Modo de Orar Instrução dos Espíritos V. Monod Bordeaux - 1862 Capítulo XXVII item 22 Instrução...

download Modo de Orar Instrução dos Espíritos V. Monod Bordeaux - 1862 Capítulo XXVII item 22 Instrução dos Espíritos V. Monod Bordeaux - 1862 Capítulo XXVII item.

of 28

  • date post

    21-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    145
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Modo de Orar Instrução dos Espíritos V. Monod Bordeaux - 1862 Capítulo XXVII item 22 Instrução...

  • Slide 1
  • Modo de Orar Instruo dos Espritos V. Monod Bordeaux - 1862 Captulo XXVII item 22 Instruo dos Espritos V. Monod Bordeaux - 1862 Captulo XXVII item 22
  • Slide 2
  • Quando orardes, no vos assemelheis aos hipcritas, que se comprazem em orar em p nas sinagogas e nas esquinas das ruas para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que eles j receberam sua recompensa. Mas quando quiserdes orar, entrai no vosso quarto e, estando fechada a porta, orai ao Vosso Pai em segredo; e Vosso Pai, que v o que se passa em segredo, vos recompensar. E quando orais, no faleis muito, como os gentios, que pensam ser pela multido de palavras que sero atendidos. No vos torneis, pois, semelhantes a eles, porque Vosso Pai sabe do que necessitais antes de o pedirdes. (Mateus, VI:5-8)
  • Slide 3
  • Prece Ato religioso que visa ativar uma ligao, uma conversa, um pedido, um agradecimento, uma manifestao de reconhecimento ou ainda um ato de louvor diante de um ser transcendente ou divino
  • Slide 4
  • A prece um ato de adorao a Deus. Lei Natural e o resultado de um sentimento inato do homem, assim como inata a ideia da existncia do Criador.
  • Slide 5
  • As oraes dos homens
  • Slide 6
  • As oraes dos homens Nossa especialidade examinar as preces dos seres terrenos, acudindo s casas de orao ou a qualquer lugar onde h um esprito que pede e que sofre. As rogativas de cada um, ento, so anotadas e examinadas por ns, procurando estabelecer a natureza da prece, os seus mritos e demritos, sua elevao ou inferioridade para podermos determinar os socorros necessrios.
  • Slide 7
  • At as oraes das crianas so tomadas em considerao: qualquer pedido, qualquer splica, tem a sua anotao particular. H oraes sublimes que se elevam da Terra at o nosso distrito, to puras elas so, que atravessam as nossas regies como jatos de luz, buscando esferas mais altas e mais elevadas que a nossa.
  • Slide 8
  • H muitos espritos elevados sob as ordens imediatas de Aulus, e que vm at ns transmitindo as ordens necessrias. Chamamo-los anjos, para te dar a expresso do respeito e da venerao que esses elevados seres nos merecem, e sempre um desses anjos chefia as nossas expedies para atender os que erram e padecem, nos torvelinhos da luta material. Maria de Deus
  • Slide 9
  • Qual o nosso primeiro pensamento ao acordar?
  • Slide 10
  • O primeiro dever de toda criatura humana, o primeiro ato que deve assinalar o seu retorno atividade diria, a prece.
  • Slide 11
  • Recitar? Palavras decoradas? Aquelas mesmas palavras que ouvamos quando crianas? Vs orais, quase todos, mas quo poucos sabem realmente orar! Como a nossa orao? Vs orais, quase todos, mas quo poucos sabem realmente orar! Como a nossa orao?
  • Slide 12
  • Louvar Pedir Agradecer Como deve ser a nossa orao?
  • Slide 13
  • De agradecimento, pela noite transcorrida, durante a qual lhe foi permitido, embora no guarde a lembrana, retornar junto aos amigos e aos guias, para nesse contato haurir novas foras e mais perseverana.
  • Slide 14
  • Deve elevar-se humilde aos ps do Senhor, pedindo pela sua fraqueza, suplicando o seu amparo, a sua indulgncia, a sua misericrdia.
  • Slide 15
  • Deve ser profunda, porque a vossa alma que deve elevar-se ao Criador, que deve transfigurar-se, como Jesus no Tabor, para chegar at Ele, branca e radiante de esperana e de amor.
  • Slide 16
  • Vossa prece deve encerrar o pedido das graas de que necessitais, mas de que necessitais realmente. i i
  • Slide 17
  • O que pedis a Deus, na maioria das vezes? J vos lembrastes de pedir-lhe a vossa melhoria moral? O que posso pedir a Deus?
  • Slide 18
  • O que posso pedir a Deus?
  • Slide 19
  • Pedi-lhe antes os bens mais preciosos da pacincia, da resignao e da f.
  • Slide 20
  • Pedi, pois, antes de tudo, para vos tornardes melhores, e vereis que torrentes de graas e consolaes se derramaro sobre vs! i i
  • Slide 21
  • Obras de Andr Lus Psicografadas por Chico Xavier
  • Slide 22
  • A orao vibrao, energia, poder. A criatura que ora, mobilizando as prprias foras, realiza trabalhos de inexprimvel significao. Semelhante estado psquico descortina foras ignoradas, revela a nossa origem divina e coloca-nos em contato com as fontes superiores.
  • Slide 23
  • Dentro dessa realizao, o Esprito, em qualquer forma, pode emitir raios de espantoso poder. Os raios divinos, expedidos pela orao santificadora, convertem-se em fatores adiantados de cooperao eficiente e definitiva na cura do corpo, na renovao da alma e iluminao da conscincia. Missionrios da Luz
  • Slide 24
  • A prece, qualquer que ela seja, ao provocando a reao que lhe corresponde. Conforme a sua natureza, paira na regio em que foi emitida ou eleva-se mais, ou menos, recebendo a resposta imediata ou remota, segundo as finalidades a que se destina. Entre a Terra e o Cu
  • Slide 25
  • Cada prece, tanto quanto cada emisso de fora, se caracteriza por determinado potencial de frequncia e todos estamos cercados por Inteligncias capazes de sintonizar com o nosso apelo, maneira de estaes receptoras. Entre a Terra e o Cu
  • Slide 26
  • Assim que orar em nosso favor atrair a Fora Divina para a restaurao de nossas foras humanas, e orar a benefcio dos outros ou ajud-los, atravs da energia magntica, disposio de todos os espritos que desejem realmente servir, ser sempre assegurar-lhes as melhores possibilidades de auto reajustamento Evoluo em dois mundos
  • Slide 27
  • Slide 28