Francisco Goya

Click here to load reader

  • date post

    03-Jul-2015
  • Category

    Education

  • view

    16.096
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Trabalho elaborado por Ângela Cardoso

Transcript of Francisco Goya

  • 1. Francisco GoyaAnlise Obra 3 de Maio de 1808ngela Cardoso n412F

2. Biografia Francisco Jos de Goya y Lucientes nasceu a 30 de Maro de 1746, um pintor que percorre a pintura espanhola e europeia desde o neoclassicismo de finais do sculo XVIII at ao romantismo. No final de 1771, inscreveu-se em concurso da Academia de Belas Artes de Parma, recebendo uma meno honrosa e a sua primeira encomenda: o fresco na Igreja Nossa Senhora do Pilar, em Saragoa. Pintou em 1787 A pradaria de Santo Isidro mas as suas inclinaes realistas s se afirmaram a partir de 1792, em quadros como Patio com Loucosquot;, quot;O tribunal da Inquisioquot;, e o mais marcante quot;O funeral da sardinhaquot; Em 1792 Goya comea a padecer de uma doena desconhecida, ficando temporariamente paraltico, parcialmente cego e totalmente surdo. Comea ento a isolar-se. Deixa de ver o lado agradvel da humanidade, fixa-se nos seus defeitos, nos seus aspectos grotescos.. Em 1800, no auge do prestgio, pintou os seus quadros mais discutidos, quot;Maja desnudaquot; (quot;Mulher despidaquot;) e quot; Maja vestidaquot;, e o famoso quot;A famlia de Carlos IVquot;, que um exemplo de como introduzia traos grotescos nas figuras. Em todos o realismo ora explode em erotismo, ora detm-se na anlise dos modelos. Nos retratos da sua ltima poca o uso do preto de importncia fundamental. 3. Pintou tambm os episdios da invaso francesa, como o quot;Trs de Maioquot;, que representa uma cena de fuzilamento de composio inslita. Saturno manifesta uma viso sombria da realidade. Goya foi to importante na pintura quanto na gravura, onde pde manifestar o esprito do humor espanhol. Predominam a stira social, cheia de sarcasmo, os motivos erticos e a feitiaria. A stira est entretanto ausente na coleco mais clebre de Goya, quot;Os desastres da guerraquot; (1810-1814), na qual o artista mostra a infmia dos invasores: uma sucesso de mutilaes, fuzilamentos, e outros males da guerra. A coleco de gravuras quot;Tauromaquiaquot; escapa desse universo atormentado, para mostrar as faanhas e heris clebres da plaza de toros. Nessa coleco, editada em 1816, Goya desenvolve um clima de dinamismo e tenso raros na arte da gravura. Por volta de 1819, realizou o ltimo dos seus conjuntos e o de mais difcil abordagem, os quot;Disparatesquot;. H neles um carcter crtico, em que volta o gnio sarcstico de quot;Os caprichosquot;, mas os temas so genricos e h maior liberdade de composio e de proporo das figuras. Existe ainda uma pequena srie de obras litogrficas. A mais impressionante a intitulada quot;O colossoquot;, um gigante sentado defronte a um quarto crescente, com o rosto voltado para o contemplador. Morre a 16 de Abril de 1828 na cidade de Bordus. 4. Patio com Loucos 5. O tribunal da Inquisio 6. O enterro da Sardinha 7. Maja desnuda 8. Maja Vestida 9. A familia de Carlos IV 10. O 3 de Maio de 1808 11. Saturno 12. Colosso 13. Analise da Obra O 3 de Maio de 1808 O espantoso quadro de Goya representa uma das mais memorveis imagens da desumanidade do homem. O exrcito de Napoleo tinha ocupado a Espanha e no dia 2 de Maio de 1808 os cidados de Madrid revoltaram-se contra os franceses. No dia seguinte, as tropas francesas vingaram-se cruelmente, executando centenas de rebeldes e muitos inocentes. Goya s conseguiu registar os acontecimentos seis anos mais tarde, quando o rei Fernando VII ocupou novamente o trono de Espanha. O quadro reconstri a imagem familiar do heri pronto a morrer por uma causa; Goya d-nos o anti- heri: no o guerreiro, mas a vtima, cuja morte se torna, por acaso, o ponto de partida para os que lutam contra a opresso. 14. A vtima central tem os braos levantados na pose simblica de Cristo crucificado (repare-se na palma da mo direita). O seu gesto herico no pode ser separado do desespero avassalador e do terror mortal que o rodeiam. A sua camisa branca, bem iluminada pela lanterna dos soldados, em breve estar salpicada de sangue. 15. O peloto de fuzilamento os soldados so representados sem rosto. Os seus corpos esto colados uns aos outros, como se fossem uma espcie de insectos destruidores. Encontram-se prximos das vitimas, realando a natureza brutal e tragicamente ridcula da cena, e espelhando com crueldade o maior quadro neoclssico de David, O julgamento dos Horcios, mas enquanto que os soldados de David representam a unidade da vontade, os de Goya representam apenas o anonimato acfalo da maquina de guerra. 16. A gloriosa insurreio - Apesar da sua ineteno declarada de imortalizar os actos hericos dos seus No quadro, Goya no esquece a compatriotas, Goya produziu uma imagem de um igreja. Na primeira fila das vtimas, matadouro. Um homem morto, deitado de barriga para ajoelhado, aparece um frade.baixo numa poa de sangue, projecta-se de uma forma perturbante, para o primeiro plano. Foi abatido a frio. Os braos estendidos sugerem uma splica, um eco silencioso do gesto corajoso e dramtico da vitima que se segue, que em breve se ir juntar a pilha de cadveres em primeiro plano. 17. Influncia em outras obras O tema e a composio foram retomadasUm segundo quadro com possveis influncias por Manet em A execuo de Maximiliano Massacre na Coreia de Pablo Picasso realizado de 1868em 1951 18. Bibliografia Livro Francisco Goya- rose marie & rainer hagen Taschen publico Livro Histria da Pintura Wendy Beckett http://mestres.folha.com.br/pintores/05/ http://www.vidaslusofonas.pt/francisco_de_goya.htm http://www.pitoresco.com.br/universal/goya/goya.htm http://umquartodefadas.blogspot.com/2008/05/os-fuzilamentos-do-3-de-maio- de-1808.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%AAs_de_Maio_de_1808_em_Madrid