Folha Extra 1231

download Folha Extra 1231

of 12

  • date post

    06-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    3

Embed Size (px)

description

Nesta edição: -Facibra terá de pagar indenização a alunas -“Quatiguá tem muito que comemorar”, afi rma prefeito -Espaços culturais da região vivem dias de abandono

Transcript of Folha Extra 1231

  • A 1S E X T A - F E I R A , 2 4 D E O U T U B R O D E 2 0 1 4 - E D. 1 2 3 1

    11 anos acesse folhaextra.net

    DIRETOR ALCEU OLIVEIRA DE ALMEIDA

    FOLHA EXTRAO SENHOR O MEU PASTOR E NADA ME FALTAR!FOLHA EXTRA24 DE OUTUBRO DE 2014 SEXTA-FEIRA N 1 2 3 1 ANO 11 Novo preo R$ 1,00

    O JORNAL DO NORTE PIONEIRO E CAMPOS GERAIS

    Corpo encontrado em matagal identifi cado como de homem desaparecido

    Muitos daqueles que fazem faculdade tm o sonho de continuar os estudos atravs de uma ps-graduao. Mas imagine aps um ano e meio de curso e com o certi cado de concluso da ps em mos, descobrir

    que seu diploma no tem validade. Isso foi o que aconteceu com duas pedagogas de Wenceslau Braz. Francini Aparecida de Lourdes Batista e Vanderlice Teles de Souza ganharam ao de indenizao por danos

    materiais e morais contra a Faculdade de Cincias de Wenceslau Braz (Facibra), no valor de R$ 28.960, cada, por terem sido lesadas pela instituio, no entendimento da justia.

    DIPLOMA DE PS SEM VALIDADE

    Facibra ter de pagar indenizao a alunas

    Pgina A6

    DIVULGAO

    ARQ UIVO - FOLHA EXTRA

    Pgina A5

    Idoso morre aps engasgar durante almoo

    Pgina A5

    Afonso Nabarro, de 66 anos, almoava com a famlia, no bairro Aparecidinho 2, quando engasgou. O Samu e os bombeiros foram chamados, porm encontraram o idoso j com parada respiratria, e o encaminharam ao hospital do municpio.

    CARLPOLIS

    Um corpo encontrado em um matagal prximo a estao de tratamento de esgoto de Carl-polis, no m da tarde de quarta-feira (22), foi identi cado como Odair Jos Pedroso, de 36 anos, que havia desaparecido h cerca de 20 dias.

    Espaos culturais da regio vivem dias de abandonoEm uma regio to carente de uma identidade cultural prpria, o Norte Pioneiro ainda sofre para abrir ou ao menos conseguir man-ter de portas abertas espaos para esta nalidade. Dois exemplos emblemticos desta questo so as casas da cultura de Siqueira Campos e Santo Antnio da Platina, que ao invs de dar espao a eventos culturais diversos seguem apenas como espaos fsicos

    obsoletos (o que signi ca dinheiro pblico jogado no lixo). En-quanto a Casa da Cultura de Santo Antnio da Platina pode estar prestes a receber uma emenda parlamentar para poder reabrir as portas aps mais de um ano fechada, a Casa da Cultura de Siquei-ra Campos sequer foi inaugurada, tendo suas obras paralisadas h 13 anos e nunca mais retomadas.

    Casa da Cultura de Siqueira Campos um exemplo clssico de descaso com a cultura no Norte Pioneiro

    Pgina A6 - Por Lucas Aleixo

    Fernando Dolenz,prefeito de Quatigu

    O municpio de Quatigu completa no prximo domingo (26) 67 anos de emancipao polti-ca. Para comemorar a data a prefeitura prepara um evento simples, sem maiores gastos, porm com atraes que devem agradar a populao local.

    No podemos ser irresponsveis e gastar muito com eventos, ento estamos preparando uma festa simples, porm honrosa que com certeza vai agradar nossa populao

    Quatigu tem muito que comemorar, afi rma prefeito

    Pgina A3

  • A 2S E X T A - F E I R A , 2 4 D E O U T U B R O D E 2 0 1 4 - E D. 1 2 3 1 OPINIO

    olha oque foi

    dito!Patrcia Pacheco Rodrigues Delegada de Polcia Civil de Carlpolis

    Estamos investigando diversas possibilidades de qual foi a causa da morte e o corpo foi para o IML (Instituto Mdico Legal) de Jaca-rezinho at mesmo para sabermos se de fato este cadver do homem desaparecido,

    Arnaldo Luska Chefe do departamento de Cultura de Siqueira Campos

    A Casa da Cultura sempre foi uma das nossas prioridades. Infelizmente at o momento no conseguimos avanar, mas estamos em contato com Braslia e existe uma esperana grande de que em 2015 as obras sejam retomadas

    Francini Aparecida de Lourdes Batista Ex-aluna da Facibra

    Algum dos alunos, que agora no me lem-bro quem, chegou a dizer que legalmente no poderia comear a fazer a ps antes de terminar a graduao. Mas a Facibra disse que havia uma resoluo de 2001 permitia isso, que no teria problema

    Charge

    Desconstruo

    tam um bom encontro amoroso. Muitas perguntas recebidas por ns giram em torno dessa dvi-da, mas em vez de fornecer uma resposta objetiva, vamos oferecer meios para que voc possa re etir e alcanar suas prprias conclu-ses.Somos sujeitos integrados em nossos aspectos racionais, fsicos e emocionais que caminham sem-pre juntos. Separar estes aspectos e eleger apenas um como guia de nossas escolhas, no uma tarefa fcil. Ora privilegiamos um aspec-to, ora outro, mas ainda assim no trabalham isoladamente.Naturalmente pensar assim faz com que tudo parea mais com-plexo, de fato pode ser, mas tam-bm natural e saudvel. Neste caso conhecer bem como funcionamos em cada um desses aspectos, nos auxilia a ter mais controle sobre o que fazemos, como fazemos e por-que fazemos.O aspecto racional aquele que vive sob o comando do nosso su-perego, que dita o certo e o erra-do, adequado ou inadequado, so os valores, a tica, a moral, o bom senso, a praticidade, o controle, en m tudo que envolve a objetivi-dade. J o aspecto emocional, diz respeito ao inconsciente, ao afeto, sonhos, desejos, fantasias, ou seja, todo um contedo sob o qual no se tem controle e que nos dife-rencia dos animais. Muitas vezes o produto nal dessa unio o con ito, e no h porque tem-lo, ele apenas sinaliza que est no momento de encontrar um equil-brio.Quando estamos em uma situa-o de interesse por algum no conseguimos deixar de lado nosso aspecto emocional, uma vez que

    ssa uma dvida curiosa, daquelas que se encaixa na busca por regras que garan-E

    justamente o afeto que faz com que o emocional seja ativado. Por outro lado tambm nos damos conta que reprimimos a emoo, ou nos criticamos caso essa situa-o traga insegurana ou qualquer tipo de ameaa. o lado racional operando e tentando ganhar for-a.No campo do amor, podemos con-cluir que quando se est prximo de um parceiro em potencial, pertinente e fundamental que se tenha contato com os dois mun-dos, o do afeto e o da razo. O do afeto permitir que voc acesse sua intuio, seu desejo, sua capa-cidade de conquista, apresentan-do ao outro seu lado emocional e sensvel. J o racional te ajudar a ser prudente, cuidadoso, a ter clareza da situao, a impondo um ritmo adequado e confortvel s suas relaes. No possvel preterir um em razo do outro. Ambos os mundos precisam ca-minhar em harmonia. Se agir de forma muito racional, as defesas possivelmente iro te distanciar do encontro afetivo. Se for emo-cional demais, no saber fazer uma leitura correta da situao e certamente ir criar situaes que igualmente te distanciaro do seu par. Aprender a harmonizar os la-dos fundamental em qualquer aspecto da vida, seja pro ssional ou pessoal. Sem dvida todos possuem em momentos da vida um jeito mais racional ou mais emocional de estar no mundo. vlido, neste sentido, aprender com suas prprias experincias passadas, avaliando o que contri-bui ou no para o sucesso de um relacionamento. Os dois lados so sbios e quando integrados de for-ma harmnica, possibilitam que se tenham experincias de vida mais plenas e enriquecedoras, seja na busca por um par, seja junto ao seu par.

    O papel do professor no combate timidez na infncia e na adolescncia

    C ARLOS BERNARDO GONZ LEZ P EC OTC HE, LOFOSOFIA ONLINE - C OM ENTE O ASSUNTO. AC ESSE W W W . F OL H AEX T RA. NET E D SUA OP INIO

    os demais, prejudicando quase sempre o valor das prprias ap-tides, que cam diminudas e at negadas pela coibio que ele experimenta tanto ao falar como ao atuar.O complexo psicolgico da pes-soa escravizada por esta falha est demarcado pelo efeito su-gestionante e atormentador que o olhar alheio produz sobre seu nimo, efeito que se traduz em temor ao fracasso, ao ridcu-lo, ao desacerto; temor de no saber expressar com exatido aquilo que pensa ou sente, no qual toma parte muito ativa a subestimao de si mesma e

    timidez re ete um es-tado de abatimento do nimo que inibe o ser em seu trato com A

    o escasso mrito que atribui a suas ideias e qualidades, em contraste com o valor excessivo que concede s alheias. na infncia e na adolescncia que pais e professores devem combater os sintomas desse complexo de temor, vergonha e covardia, que a timidez, ou impedir seu aparecimento.Quantos sofrimentos poderiam ser evitados ao ser, se ele fosse liberado a tempo de semelhante opresso!Qualquer criana normalmen-te dotada pode contrair este defeito, se for submetida a um trato repressivo que tolha sua espontaneidade, e se no lhe for dado o apoio de que necessita para crescer livre de temores, con ante em suas foras e na

    capacidade que desenvolva. Mas a acanhada por natureza, a criana tmida, seguramente ter seu mal agravado se proce-derem inadequadamente com ela. Cortar-lhe com rispidez o uso da palavra; envergonh-la

    Quantos sofrimentos poderiam ser evitados ao ser,se ele fosse liberado a tempo de semelhante opresso!

    conforme convenha anula-o de seu defeito, tudo isso so partes de uma conduta que aumentar a coibio que a re-trai, e que est negando sua natureza o prazer de manifes-tar-se livremente.A timidez, que com frequncia assume caracterstica de com-plexo de inferioridade, conse-quncia da falta de con ana em si mesmo. Sabemos que quem padece seus prejudiciais efeitos com frequncia avassalado pelo temor, que o torna inseguro, o envergonha e confunde. Nada mais aconselhvel, ento, que bloquear o defeito com pensamentos de entusiasmo, otimismo e coragem, para po-der, assim, dominar a articula-

    A

    ou confundi-la, caoando de seus ditos ou argumentaes; priv-la do exerccio saudvel que a convivncia com seus se-melhantes implica; menospre-zar suas iniciativas, desejos ou decises, em vez de alent-las

    s eleies presiden-ciais do prximo do-mingo, consideradas as mais disputadas

    das ltimas dcadas, reservam um desa o concr