Nata§£o Inclusiva e Atividades Aquticas

Click here to load reader

download Nata§£o Inclusiva e Atividades Aquticas

of 25

  • date post

    12-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    74
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Nata§£o Inclusiva e Atividades Aquticas

Universidade do Vale do Taquari UNIVATES Curso de Educao Fsica Bacharelado/Licenciatura

Prof Roges Ghidini Dias

Incluso e Educao Fsica Natao Adaptada Natao Adaptada para Deficientes Visuais (DV) Natao Adaptada para Deficientes Fsicos (DF) e Intelectuais (DI) Natao para PCDs como Prtica Competitiva

INCLUSO de PCDs Carta Internacional de Educao Fsica e Esporte (UNESCO,1978) ajudou a garantir a participao de TODOS nas atividades fsicas e esportivas indiferente de: Classe social Cor Religio Credo

Contribuiu significativamente para a criao e fortalecimento de rgos especializados como:Internacional Paralympic Committee (IPC); Comit Paraolmpico Brasileiro (CPB); Comit International des Sports des Sourds (C.I.S.S); International Stoke Mandeville Wheelchair Sports Federation (I.S.M.W.S.F).

Mudana de Paradigmas (viso do professor para com o aluno);Compreende tcnicas, mtodos e formas de organizao que podem ser aplicados ao indivduo com deficincia; Valorizao das Diferenas Individuais;

Corresponde prtica da natao convencional, sendo disputada pelos diversos tipos de pessoas com deficincias na natao com determinados ajustes para a finalidade; Um dos esportes mais praticados por PCDs; gua Primeiros movimentos estimuladores da reabilitao.

Possibilidades

- Recreativa - Esporte de Competio - Reabilitao - Sade

Natao Adaptada para Deficientes Visuais (DV)Deficincia Visual x Cegueira - Caracteriza de forma ampla, a perda parcial ou total da viso. - Deficincia visual cegueira - Cegueira quando h perda total de viso - Deficincia visual quando ainda existe viso parcial (baixa viso) - Autores e instituies - deficiente visual = indicativo geral perda parcial ou total da viso.

Causas da deficincia visual congnitas e adquiridasAlguns aspectos so importantes para o desenvolvimento das capacidades perceptivas e afetivas do deficiente visual: Conhecimento do corpo imprescindvel para a noo de limites e possibilidades. Propriocepo necessrio que conhea e compreenda seu prprio corpo, a relao entre suas partes, e a relao que seu corpo tem com o espao e seu entorno.Winnick (2004)

Comportamento Motor e a Deficincia VisualComo ensinar? Qual o melhor mtodo para ensinar?

Instrues verbais e a demonstrao so os meios mais comumente usados para transmitir informao sobre a meta a ser alcanada.

Antes de Iniciar as Atividades Avaliao para determinar o nvel atual de desempenho do aluno.

1. O que o aluno consegue enxergar? 2. Quando (com que idade) ocorreu a perda da viso? 3. Durante que perodo ela evoluiu? 4. Continua evoluindo? 5. Qual a patologia? 6. Como eu posso estimular e utilizar o resduo visual? 7. J praticou a modalidade? 8. Pratica ou praticou alguma outra atividade fsica? 9. Qual o objetivo que o aluno busca atingir com a prtica da natao?

Domnio espacial; Percepes de equilbrio, resistncia e empuxo; Tcnicas de respirao e bloqueio; Flutuaes e deslizamentos; Nado submerso; Saltos elementares; Nados de sobrevivncia.

Deslocamentos: o aluno, de qualquer maneira e utilizando qualquer estilo de nado; Saltos: o aluno deve dominar mergulhos e saltos de p e de ponta, partindo de fora e de dentro dgua; Giros: o aluno deve conseguir girar sobre os trs eixos do corpo e sobre qualquer plano. Tambm com combinaes de salto; Aprendizagem dos nados

Fixao dos nados e dos seus fundamentos tcnicos:

sadas; viradas; coordenao de pernas, braos e respirao; coordenao geral de nado; posio do corpo.

-

Utilizao do Tapping Utilizao de culos blackout (competio) Auxlio tcnico

-

Equipamento (Adaptap)

Para DF e DI, normalmente a iniciao na natao se d pelo trabalho de reabilitao feito geralmente em hospitais, clnicas ou faculdades de educao fsica; A facilidade de locomoo e execuo de movimentos dentro dgua, garantam o retorno fsico e psicolgico da natao para o DF e DI.

Ambientao com a prtica - A execuo do nado implica a passagem por vrios nveis de aprendizado associados e sequenciais.

O professor deve analisar cada tipo de deficincia para aplicar a metodologia correta, visto que, em alguns casos, impossvel utilizarse a ordem lgica;

A ludicidade auxilia na motivao.

1) Desenvolvimento da habilidade de entrar e sair da piscina - de preferncia sem ajuda de outra pessoa (mesmo que seja com auxlio da escada ou raia); 2) Locomoo na piscina em diferentes profundidades seja andando, pulando ou boiando, at faz-lo com gua na altura do peito. Inicialmente o aluno pode dispor de boias ou coletes salva-vidas;

3) Manter-se equilibrado dentro dgua estimular e desenvolver a habilidade da melhor forma que a deficincia permita; 4) Trabalho de controle da respirao;5) Trabalho de equilbrio em posio de nado - com mudana de decbito (de barriga para baixo, para cima, lateral), podendo variar de acordo com a deficincia de cada aluno; 6) Movimentao dos membros exigidos pelo esporte (braos e pernas) - os alunos amputados, ou sem movimentos nos membros, podem nessa fase desenvolver outras tcnicas de nado;

-

Utilizao de toalhas, correias e fitasAuxlio tcnico

-

Racionalmente alguns cuidados so necessrio para o incio da prtica aqutica:

1. Avaliao do potencial de integrao - deve ser feita juntamente com os pais. preciso que a incluso da criana tenha um mnimo de possibilidades de sucesso; 2. Nmero reduzido por turma - de preferncia, apenas uma em cada turma. Absorve as atenes do professor (geralmente ocorre no incio dos trabalhos);

3. Ritmo e progresso do aprendizado - esclarecer aos pais e responsveis pela criana. Evitar expectativas demasiadas acerca do ritmo de aprendizado.

4. Preconceito - rechaar toda e qualquer manifestao preconceituosa, seja de quem for;5. Acesso informao - os profissionais que vo trabalhar com essas crianas devem ter conhecimento a respeito da condio do aluno; 6. Perodo de adaptao - Aconselhado um perodo experimental (aproximadamente 30 dias). Aps, realizar nova avaliao sobre a continuidade e tambm para correes do trabalho.

Para a prtica esportiva competitiva, utilizase largamente as classificaes: Mdica, Legal e Esportiva. No desporto para pessoas com deficincia, classificar significa agrupar atletas com capacidades semelhantes com o propsito de competir.

S1 Leso medular completa abaixo de C4/5, ou plio comparado, ou paralisia cerebral quadriplgico severo e muito complicado; S2 Leso medular completa abaixo de C6, ou plio comparado, ou PC quadriplgico grave com grande limitao dos membros superiores; S3 Leso medular completa abaixo de C7, ou leso medular incompleta abaixo de C6, ou plio comparado, ou amputao dos quatro membros; S4 Leso medular completa abaixo de C8, ou leso medular incompleta abaixo de C7, ou plio comparado, ou amputao de trs membros; S5 Leso medular completa abaixo de T1-8, ou leso medular incompleta abaixo de C8, ou plio comparado, ou acondroplasia de at 130 cm com problemas de propulso, ou paralisia cerebral de hemiplegia severa;(PENAFORT, 2006)

OBRIGADO

SASSAKI, Romeu K. Incluso. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro, Ed. WVA 1997. TUBINO, Manoel. As perspectivas do esporte contemporneo. Disponvel em Acesso em: 08 out. 2012 WINNICK, J. P. Educao fsica e esportes adaptados. Barueri, So Paulo: Manole, 2004. Swimming Rules. IPC Swimming. 2005-2008. PENAFORT, J. D. Estratgias de Aula para Incluso da Pessoa com Deficincia: Da recepo do aluno deficiente em ncleos que ofeream Educao Fsica Adaptada escolha de atividades/turmas. Apostila de Capacitao. So Paulo, 2006. COMIT PARAOLMPICO BRASILEIRO (CPB) Natao Paraolmpica Manual de Orientao Para Professores de Educao Fsica. Braslia, 2006.