Centro Catequético D. Gabriel Introdução ao Curso de Catequética...

Click here to load reader

  • date post

    17-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    104
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Centro Catequético D. Gabriel Introdução ao Curso de Catequética...

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Centro Catequtico D. Gabriel Introduo ao Curso de Catequtica (4 Aula)
  • Slide 3
  • A Catequese Renovada da CNBB (1983) A CNBB em 15/04/1983 na 21 Assemblia Geral aprovou o documento Catequese renovada: orientaes e contedo. o documento mais importante para a Igreja do Brasil em termos de catequese e tem, realmente, impulsionado a renovao da catequese nestes ltimos anos. o nosso Diretrio Catequtico Nacional.
  • Slide 4
  • Estas orientaes catequticas, inspiradas nos documentos da Igreja (Vaticano II, Medelln, Puebla, Evangelii Nunciandi e Catechesi Tradendae), querem ser uma resposta aos apelos do papa Joo Paulo II, na sua visita ao Brasil (1980), quando ento nos dizia: "A Catequese uma urgncia. S posso admirar os pastores zelosos que em suas Igrejas procuram responder concretamente a essa urgncia, fazendo da catequese uma prioridade" (Encontro com os Bispos em Fortaleza - 10/07/80). Apresentamos 12 caractersticas da catequese renovada.
  • Slide 5
  • Como anda a catequese em sua parquia? 1. Educao para a vivncia da f: 2. Vivncia da f em comunidade: 3. Processo permanente de educao da f: 4. Catequese cristocntrica: 5. Ministrio da Palavra: 6. Coerncia com a Pedagogia de Deus: 7. Catequese transformadora e libertadora: 8. Catequese inculturada: 9. Interao f-vida: 10. Catequese integrada nas outras pastorais: 11. Fonte de espiritualidade: 12. Opo preferencial pelos pobres: [1] [2]
  • Slide 6
  • Slide 7
  • Padroeira da Msica, Santa Ceclia foi uma jovem de suave beleza que, com inquebrantvel fora de nimo e possuda da mais ardente f, professou e difundiu o Cristianismo. Interpretada pelos mais notveis pintores, escultores e poetas, sempre lhe foram atribudos os mais variados smbolos musicais, embora com particular predileo pelo rgo. Isso deve-se em grande parte ao carter religioso que, a partir do sculo XV, se atribui a este instrumento. Historicamente as mais antigas referncias no lhe conferem dotes particulares de musicalidade. Sabe-se, contudo, que era uma jovem patrcia muito culta, pertencendo a uma das mais ilustres famlias de Roma pelo que, tendo recebido esmerada educao, a prtica da msica ser-lhe-a habitual, tocando, provavelmente, algum instrumento mais consentneo com a sua feminilidade, como a harpa, a lira ou o saltrio, pois o rgo, com que to frequentemente representada, era ainda um instrumento grosseiro e pouco difundido.
  • Slide 8
  • Segundo uma " Paixo " publicada no sculo V para satisfazer a curiosidade dos peregrinos que visitavam a primitiva Igreja " in Trastvere " dedicada sua memria em Roma, Ceclia, desposada contra vontade por imposio de seus pais, cumpriu o voto de castidade, j anteriormente formulado fazendo saber a Valeriano - o noivo - que a sua alma, bem como o seu corpo, estavam consagrados a Deus. Valeriano sentiu-se tocado pela pureza daqueles propsitos e, no s prometeu respeitar tais votos, como, procurando o venerando bispo Urbano, que exercia o ministrio sacerdotal escondido nas catacumbas, recebeu das suas mos o batismo. Ao regressar, encontrou Ceclia em orao e um anjo a seu lado. Este, que tinha duas coroas na mo, colocou uma sobre a cabea da jovem e a outra sobre a de Valeriano. Penetrado pela graa, o nobre prncipe romano, anima seu irmo Tibrcio a receber igualmente o batismo. Entretanto recrudescia a perseguio aos cristos e os dois irmos davam-se piedosa misso de recolher os corpos daqueles confessores da f a quem as autoridades imperiais recusavam um lugar nos cemitrios. Pouco depois foram tambm eles presos e decapitados. Por sua vez, Ceclia foi igualmente presa por ter ousado dar-lhes sepultura na sua "vila" da Via pia onde, com grande fervor, exercia a caridade acudindo aos pobres e protegendo os perseguidos. Colocada perante a alternativa de sacrificar aos deuses de Roma ou a morrer, no hesitou e disps-se ao sacrifcio. Quando, durante os interrogatrios, o prefeito Almquio lhe lembrava ter sobre ela direito de vida e de morte, respondeu : " falso, porque podes dar-me a morte, mas no me podes dar a vida." Almquio condenou-a a morrer asfixiada por vapor mas, como Ceclia sobreviveu a esse suplcio, ordenou que lhe cortassem a cabea. O carrasco, por impercia ou por ter vacilado ante a serenidade Anglica da condenada, depois de trs golpes sucessivos no chegou a decepar a formosa cabea deixando a mrtir em dolorosa agonia.
  • Slide 9
  • S passados trs dias exalou o ltimo suspiro e todos quantos haviam presenciado o modo sublime como aceitara tamanha provao, convertidos por tal exemplo mesma f, suplicavam a sua intercesso para que, na hora suprema, tivessem o mesmo valor e herosmo por ela demonstrados, mesmo nas maiores angstias. Nas "Atas" do martrio de Santa Ceclia, que se cr tenha ocorrido no ano de 230, l-se : Enquanto ressoavam os rgos, a Virgem Santa Ceclia, no ntimo da sua mente, s a Deus se dirigia e cantava : "Permiti, Senhor, que o meu corao e o meu corpo permaneam imaculados ", " Cantantibus organis Caecilia Domino decantabat dicens..." Tomando falsamente a palavra "organis" (designao sumria de instrumento) por rgo, os pintores j no sculo XV a fantasiavam tangendo-o como acompanhador dos seus piedosos cnticos.
  • Slide 10
  • O DIRETRIO GERAL PARA A CATEQUESE de 1997 1. Prefcio: apresentao geral - gnese, diviso, finalidade e destinatrios 2. Exposio Introdutria - O anncio do Evangelho no mundo contemporneo. Espcie de ver a realidade; uma viso pastoral (misericordiosa, no dialtica) do mundo a ser evangelizado. So levantados os grandes desafios enfrentados pela Igreja na obra da evangelizao e catequese hoje.
  • Slide 11
  • 3. Primeira Parte: A catequese na misso evangelizadora da Igreja. 3 captulos teolgico-pastorais= 1. Revelao e Evangelizao (elementos teolgicos); 2. Evangelizao e Catequese (catequese a servio da: iniciao crist, da educao permanente da f; da iniciao escolar); 3. Natureza, finalidade e tarefas da Catequese (entrar em comunho com Jesus Cristo, catecumenato). 4. Segunda Parte: A Mensagem evanglica. 2 captulos em torno da Mensagem. 1. Critrios gerais da apresentao da Mensagem e 2. Os instrumentos para transmisso da mensagem = Catecismos (Catecismo da Igreja Catlica [apresentao, finalidade, inspirao, uso] e catecismos locais). A sinfonia da f entre o DGC e o CaIC.
  • Slide 12
  • 5. Terceira Parte: A Pedagogia da F. 2 captulos sobre a Pedagogia Divina; 1. um captulo mais teolgico = a pedagogia original da f; 2. um outro captulo mais das cincias humanas = metodologia 6. Quarta Parte: Os destinatrios da Catequese. 5 breves captulos sobre os Destinatrios (Interlocutores) = 1. Normas Gerais sobre adaptao aos destinatrios; 2. Catequese por Idades (adultos, jovens, crianas, ancios); 3. Catequese em situaes especiais (portadores de deficincia, marginalizados, minorias); 4. Catequese em situaes scio- religiosas (pluralismo, religiosidade popular, ecumenismo, judasmo, outras religies, novos movimentos religiosos); 5. Catequese no contexto scio-cultural (inculturao).
  • Slide 13
  • 7. Quinta Parte: A Catequese na Igreja Particular. 4 captulos: 1. O ministrio da catequese e seus agentes; 2. Formao de catequistas; 3. Lugares e vias da catequese (comunidade, famlia, catecumenato, parquia, escolas, associaes, CEBs); 4. A organizao da catequese (organizao, coordenao e tarefas). O Diretrio termina com um ndice Temtico interessante
  • Slide 14
  • Se desejamos que uma mensagem de amor seja ouvida, ela tem que ser enviada. Para mantermos uma lmpada acesa, temos de colocar o leo nela. Fique perto de Jesus Ele te ama Vamos orar Deus te abenoe M. Teresa.
  • Slide 15