ESPACIALIDADES E TEMPORALIDADES que se traduz no seu design urbano comunidades ribeirinhas etc.)....

download ESPACIALIDADES E TEMPORALIDADES que se traduz no seu design urbano comunidades ribeirinhas etc.). Por

of 17

  • date post

    18-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    222
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ESPACIALIDADES E TEMPORALIDADES que se traduz no seu design urbano comunidades ribeirinhas etc.)....

  • ESPACIALIDADES E TEMPORALIDADES URBANAS NA AMAZNIA RIBEIRINHA: MUDANAS E PERMANNCIAS A

    iJUSANTE DO RIO TOCANTINS

    Saint-Clair Cordeiro da Trindade JnioriBruno Angelim do Rosrio

    ivGleice Kelly Gonalves da CostaivMichel Melo de Lima

    Universidade Federal do Par

    Urban spatiality and temporality in Ribeirinha Amazonia: changes and permanent aspects down the Tocantins river

    ii

    ii

    ResumoA presente anlise prope uma reflexo sobre as mudanas e as permanncias de cidades ribeirinhas da Amaznia brasileira, levando em conta determinadas particularidades e singularidades regionais como ponto de partida de discusso. Tais elementos so considerados tendo-se em vista a possibilidade de polticas de desenvolvimento urbano mais sintonizadas com determinadas temporalidades e espacialidades presentes nessa mesma regio. Dessa forma, a importncia e o perfil socioespacial desse tipo especfico de cidade so problematizados no trabalho a partir da dinmica urbana que se instaura com base na relao cidade-rio. Do ponto de vista emprico, trs cidades especficas so analisadas: Baio, Mocajuba e Camet. Tratam-se de cidades ribeirinhas que esto localizadas no baixo curso do rio Tocantins, no Estado do Par, entre dois grandes projetos econmicos modernos, a hidreltrica de Tucuru e o complexo industrial Albras-Alunorte, na Amaznia oriental brasileira.Palavras-chave: cidade ribeirinha; espacialidades; temporalidades; mudanas; permanncias.

    AbstractThis analysis reflects on the changes and the permanent aspects of the ribeirinha towns in the Brazilian Amazon, taking into consideration certain regional peculiarities and singularities as a starting point for debate. These elements are considered from the standpoint of the potential for developing policies more in tune with certain temporalities and spatialities present in this region. Accordingly, the importance and the sociospatial profile of this specific type of dwelling are laid out in this study of the urban dynamic that establishes itself as a basis for the town-river relationship. From an empirical standpoint, three specific towns are analyzed: Baio, Mocajuba and Camet. These are ribeirinha towns located down the Tocantins River, in the State of Par, between two great modern and economically-important projects, the Tucuru hydroelectric power station and the Albras-Alunorte industrial zone in the eastern Brazilian Amazon.Keywords: ribeirinha town; spatialities; temporalities; changes; permanent aspects.

    ACTA Geogrfica, Ed. Esp. Cidades na Amaznia Brasileira, 2011. pp.117-133.

    ISSN 1980-5772eISSN 2177-4307

    Enviado em fevereiro/2011 - Aceito em abril/2011actageo.ufrr.br

    DOI: 10.5654/actageo2011.0001.0009

    INTRODUO as diferentes e plurais realidades urbanas no

    Durante muito tempo se pensou a contexto amaznico. Esse fenmeno

    Amaznia e, particularmente, o processo de facilmente identificado quando consideramos

    urbanizao nessa regio, de maneira a diversidade de interesses e de agentes que

    generalista e homognea. No sentido de compem e produzem a diferenciao do

    superar essa viso, estudos tm mostrado a espao intrarregional; fator esse que merece

    complexidade e a diversidade do espao especial anlise, uma vez que o espao,

    regional, a exemplo de trabalhos como os de segundo Santos (1994), dotado de um sistema

    Becker (1990, 1998), Machado (1999), Porto- de aes que define uma lgica, uma dada

    Gonalves (2005), Oliveira (2000, 2001), racionalidade, ou seja, aquela da vida social

    Oliveira e Schor (2007, 2008). que o anima; e de um sistema de objetos que,

    P o d e - s e f a l a r , h o j e , d e u m a por sua vez, define a materialidade territorial

    urbanodiversidade regional para referenciar dessa dinmica.

  • Nesse contexto, o espao deve ser ribeirinhas da Amaznia. Ainda que essas

    entendido como um produto de inter-relaes cidades estejam articuladas aos novos

    que se estendem de uma dimenso local at processos de expanso capitalista, elas

    uma escala global. Deve ser visto tambm guardam com certa expresso processos

    como esfera de possibilidades e de existncias outros que revelam permanncias de

    mltiplas, por meio das quais diversas dinmicas anteriores ao perodo mais recente,

    trajetrias coexistem. E, por fim, a ele deve a exemplo do que ocorre na sub-regio do

    sempre ser atribuda a caracterstica de baixo Tocantins, localizada no nordeste

    constante devir, j que est sempre sendo paraense, que aqui considerada para anlise,

    (re)feito, nunca finalizado, acabado e, muito e que se situa entre dois grandes projetos: a

    menos, torna-se definitivamente cristalizado Usina Hidreltrica de Tucuru (produo de

    (MASSEY; KEYNES, 2004). energia) no municpio de Tucuru, e o

    C o m b a s e n e s s e r a c i o c n i o , e complexo Albras/Alunorte (produo de

    especialmente a partir da dcada de 1960, alumina e alumnio), no municpio de

    percebe-se uma maior diferenciao do espao Barcarena.

    urbano na Amaznia por conta do processo de A partir da dcada de 1960, e mais

    expanso capitalista nessa regio. Becker notadamente, em dcadas mais recentes, passa

    (1990) percebia essa dinmica, definindo tipos a ocorrer nessa sub-regio paraense a

    diferentes de urbanizao, a saber: a) instalao de redes tcnicas, promovendo

    urbanizao espontnea: decorrente de aes de mudanas do ponto de vista material e

    incentivo, especialmente do Estado, simblico-cultural nas cidades consideradas

    apropriao privada da terra por empresas; b) para anlise, alterando parcialmente o

    urbanizao dirigida pela colonizao particular: ordenamento territorial do Baixo Tocantins.

    direcionada por companhias colonizadoras considerando esses fatores que o

    privadas; c) urbanizao dirigida pela colonizao presente trabalho busca analisar as principais

    oficial: pautado no modelo de urbanismo rural mudanas e permanncias existentes na

    do Instituto Nacional de Colonizao e paisagem e na organizao e produo do

    Reforma Agrria (Incra); d) urbanizao dos espao das cidades ribeirinhas de Baio,

    grandes projetos: difundida por grandes Camet e Mocajuba, localizadas na sub-regio

    projetos econmicos e de infraestrutura j mencionada. Isso ser feito levando-se em

    pblicos e privados; e) urbanizao tradicional: c o n s i d e r a o a s s i n g u l a r i d a d e s e

    relacionada a cidades com poucas mudanas p a r t i c u l a r i d a d e s d e s s a s r e a l i d a d e s

    em sua configurao, muito ligadas ao padro socioespaciais, decorrentes do desdobramento

    tradicional, beira-rio, e com pouca de processos que se fazem presentes no mbito

    repercusso da expanso das frentes regional e as heranas do passado,

    econmicas. originariamente ribeirinho, desses ncleos

    Desses tipos de urbanizao acima urbanos.

    mencionados, o que mais interessa para a A importncia de se estudar a

    nossa anlise o da urbanizao tradicional, que particularidade do urbano na Amaznia, com

    caracteriza bem o urbano presente nas cidades destaque para as cidades ribeirinhas de Baio,

    118

    ACTA Geogrfica, Boa Vista, Ed. Esp. Cidades na Amaznia Brasileira, 2011. pp.117-133.

    Espacialidades e temporalidades urbanas na amaznia ribeirinha: mudanas e permanncias a jusante do rio TocantinsSaint-Clair Cordeiro da Trindade Jnior, Bruno Angelim do Rosrio, Gleice Kelly Gonalves da Costa

    e Michel Melo de Lima

  • Camet e Mocajuba, d-se, em primeiro lugar, captadas imediatamente pelos sentidos.

    pela necessidade de maior conhecimento dessa Analisando a paisagem das cidades

    realidade, evitando uma leitura convencional ribeirinhas, Oliveira (2001) nos diz:

    que define a cidade ribeirinha luz apenas de Chega-se maioria das pequenas cidades sua localizao absoluta beira do rio. pelo rio e delas possvel contemplar uma

    Diferentemente, busca-se aqui levar em conta paisagem cujo limite o reencontro das processos e interaes que se fazem notar, seja paralelas no horizonte em que o cu e as

    guas parecem se abraar. A paisagem no mbito local, seja no mbito extralocal, e que citadina avistada ao longe, aparecendo

    reconhece o espao como sendo de natureza aos poucos, preguiosamente aos olhos relacional (HARVEY, 1980), ou seja, que de quem no tem pressa de chegar. Assim

    vista, a maioria destas pequenas cidades contm e est contido em um mundo de situadas s margens dos rios assemelha-

    relaes.se a um quadro emoldurado pela folhagem verde-escura da floresta que lhe guarnece. (OLIVEIRA, 2001, p. 200).DEFININDO AS CIDADES RIBEIRINHAS

    As cidades ribeirinhas de Baio, Camet

    Tambm a partir dos cursos fluviais que e Mocajuba surgiram ligadas ao processo de

    ocorre o processo de expanso das cidades ocupao inicial do espao amaznico, pelo

    ribeirinhas, que inicialmente tm suas ruas qual se conf iguraram os pr imeiros

    c o m t r a a d o s o r i e n t a d o s p e l o r i o , aldeamentos e povoados nas margens dos rios,

    evidenciando o padro ribeirinho do espao com o objetivo de ocupar e proteger o

    intraurbano. esse traado que nos vai pr em territrio; o que remonta ao contexto da

    contato, igualmente, com a paisagem a ele colonizao ibrica e seus desdobramentos

    associada.ocorridos na regio.

    A rea central dessas cidades ilustra bem Localizar-se na margem do rio um

    essa expressividade da paisagem. De frente primeiro fator para a identificao das cidades

    para o rio, merece destaque a presena do que ribeirinhas. Baio e Mocajuba se localizam na

    Trindade Jr. , Silva e Amaral (2008) margem direita do rio Tocantins, ao passo que

    denominaram de Setor Principal de Comrcios Ca