DECOMPOSIÇÃO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS EM · PDF fileA comunidade de...

Click here to load reader

  • date post

    23-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    220
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of DECOMPOSIÇÃO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS EM · PDF fileA comunidade de...

  • Universidade de Braslia

    Instituto de Cincias Biolgicas

    Programa de Ps-Graduao em Ecologia

    DECOMPOSIO DE MACRFITAS AQUTICAS EM

    RESERVATRIOS COM DIFERENTES GRAUS DE TROFIA

    Jos Maurcio Brando Quinto

    Orientador: Prof. Dr. Jos Francisco Gonalves Jnior

    Braslia DF

    Maro de 2012

  • II

    Universidade de Braslia

    Instituto de Cincias Biolgicas

    Programa de Ps-Graduao em Ecologia

    DECOMPOSIO DE MACRFITAS AQUTICAS EM

    RESERVATRIOS COM DIFERENTES GRAUS DE TROFIA

    Jos Maurcio Brando Quinto

    Orientador: Prof. Dr. Jos Francisco Gonalves Jnior

    Braslia DF

    Maro de 2012

    O

    Dissertao de Mestrado apresentada

    ao Programa de Ps-Graduao em

    Ecologia da Universidade de Braslia,

    como requisito para obteno do ttulo

    de Mestre em Ecologia.

  • III

  • IV

    Aos meus pais e irmos, com todo o

    meu amor.

  • V

    s vezes ouo passar o vento; e s

    de ouvir o vento passar, vale a pena

    ter nascido.

    Fernando Pessoa

  • VI

    AGRADECIMENTOS

    Hoje celebro uma vitria que s foi possvel graas ao amor, confiana e amizade que foram

    confiados a mim, por todos aqueles que amo. A minha coragem e persistncia me trouxeram

    at aqui e estou muito feliz por ter vencido mais uma fase to importante da minha vida.

    Agradeo a Deus por iluminar toda a minha jornada e sempre colocar em meu caminho tantas

    oportunidades de crescimento e aprendizado...

    Aos meus pais, Lda e Maurcio, meus exemplos de vida. Dedico a vocs todas as minhas

    conquistas. Obrigado por todo o incentivo profissional, muitas vezes mesmo sem

    compreender a minha profisso. Agradeo por acreditarem em mim e me acolherem em todos

    os momentos em que aparentei cansao, insegurana e medo. Perdoem-me por talvez ter sido

    um pouco ausente nesses dois anos. O amor e apoio de vocs foi o que me manteve em

    Braslia e me fez acreditar que nenhum obstculo seria maior do que a minha vontade de

    vencer. Amo vocs!

    Aos meus irmos, to especiais, Maysa, Michelly, Mario Csar e Lus Henriques, agradeo

    pelo conforto da amizade e apoio de sempre. Mi, obrigado pelas longas conversas ao telefone

    e por sempre tentar fazer com que as coisas se tornassem mais fceis! Romilsom e Jos

    Eduardo, no h como negar que vocs tambm fazem parte de tudo isso, por todo o apoio

    que sempre deram a mim e a toda a minha famlia. bom saber que posso contar com todos

    vocs!

    Aos meus queridos sobrinhos: Joo Antnio, Maria Teresa e Ana Maysa. A alegria dessas

    crianas me motivou a cada dia!

    Agradeo Lena e Tio Sidi, pela generosidade em abrir as portas de sua casa em um

    momento to difcil. Sou muito grato pela hospitalidade e pacincia com a qual me

    receberam.

    Agradeo ao Prof. Dr. Jnior, pela orientao, por apostar na minha inexperincia e despertar

    em mim a curiosidade por essa nova linha de pesquisa. Obrigado pelo apoio, pela pacincia

    em todas as conversas e por ter me recebido de braos abertos em seu laboratrio. O seu

    acolhimento foi fundamental para a minha permanncia e concluso deste curso.

    Aos grandes amigos que fiz quando cheguei universidade: Elisa, Diego, Fernanda e

    Francisco Diogo. A certeza da amizade e companhia de vocs tornou os meus dias em

    Braslia mais felizes e interessantes. Jamais esquecerei cada momento vivido nesses dois

  • VII

    anos, sejam eles sob o estresse de cada prova de Comunidades at os to intensos happy

    hours na casa da Elisa. Elisa, impossvel no dizer que voc se tornou uma irm para mim,

    que me compreende incondicionalmente, sempre muito divertida e presente. Diego, voc se

    tornou um amigo leal. Seu otimismo e inteligncia foram motivadores nos dias em que as

    coisas pareciam no estar indo to bem assim. Fernanda, a nossa empatia e bom humor

    atriburam mais leveza at mesmo s situaes mais difceis. Diogo, a sua dedicao e boa

    vontade de sempre contriburam para a interpretao dos resultados estatsticos e finalizao

    deste trabalho.

    equipe do Laboratrio de Limnologia, pelo apoio e bons momentos compartilhados. As

    coletas de campo e as atividades dirias de laboratrio no poderiam ser mais divertidas.

    Obrigado pela amizade de todos vocs!

    equipe do Laboratrio de Ecologia de Ecossistemas pelas conversas e boas risadas, sempre

    garantidas em todos os cafs da tarde.

    Simone, pela amizade, motivao e apoio desde o processo seletivo do mestrado at a

    minha chegada a Braslia.

    Ao Jhonathan, Diogo e Renan por toda a pacincia e o suporte durante as anlises estatsticas

    do trabalho.

    Ao Renan e Cssia, pela companhia e por tornarem os momentos em casa um pouco menos

    solitrios.

    Prof.a Dr.

    a Adriana Medeiros, pela ateno, por ler meu trabalho e dar sugestes para a

    melhoria do mesmo. Agradeo a ajuda na interpretao e discusso dos dados e referncias

    indicadas.

    Ao Laboratrio de Processos e Qualidade de gua UFMG, em especial ao Prof. Dr.

    Francisco Antnio R. Barbosa e Maria Margarida Marques (Meg), pela recepo e

    fornecimento de dados.

    banca examinadora, Prof. Dr. Irineu Bianchini Jnior, Profa. Dra Gabriela Bielefeld

    Nardoto e Prof. Dr. Ludgero Cardoso Galli Vieira, por aceitarem o convite para a defesa.

    Agradeo todo o cuidado durante a leitura do meu trabalho e por todas as sugestes dadas,

    que contriburam para a melhoria da minha dissertao.

    Ao laboratrio de Limnologia e Ecologia de Bentos da UFMG, pelo suporte da infra-estrutura

    e logstica dada execuo deste projeto.

  • VIII

    toda a equipe envolvida no projeto: Qualidade ambiental das sub-bacias dos ribeires

    Ibirit e Pintados: uma proposta de gesto integrada do reservatrio de Ibirit, municpio de

    Ibirit MG e FUNDEP /UFMG.

    Petrobrs, pelo financiamento deste projeto.

    CAPES, pela concesso de bolsa de mestrado.

    Universidade de Braslia e ao Programa de Ps-Graduao em Ecologia, pela excelncia no

    ensino e todo o conhecimento adquirido.

    MUITO OBRIGADO

    A TODOS VOCS!

  • IX

    RESUMO

    A proliferao de macrfitas aquticas um problema recorrente em reservatrios brasileiros,

    causando danos qualidade da gua e prejuzos econmicos aos responsveis pelo seu

    gerenciamento. O potencial de crescimento dessas plantas gera um banco de detritos que,

    normalmente, acumula-se na zona litoral dos reservatrios e entra em processo de

    decomposio. A decomposio um processo ecolgico que depende de fatores fsicos,

    qumicos e biolgicos, influenciada basicamente pela qumica da gua, qualidade dos detritos

    e composio da comunidade associada. O objetivo deste estudo foi comparar os coeficientes

    mximos de decomposio (k) e avaliar a influncia da comunidade microbiana e de

    invertebrados aquticos sob a perda de massa de Eichhornia crassipes e Typha domingensis

    em um reservatrio eutrfico e oligotrfico. As macrfitas verdes foram coletadas no

    reservatrio eutrfico e, em laboratrio, estas foram pesadas, secas ao ar e colocadas em

    litter bags (malha de 10 mm), que foram incubados nos dois reservatrios. Quatro replicatas

    foram retiradas nos tempos amostrais 7, 15, 30, 60, 90 e 120 dias. As variveis fsicas e

    qumicas da gua foram mensuradas a cada ida ao campo. Os coeficientes de decomposio

    foram calculados a partir do modelo de decaimento exponencial negativo e a caracterizao

    qumica inicial dos detritos foi feita para ambas as espcies. A densidade de leveduras foi

    estimada pela contagem das colnias e a biomassa microbiana total e de fungos foi avaliada

    pela quantificao das concentraes de ATP e ergosterol, respectivamente. Os resultados

    revelam uma elevada perda de massa em sete dias devido lixiviao e ambas as espcies se

    decompuseram mais rpido no reservatrio eutrfico (E. crassipes; k = 0,033 dia -1 e T.

    domingensis; k = 0,024 dia -1) do que no oligotrfico (E. crassipes; k = 0,027 dia -1 e T.

    domingensis; k = 0,010 dia -1). A qualidade dos detritos influenciou a perda de massa inicial

    entre as espcies, bem como a colonizao por micro-organismos e invertebrados aquticos.

    Em relao comunidade microbiana, a participao das bactrias no processo de

    decomposio parece ter sido mais importante no reservatrio eutrfico, enquanto os fungos

    foram mais relevantes no oligotrfico. A comunidade de invertebrados aquticos diferiu

    quanto riqueza e densidade de organismos entre os reservatrios, provavelmente devido s

    diferenas na qualidade da gua. Os resultados indicam que a maior disponibilidade de

    nutrientes (N- total, NH4+, NO2

    -, NO3

    -, p- total, PO4

    -), bem como as variaes nas

    concentraes de oxignio dissolvido e na temperatura da gua podem ter acelerado o

    processo de decomposio, afetando a estrutura e a atividade da comunidade microbiana, bem

    como a composio de invertebrados. T. domingensis (decomposio lenta) capaz de reter

    por mais tempo os nutrientes em seus tecidos, podendo ser utilizada em estratgias de manejo

    dos nutrientes no reservatrio, enquanto E. crassipes (decomposio rpida) devolve ao

    sistema, em um curto espao de tempo, grandes quantidades de nutrientes, dificultando o

    controle da eutrofizao.

    Palavras chave: Composio qumica, eutrfico, eutrofizao, invertebrados aquticos,

    micro-organismos, oligotrfico.

  • X

    ABSTRACT

    The proliferation of macrophytes is a recurrent p