23-Jun-2015
  • Category

    Education

  • view

    2.353
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Norbert elias e pierre bourdieu

  • 1. Norbert Elias e Pierre Bourdieu: a sociedade dos indivduos Roberto Mosca Jr Sociologia

2. Anlises Clssicas sobre a relao indivduo sociedade. Marx: indivduos inseridos em classes sociais, por um fator econmico. Determinismo econmico, antagonismo e contradies Durkheim: o fundamental a sociedade e a integrao dos indivduos nela. Normas, valores e instituies. Weber: indivduos e suas aes sociais so os elementos constitutivos da sociedade. Internalizao das normas costumes e regras sociais. Escolha de conduta e 3. Sociologia contempornea Autores como Bourdieu e Elias, procuram analisar a relao indivduo e sociedade, e procuram integrar aes e instituies fundamentais para entender a constituio da sociedade superando a dicotomia posta pelos clssico. 4. Conceito de configurao Ns temos uma tendncia ao distanciamento indivduo/sociedade. (segundo Elias) Ns muitas vezes vemos uma impossibilidade do bem-estar e felicidade individual e uma sociedade livre de conflitos. (idem) De uma lado as Instituies (Famlia, Escola e Estado) - esto a servio da felicidade e do bem- estar de todos. De outro, a ideia de unidade social acima da vida individual. 5. Conceito de configurao Somente nas relaes e por meio delas que: os indivduos podem possuir caractersticas humanas, como falar, pensar e amar. (Elias). S possvel trabalhar, estudar e divertir-se em uma sociedade que tenha histria, cultura e educao, e no isoladamente. 6. Conceito de configurao(figurao) Pensar a relao de forma dinmica. Ex: Mesa de Baralho. (participantes e regras, estratgias formando uma unidade) EX: Jogo de Futebol. (eus, eles, ns) - Jogadores, regras, juiz, bandeirinhas e torcida. Idia de fluxo contnuo, que permite o entendimento dentro deste contexto e configurao. 7. Conceito de configurao Relao entre: Jogadores. Jogadores e torcida. Jogadores e tcnico. Torcedores. Todos e a regra. Fora deste contexto no h jogo de futebol, apenas pessoas que vivem outras configuraes. 8. Conceito de configurao No grupo social assim: no h separao entre indivduo e sociedade, tudo deve ser entendido de acordo com o contexto; caso contrrio, perde-se a dinmica da realidade e o poder de entendimento. 9. Conceito de configurao Pode ser aplicado em: Pequenos grupos. A sociedades inteiras. Enfim com pessoas que se relacionam, o conceito chama a ateno para interdependncia entre as pessoas. Sociedade dos indivduos, realando a unidade, e no a diviso. 10. Conceito de Habitus Habitus, em Elias segunda natureza, saber social incorporado durante nossa vida em sociedade. O destino de uma nao fica sedimentado no habitus de seus membros, algo que muda constantemente, mas no rapidamente e por isso a equilbrio entre continuidade e mudana. 11. Conceito de Habitus O conceito de habitus foi desenvolvido pelo socilogo francs Pierre Bourdieu com o objetivo de pr fim dicotomia indivduo/sociedade dentro da sociologia estruturalista. Relaciona-se capacidade de uma determinada estrutura social ser incorporada pelos agentes por meio de disposies para sentir, pensar e agir. 12. Conceito de Habitus Para Bourdieu habitus liga o indivduo a sociedade. Para Bourdieu, o habitus se apresenta como social e individual ao mesmo tempo, e refere-se tanto a um grupo quanto a uma classe e, obrigatoriamente ao indivduo. 13. Conceito de Habitus Condies de existncia do indivduo e suas formas de ao e percepo, dentro ou fora dos grupos. Habitus, o que articula prticas cotidianas - vida concreta dos indivduos - com as condies de classe de determinada sociedade, ou seja a conduta dos indivduo a e as estruturas mais amplas. (ex: livro) Fundem-se condies objetivas e subjetivas. 14. O Conceito de Habitus Habitus estruturado por meio das instituies sociais dos agentes (famlia e escola). Habitus primrio- mais duradouro, mas no congelado no tempo. Habitus secundrio- contato com pessoas de outros universos de vida. No contrrio ao anterior, e tambm indissocivel daquele. Habitus individual: indivduo vai recolhendo experincias continuamente. 15. Conceito Habitus Modifica-se sem perder suas marcas de origem, mantendo caractersticas da prpria origem. (grupo familiar/ classe social). Conceitos e valores (subjetividade), est ligado ao lugar que ocupamos na sociedade. No h igualdade de posies. (sociedade desigual). EX. Ingresso na Universidade. 16. Questo Para Bourdieu a noo de habitus pode se dividir em duas formas: habitus primrio e habitus secundrio. Estes termos significam podem ser definidos a seguir: ( ) mais duradouro, mas no congelado, / o contato com pessoas de outros universos da vida. No o contrrio ao anterior, e por isso indissocivel daquele. ( ) a subjetividade / o sentido dado s aes sociais. So complementares ( ) a relao entre indivduo e a conscincia coletiva / a conscincia individual dos indivduos se manifestando nas instituies. Sendo uma sobreposta a outra. ( ) a organizao poltica dos sujeitos histricos / a formao de um aparato poltico que possa libertar a classe trabalhadora. ( )Remete noo de controle social pelas instituies / a liberdade experimentada pelo indivduo. 17. (UEL - 2008) Leia os depoimentos a seguir: Sou um ser livre, penso apenas com minhas idias, da minha cabea, fao s o que desejo, sou nico, independente, autnomo. No sigo o que me obrigam e pronto! Acredito que com a fora dos meus pensamentos poderei realizar todos os meus sonhos, e o meu esforo ajuda a sociedade a progredir. (Jovem estudante e trabalhadora em uma loja de shopping). Sou um ser social, o que penso veio da minha famlia, dos meus amigos e parentes, gostaria de fazer o que desejo, mas difcil! s vezes fao o que quero, mas na maioria das vezes sigo meu grupo, meus amigos, minha religio, minha famlia, a escola, sei l... Sinto que dependo disso tudo e gostaria muito de ser livre, mas no sou! (Jovem estudante em uma escola pblica que trabalha em empregos temporrios). Sinto que s vezes consigo fazer as coisas que desejo, como ir a raves, mesmo que minha me no permita ou concorde. Em outros momentos fao o que me mandam e acho que deve ser assim mesmo. legal a gente viver segundo as regras e ao mesmo tempo poder mud-las. Nas raves existem regras, muita gente no percebe, mas h toda uma estrutura, seguranas, taxas, etc. Ento, sinto que sou livre, posso escolher coisas, mas com alguns limites. (Jovem estudante e Office boy). 18. (UEL - 2008) Assinale a alternativa que expressa, respectivamente, as explicaes sociolgicas sobre a relao entre indivduo e sociedade presentes nas falas. a) Solidariedade mecnica, fundada no funcionalismo de E. Durkheim; individualismo metodolgico, fundado na teoria poltica liberal; teoria da conscincia de classe, fundada em K. Marx. b) Teoria da conscincia de classe, fundada em K. Marx; sociologia compreensiva, fundada no conceito de ao social e suas tipologias de M. Weber; teoria organicista de Spencer. c) Individualismo, fundado no liberalismo de vrios autores dos sculos XVIII a XX; funcionalismo, fundado no conceito de conscincia coletiva de E. Durkheim; sociologia compreensiva, fundada no conceito de ao social e suas tipologias de M. Weber. d) Sociologia compreensiva, fundada no conceito de ao social e suas tipologias de M. Weber; teoria da conscincia de classe, fundada em K. Marx; funcionalismo, fundado no conceito dos trs estados de Augusto Comte. e) Corporativismo positivista, fundado em Augusto Comte; individualismo, fundado no liberalismo de vrios autores dos sculos XVIII a XX; teoria da conscincia de classe, fundada em K. Marx. 19. Fonte: Cap. 3 Unidade 1: As relaes entre indivduo e sociedade. Sociologia para Ensino Mdio . Nelson Dacio Tomazi. Ed. Saraiva.