Indicação farmacêutica

of 57 /57
GRUPO DE INVESTIGACIÓN EN FARMACOTERAPIA Y ATENCIÓN FARMACÉUTICA SEVILLA INDICAÇÃO FARMACÊUTICA Seminário Internacional de Indicação Farmacêutica Itajaí, BRASIL Junho 2012 Dra. María José Martín Calero Grupo de Investigación en Farmacoterapia y Atención Farmacéutica Universidad de Sevilla, España

Transcript of Indicação farmacêutica

Page 1: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

INDICAÇÃO FARMACÊUTICA

Seminário Internacional de Indicação Farmacêutica

Itajaí, BRASIL

Junho 2012

Dra. María José Martín Calero

Grupo de Investigación en Farmacoterapia y

Atención Farmacéutica

Universidad de Sevilla, España

Page 2: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Tem uma extensão de 504.645 km2, sendo o quarto país mais extenso da

Europa, depois da Rússia, Ucrânia e França

Altitude média de 650 metros é um dos países mais montanhosos do

continente

47.190.493 habitantes (2011)

Page 3: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Page 4: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

1 farmácia / 2.209 habitantes 42.831 farmacêuticos

Page 5: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

99% da população dispõe de uma farmácia em seu entorno mais próximo

Page 6: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Na ESPANHA

TITULARIDADE

PROPRIEDADE

1 farmácia pode ser de 1

ou mais farmacêuticos

1 farmacêutico só pode ter

1 farmácia

Page 7: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

ATIVIDADES DO FARMACÊUTICO

Atividades

orientadas

ao

produto

NÃO CLÍNICAS

Atividades

orientadas

ao

paciente

CLÍNICAS

Ministerio de Sanidad y Consumo. Consenso sobre

atención farmacéutica, 2001.

Page 8: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Atividades não clínicas

• Gestão de compras

• Armazenamento

• Conservação

• Gestão de faltas

• Atualização do estoque

• Controle de vencidos

• Controle Especial (vacinas,

cadeia de frio)

• Processamento de receitas

• Revisão e checagem das

receitas

• Livros de receituários…

Page 9: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Oferta de serviços clínicos

• Dispensação de medicamentos de uso humano e veterinário.

• Consulta e indicação farmacêutica.

• Seguimento farmacoterapêutico personalizado.

• Farmacovigilância.

• Dispensação de produtos dietéticos e alimentícios

• Consulta e indicação nutricional.

• Consulta sanitária

• Elaboração e dispensação de Fórmulas Magistrais e preparações oficinais

• Dispensação de medicamentos homeopáticos

• Dispensação de plantas medicinais

• Dispensação de produtos dermocosméticos e de higiene pessoal

• Dispensação de produtos ortopédicos básicos.

• Dispensação de produtos de manutenção de lentes de contato.

• Determinação por via seca de indicadores biológicos.

• Determinação de peso e pressão arterial.

• Participação e difusão de campanhas de educação em saúde.

Page 10: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Atividades clínicas

Atenção farmacêutica

Ministerio de Sanidad y Consumo. Consenso sobre atención

farmacéutica, 2001.

Foro de Atención Farmacéutica, CGCOF 2008

=

Seguimento Farmaco-

-terapêutico SFT

Page 11: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

DISPENSAÇÃO

É o serviço profissional do farmacêutico para garantir

que os pacientes recebam e utilizem os medicamentos de

forma adequada as suas necessidades clínicas, na dose

precisa, durante o tempo necessário, com a informação

para seu correto processo de uso e de acordo com a

normativa vigente.

Guía Práctica para los Servicios de Atención Farmacéutica en la Farmacia

Comunitaria. Foro de Atención Farmacéutica, 2010

É a atuação profissional com maior demanda

na farmácia comunitária

Page 12: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Dispensação

Indicação ou consulta

Conselho

Esclarecimento

Informação…

Page 13: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Objetivos da dispensação

1. Entregar o medicamento e/ou produto de saúde em

Condições ótimas e de acordo com a normativa vigente.

2. Garantir que o paciente possua a informação mínima

necessária que o ajude a melhorar o uso do medicamento.

3. Protegê-lo de possíveis problemas decorrentes da

medicação

4. Identificar as situações nas quais o paciente possa

necessitar outro serviço: indicação, educação em saúde,

seguimento da farmacoterapia, farmacovigilância.

Page 14: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A entrega física do produto não tem o carater constitutivo

do ato da dispensação

A essência do mesmo consiste na decisão de entregar ou não

o produto ao paciente

Page 15: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Se pode produzir:

Dispensação sem

entrega do produto

Entrega do produto

sem dispensação

(venda)

Page 16: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Tipos de dispensação

Dispensação ao paciente que

traz uma prescrição médica

Dispensação ao paciente que solicita medicação

sem receita médica

Page 17: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Atitude do farmacêutico na

dispensação

O farmacêutico deve verificar sistematicamente:

1. Que o paciente conhece os

objetivos do tratamento 2. Que conhece a posologia e a via de

administração correta 3. Que, com a informação disponível

neste momento, o medicamento não é inadequado para o paciente:

- tratamento concomitante - outras enfermidades - gravidez

Page 18: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

• Confidencialidade

• Confiança

• Credibilidade

Que condições são necessárias neste processo?

O usuário confia no farmacêutico e sabe que

Receberá a informação adequada

Page 19: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Guía Práctica para los Servicios de Atención Farmacéutica

en la Farmacia Comunitaria. Foro de Atención Farmacéutica,

2010

DISPENSAÇÃO

Page 20: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

DISPENSAÇÃO SEM RECEITA MÉDICA

O paciente solicita um medicamento concreto

O paciente confia na indicação do farmacêutico

Eu quero… O que você me dá

para…?

Page 21: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

INDICAÇÃO FARMACÊUTICA

Serviço prestado pelo farmacêutico para a demanda de um paciente ou usuário que não sabe qual medicamento deve adquirir e solicita ao farmacêutico que lhe proporcione o tratamento mais adequado para seu problema de saúde.

1. Comprovar que o problema de saúde é uma síndrome menor (não necessita de atenção médica). 2. Conseguir a remissão dos sintomas com a

mínima interferência no paciente.

Page 22: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Requisitos da Indicação Farmacêutica

• É solicitada pelo paciente ou cuidador

• Deve ser realizada por um farmacêutico

• Tenta aliviar sintomas ou transtornos menores

• Utiliza como ferramentas terapêuticas medicamentos que não requerem prescrição médica

• Baseará suas atuações em guias ou protocolos elaborados segundo a evidência científica disponível

• A avaliação do paciente deve ser realizada com profissionalismo, agilidade e confidencialidade

• Deve potencializar a comunicação com outros profissionais (encaminhamento)

• Deve garantir a segurança das recomendações e a responsabilidade sobre os resultados

• Deve estar integrada ao funcionamento operacional da farmácia comunitária

Page 23: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Deve ser realizada por um farmacêutico

É solicitada pelo paciente ou cuidador, que decide que seja

o farmacêutico quem remedie o problema de saúde

Os pedidos de IF por terceiras pessoas,

amigos, familiares, colegas de trabalho…

não costumam trazer a informação

necessária para avaliar o problema de saúde

O técnico ou auxiliar da farmácia deve

colaborar identificando as consultas de IF e

encaminhando ao farmacêutico

Page 24: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A IF tenta aliviar sintomas ou trastornos menores

Síndrome menor. Problema de saúde (PS) banal, não grave (?),

autolimitante e de cura espontânea, com menos de 7 días de

evolução, não relacionado com manifestações clínicas de outros

problemas de saúde do paciente, nem com os efeitos indesejáveis

da medicação que está recebendo.

Não precisa de diagnóstico médico e responde ou se alivia com um

tratamento sintomático. PS percebido como

não grave e facilmente

reconhecível pelo

paciente

Não relacionado com

enfermidades do

paciente ou com

medicamentos

Curta duração

Page 25: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

- Problemas respiratórios (catarro, gripe, tosse,

dor de garganta, rinite alérgica, outros sintomas

respiratórios...)

- Problemas do trato gastrointestinal (Úlceras

bucais, azia, indigestão, nauseas e vômitos,

constipação, diarreia, hemorróidas...)

- Enjôo por movimento e sua prevenção.

- Afecções cutáneas (Eczema, dermatite, acne,

pé de atleta, verrugas, sarna, erupções cutâneas

na infância...)

Síndromes menores

Page 26: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Síndromes menores

- Problemas relacionados com a dor: Cefaléias,

odontalgias, otalgias, dores musculoesqueléticas...

- Afecções femininas: Dismenorréia, cistite...

- Problemas oculares: Olho seco, conjuntivite

alérgica…

- Afecções infantis: Dermatite da fralda,

pediculose, lombrigas, aftas bucais.

Page 27: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A IF utiliza como ferramentas terapéuticas medicamentos que não requerem prescrição médica

Medicamento de indicação farmacêutica. Fármaco, de livre

dispensação, que se destina ao alívio de uma síndrome menor

com a finalidade de melhorar a sintomatologia do paciente e

cuja utilização não exceda os 7 dias.

Especialidades

farmacêuticas

publicitárias

EFP

Especialidades

não publicitárias

que não exigem

receita

Page 28: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

As especialidades OTC cumprem uma série de requisitos:

- Medicamentos amplamente utilizados na clínica

- Grande experiência de uso

- Com um perfil de segurança bem conhecido

- O possível risco de interações (frequência e potencial

gravidade)

- Se as condições nas quais se utiliza são facilmente

reconhecíveis pelo paciente (evitando um autodiagnóstico

Inadequado e o atraso do diagnóstico adequado)

- As possíveis consequências de sua incorreta utilização:

- uso inadequado

- doses incorretas

- sobredoses

- tempo excessivo…

Temos que avaliar

Page 29: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Um aspecto de grande importância nas OTC é a segurança:

- Reações adversas

- Extrato etanólico de camelia sinensis

(chá verde), alterações hepáticas

- Alarme com o uso de fenilpropanolamina

como descongestionante em preparados

antigripais (risco de hemorragia cerebral)

Não ultrapassar a dose recomendada de

100 mg/día

- Interações

- Hypericum perforatum

- Digoxina

- Anticonceptivos orais

- Anticoagulantes orais

- Ciclosparina…

Page 30: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Outros aspectos relacionados com a segurança:

- Possibilidade de mascarar sintomas e atrasar o

diagnóstico. Antihistamínicos H2 OTC como antiácidos

- Abuso deliberado quando o usuário busca um efeito

recreativo: antihistamínicos, opioides (codeína asociada

a parecetamol)

- Dependência do fármaco: laxantes, indutores do

sono (valeriana, crataegus)

Page 31: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A IF baseará suas atuações em guias ou protocolos

elaborados segundo a evidência científica disponível

- Guias de prática clínica para as diferentes

patologias (GPC)

- Protocolos de atuação consensuados entre os

agentes de saúde

As GPC são diretrizes elaboradas sistematicamente para

ajudar os clínicos e os pacientes na tomada de decisões

sobre a atenção a saúde adequada para problemas clínicos

específicos.

- GPC baseadas na opinião de expertos

- GPC baseadas em consensos

- GPC baseadas na evidência

Facilitam a tomada de decisões

Page 32: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A GPC de qualidade deve cumprir uma série de requisitos

(Institute of Medicine, IOM, de los EE.UU.).

- Validade

- Confiabilidade

- Flexibilidade

- Reprodutibilidade

- Aplicabilidade clínica

- Clareza

- Desenvolvida por uma equipe multidisciplinar

A qualidade de uma GPC se avalia com o instrumento AGREE

(Appraisal of Guidelines Research and Evaluation) desenvolvido

por pesquisadores de 13 países, validado e cujo objetivo é

oferecer um marco sistemático para a análise dos componentes

esenciais que determinam a qualidade da guia que incluem

- elaboração

- documentação

Page 33: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Para facilitar a implementação de uma guia aconselha-se a

adaptação local de uma já existente de âmbito nacional.

- Tem-se em conta aspectos locais do tipo

organizacional

- Incluem profissionais relevantes do meio

- Avaliam-se os problemas no lugar de aplicação

No âmbito da IF é habitual a elaboração de protocolos

desde

- Conselhos Regionais de Farmácia (CRFs)

- Associações profissionais

- Sociedades Científicas

Recursos de internet

- National Guideline Clearinghouse

- Primary Care Clinical Practice Guidelines

- UK Health Centre

- E-guidelines

Page 34: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

www.medinterna.com/Office/protocolos.htm www.sing.ac.uk

www.nice.org/uk

www.tripdatabase.com

www. guidelines.gov

Page 35: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A avaliação do paciente deve ser realizada com profissionalismo,

agilidade e confidencialidade

- O problema do paciente deve ser resolvido com eficácia, de forma

ágil e sem demora desnecessária.

- A IF não deve interferir com a dinámica de trabalho da

farmácia

- A consulta ocorre no balcão e costuma-se resolver ali

O paciente devería ser

atendido em áreas de atenção

personalizada

Entretanto

Page 36: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

- Habilidades de comunicação

- Para obter informação do paciente

- Para trasmitir nossa decisão assim como a informação

necessária para o bom uso do medicamento

- Para chegar a acordos com o usuário

Entrevista ao paciente

- Assertividade

- Saber escutar

- Um sorriso favorece a

comunicação e não custa dinheiro !!

Page 37: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Entrevista ao paciente

- Confidencialidade - Influência do entorno físico.

- O serviço costuma ser

prestado no balcão.

- Seria mais conveniente

utilizar áreas personalizadas.

Page 38: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Entrevista ao paciente

- Motivo da consulta O objetivo é diferenciar consultas que requerem avaliação por

outro profissional de saúde (médico, odontólogo…)

O paciente percebe o nivel de gravidade de seu problema de

saúde por experiências prévias e condicionantes psicológicos

que NEM sempre coincidem com critérios sanitários.

A avaliação do PS pelo farmacêutico

resulta de grande utilidade e assim é

percebido pelos pacientes

Page 39: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Duração do problema, tempo crítico

Dependendo dos sintomas e do paciente, o tempo de evolução pode

ser variável: O farmacêutico deve conhecer qual é esse tempo

crítico para cada sintoma menor.

Ex. uma tosse de mais de 3 semanas considera-se crônica e deve

encaminhar ao médico (tempo crítico, 2-3 semanas de evolução).

Indicadores de longa evolução, cronicidade ou recorrência:

- Ter recebido medicação prévia para esse problema

- Ter padecido desse sintoma anteriormente

- Que se automedique reiteradamente.

Banalidade do sintoma

- Verificar a existência ou não de outras enfermidades do

paciente para descartar uma possível relação dos sintomas com o

transtorno motivo da consulta. Ex. Tosse em um paciente

asmático.

Page 40: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Medicação do paciente

Conhecer a medicação do paciente aporta informação relevante ante

a tomada de decisões.

- Permite conhecer indiretamente PS que o paciente não referiu

- Permite estabelecer relação entre os medicamentos que toma o

paciente e o motivo da consulta. Ex. Tosse num paciente tratado com

IECA

- Se aparece esta relação, permite oferecer ao paciente outros

serviços assistenciais: SFT, educação terapêutica.

- Facilita a dispensação do medicamento mais adequado na situação

clínica do paciente, o que menos interfere com seu tratamento habitual

Situação fisiológica do paciente

Condiciona a decisão de tratar

ou não pelo farmacêutico.

Um processo catarral em um

ancião acamado

ou uma grávida deve ser

avaliada por um médico

Page 41: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Com frequência os usuários do serviço de IF costumam ser

- Pacientes jovens sadios que praticam o autocuidado

(tem pouco tempo para ir ao médico)

-Mães/cuidadores de crianças e adolescentes com sintomas

leves

- Pessoas que consideram o custo/efetividade da indicação

farmacêutica.

Na maioría das vezes estão baseadas em experiências

anteriores que resultaram positivas

Page 42: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Após a avaliação

Dispensar medicamento

Aconselhar tratamento não farmacológico

Encaminhar ao médico

Oferecer outros serviços assistenciais

Page 43: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Intervenção do farmacêutico

- Indicar uma ação terapêutica

- Se for necessário, encaminhar ao médico ou outro

profissional: enfermeiro, odontólogo…

- Se for considerado necessário, oferecer outros

serviços

-Educação terapêutica

-Seguimento farmacoterapêutico

-Recomendação de medidas

conservadoras, dietéticas,

físicas

-Dispensação do medicamento

adequado

- Do objetivo do tratamento

- Posología

- horários de uso do medicamento

- Duração do tratamento

- Que fazer em caso de não melhorar

ou piorar

INFORMAR

Page 44: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

USUÁRIO

Gravidez/lactância

< 2 años

Duração excessiva

Tem utilizado medicação

para o PS sem conseguir

benefício?

Apresenta critérios

de encaminhamento

Alertas, alergia

Não dispensar Dispensação

Médico

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

SIM

NÃO

Suspeitas de PRM

SIM

SIM

SIM

SIM Intervenção

SFT, Educ.Terap.

Servicio de IF Guía Práctica para los

Servicios de Atención Farmacéutica

en la Farmacia Comunitaria.

Foro de Atención Farmacéutica, 2010

Page 45: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Page 46: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A IF deve potencializar a comunicação com outros profissionais

Encaminhamento

• Idade do paciente

• Duração do problema de saúde, PS. Se o tempo é superior

ao establecido no protocolo de sintomas menores correspondente será critério único de encaminhamento

• PS novo

• piora de um PS já existente

• PS já tratado que não melhora

• Suspeita de que os sintomas possam estar relacionados com

um PS mais grave

• Suspeita de que os sintomas possam estar relacionados

com algum medicamento que toma o paciente

• Situação fisiológica que desaconselhe a indicação farmacêutica

Page 47: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Documento de Encaminhamento

• Identificação do farmacêutico que realiza o encaminhamento

• Identificação do profissional a quem se encaminha

• Identificação do paciente

• Motivo do encaminhamento

• Identificação da farmácia que parte o encaminhamento

INFORME DE DERIVACIÓN

FARMACIA

Tf./fax:

Dr/Dra…………… Servicio/Consultorio/Centro de Salud……………

El/la paciente ……………………………….acude a la farmacia por el/los siguientes

motivos:

Tras evaluar la información del paciente, procedemos a derivárselo debido a:

Sevilla ,……de………………..de 2012.

Fdo……………………

Colegiado nº……………..

Page 48: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Documento de Encaminhamento

Seria desejável a normatização e oficialização deste tipo de documentos

• Familiarizar os profissionais de saúde com um documento único

• A informação recolhida seria sempre a mesma

• Aportaria rigor e qualidade ao processo

• Minimizaria possíveis erros

Del farmacéutico Nº colegiado

A CS/Consultorio

Datos del paciente

NUSS:

Motivo de la derivación

En…………..a….de…………201…

Firma

Farmacia

Observaciones al farmacéutico

En…………..a….de…………201…

Firma XXXX

Page 49: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Documento de Encaminhamento

Se o documento é fotocopiável permite

• Documentar

• Registrar todos os encaminhamentos

• Comprovar o que ocurreu em cada um deles

O profissional de saúde que recebe o encaminhamento pode dar resposta na epígrafe reservada para ele.

Cópia para a farmacia

Del farmacéutico Nº colegiado

A CS/Consultorio

Datos del paciente

NUSS:

Motivo de la derivación

En…………..a….de…………201…

Firma

Farmacia

Confirmación de la derivación

XXXX

Page 50: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Paciente de 34 anos que recorre a farmácia para tratar uma

diarréia de 2 dias de evolução. Tem apresentado cinco

evacuações líquidas sem exudatos patológicos e sem febre.

Refere dor abdominal leve.

Paciente de 34 anos que recorre a farmácia para tratar

uma diarréia de 2 dias de evolução. Tem apresentado

cinco evacuações líquidas com sangue e muco. Apresenta

febre e refere dor abdominal intensa.

Protocolo de IF

Encaminhamento ao médico

Page 51: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Deve garantir a segurança das recomendações e a

responsabilidade sobre os resultados

- O farmacêutico deve utilizar protocolos de atuação farmacêutica

em síndromes menores

- Informar sobre posologia e forma de tomar o medicamento.

- Advertir de possíveis complicações ou efeitos secundários.

- Considerar com o paciente a conveniência de um seguimento da

medicação.

O farmacêutico tem a faculdade de decidir

se assume ou não a responsabilidade de

Tratar um paciente de acordo com

sua formação e com sua capacidade legal

No processo de IF o farmacêutico é o único profissional

que trata o paciente.

Devería se avaliar seu impacto na saúde do paciente

Page 52: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

Deve-se realizar o registro e documentação das

atividades realizadas

Nos casos de encaminhamento, com a cópia do documento de encaminhamento No resto dos casos realizando o protocolo de dispensação informada e assinalando em “observações” IF.

O processo de registro e documentação

deve ser informatizado

e não interferir na

dinâmica de trabalho habitual.

Page 53: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

A IF deve estar integrada no funcionamento operacional da farmácia comunitária

Num serviço de atenção farmacêutica

ao paciente

O registro e a documentação

das atuações de IF

serão uma ferramenta para poder avaliar

o serviço prestado ao paciente

QUALIDADE DA PRESTAÇÃO FARMACÊUTICA

Page 54: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

CÓDIGO DE ÉTICA FARMACÊUTICA E DEONTOLOGÍA DA

PROFISSÃO FARMACÊUTICA

É responsabilidade do farmacêutico contribuir para a melhoria

da saúde e qualidade de vida do paciente, promovendo seu

direito a prevenção e diagnóstico da enfermidade e a

tratamentos terapêuticos eficazes e seguros

O farmacêutico, mediante a prática de seus conhecimentos

facilitará a correta aplicação dos meios preventivos,

diagnósticos e terapêuticos

O farmacêutico proporcionará uma informação verdadeira e

adequada a cada paciente, não promovendo, em nenhum caso,

expectativas terapêuticas inadequadas

O farmacêutico porá o benefício do paciente antes dos seus

legítimos interesses pessoais, profissionais e econômicos.

Comisión de Código Deontológico. Consejo General de Colegios

Oficiales de Farmacéuticos de España, 2000.

Page 55: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

INDICAÇÃO FARMACÊUTICA

INCONVENIENTES

Paciente

- As vezes pode-se mascarar

um PS que requer atenção

médica imediata.

Sistema de saúde

- Pode-se aumentar

os custos no caso de não

resolução do PS pelo

farmacêutico

Farmacéutico

- Obrigação de assumir

responsabilidades.

- Imagem negativa ante um

fracasso terapêutico

Page 56: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA

INDICAÇÃO FARMACÊUTICA

VANTAGENS

Paciente

- Automedicação responsável

- Economia de tempo

- Vantagem na relação custo/

/benefício

Sistema de Saúde

- Desafogamento das consultas

médicas

- Diminuição do gasto em

medicamentos e em prestação

de serviço de saúde

Farmacêutico

- Prestação de um serviço com

muita demanda

- Aumento de seu prestígio

profissional

Page 57: Indicação farmacêutica

GR

UP

O D

E I

NV

ES

TIG

AC

IÓN

EN

FA

RM

AC

OT

ER

AP

IA Y

A

TE

NC

IÓN

FA

RM

AC

ÉU

TIC

A

SEVILLA