Cade o brincar

Click here to load reader

  • date post

    11-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    182
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Cade o brincar

FLVIA CRISTINA OLIVEIRA MURBACH DE BARROS

CAD O BRINCAR? DA EDUCAO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

ASSIS 2008

1

FLVIA CRISTINA OLIVEIRA MURBACH DE BARROS

CAD O BRINCAR? DA EDUCAO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

Dissertao apresentada Faculdade de Cincias e Letras de Assis UNESP Universidade estadual Paulista, para a obteno do ttulo de Mestre em Psicologia (rea de conhecimento: Psicologia e Sociedade). Orientadora: Profa. Dra. Elizabeth Piemonte Constantino

ASSIS 2008

2

Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP) Biblioteca da F.C.L. Assis UNESP

B277c

Barros, Flvia Cristina Oliveira Murbach de Cad o brincar? da educao infantil para o ensino fundamental / Flvia Cristina Oliveira Murbach de Barros. Assis, 2008. 193 f.; il. Dissertao de Mestrado Faculdade de Cincias e Letras de Assis Universidade Estadual Paulista. 1. Psicologia infantil. 2. Crianas - Desenvolvimento. 3. Educao de crianas. I. Ttulo. CDD 155.4 372.21

3

4

Pelo contrrio, o cem existe. A criana feita de cem A criana tem cem lnguas cem mos cem pensamentos cem modos de pensar, de brincar e de falar. Cem, sempre cem modos de escutar de admirar-se e de amar cem alegrias para cantar e compreender cem mundos para descobrir cem mundos para criar cem mundos para sonhar. A criana tem cem lnguas (e depois cem, cem, cem) mas so-lhe roubadas noventa e nove A escola e a cultura separam-lhe a cabea do corpo. Dizem-lhe: para pensar sem as mos, para fazer sem a cabea, para escutar e no falar, para compreender sem alegria, para amar e maravilhar-se somente na Pscoa e no Natal. Dizem-lhe: para descobrir o mundo que j existe e de cem roubaram-lhe noventa e nove. Dizem-lhe: o jogo e o trabalho a realidade e a fantasia a cincia e a imaginao o cu e a terra a razo e o sonho so coisas que no esto juntas. Dizem-lhe, enfim, que o cem no existe A criana diz: pelo contrrio, o cem existe. Loris Malaguzzi

Ao sobrinho Carlos Augusto A sobrinha Brbara Ao afilhado Leonanrdo E a todas as crianas

5

AGRADECIMENTOS

professora Beth, orientadora (Prof Dr. Elizabeth Piemonte Constantino). Pela dedicao para com a minha pesquisa, pela pacincia nos meus muitos momentos de ansiedade, pela liberdade de expresso e por confiar em meu trabalho. A cada momento que passamos juntas, trocamos idias, discutimos teorias e compartilhamos novas experincias, mas o melhor de tudo isso, so os laos de amizade fortalecidos. Ao CNPq Pelo relevante recurso financeiro, indispensvel para o desenvolvimento desta pesquisa. Ao professor Serginho (Prof. Dr. Mrio Sergio Vasconcelos).Pelo interesse e ateno em minha pesquisa. Nos vimos pela primeira vez no Colgio em que eu trabalhava, depois, nos encontramos na ps-graduao. Ganhei um livro, o qual s veio a me enriquecer. S tenho a dizer, obrigada pelas oportunidades de mostrar meu trabalho e o quanto acredito no que fao. Gostaria de agradecer essencialmente por ter-me confiado a superviso da brinquedoteca do hospital durante este ano de 2008, sendo esta, uma experincia enriquecedora, diferente e muito importante. A maravilhosa oportunidade de realizar a exposio de fotografias e brinquedos juntamente com a colaborao dos alunos e alguns professores. Mais uma vez, muitssimo obrigada. professora Dr. Sueli Guadelupe de Lima Mendona por acreditar em mim....Eu quero ser bolsista, quero ser pesquisadora. Muito obrigado por ter aceitado ser minha orientadora PIBIC/reitoria CNPq, e de mesmo aps a passagem dos anos, continuar me acompanhando em minha trajetria acadmica. Seu exemplo de militncia em defesa da educao fez-me acreditar que nunca devemos desistir, e que fazemos a diferena. Aos queridos professores de graduao em pedagogia, Maria Valria Barbosa Verssimo, Suely Amaral Mello, Stella Miller, Dagoberto Buim Arena, Cyntia Graziella G. Simes Girotto, e Jos Carlos Miguel, por terem sido to importantes na minha formao na perspectiva da teoria histrico cultural. Ao Ncleo de Ensino da Unesp de Marilia, pela relevncia que teve na minha formao acadmica e pessoal. professora Suely Amaral Mello, por ter me escolhido para ser uma das suas primeiras bolsistas no projeto brinquedoteca. Jamais esquecerei nossas experincias que juntas compartilhamos. Os brinquedos que construmos...as viagens s brinquedotecas... as discusses sobre o brincar....

6

Aos professores da ps-graduao Jos Luiz Guimares, Olga Ceciliato Mattioli, Elisabeth da Silva Gelli, pelas disciplinas oferecidas, essenciais para o desenvolvimento deste trabalho. A minha espiritualidade, o qual me ilumina. Aos meus amados pais, Maria Angela e Jos Luiz, pela importante mediao durante minha infncia. A cada brinquedo que ganhei...A cada livro que li....A cada quebra-cabea que montamos juntos....tantos momentos inesquecveis me fizeram acreditar que posso acreditar que necessrio acreditar sempre. minha Vov Ana, (in memorian) por ter brincado tantas vezes comigo, por ter assistido nossas apresentaes de brincar de circo, de teatro, de casinha..... Ao meu irmo Flvio, companheiro de tantas brincadeiras, de circo, de teatro, de Jaspion, de bola, de elstico, de bolinha de gude, de carrinho, de boneca, de quebra-cabea, de cobracega, de subir na mangueira, de andar de bicicleta, de jogar dama, de jogar jogo da velha, de brincar de stop, de brincar de escolinha..... s minhas professoras Ivone (da pr-escola) e a professora Ilma (in memorian) da terceira srie, por terem me permitido brincar...brincar....brincar na escola. s minhas amigas de infncia Patrcia Ferreira, Roberta Stopa, aos primos, e a crianada da Vila Margarida (Ourinhos) por tantas brincadeiras de rua que juntos compartilhamos. Era bets, era bola, era pique, era amarelinha, era esconde-esconde.... Aos grandes e sempre amigos de longa data Nadya e Yoshio, pela fora nesta trajetria. Foram livros enviados, foram visitas juntos as grandes livrarias de So Paulo. Muito obrigada. Ao meu querido e amado marido Alexandre, que durante os doze anos que estamos juntos, mostrou-se alm de companheiro, ser amigo, ponderador, paciente, compreensivo e amvel. Durante a composio desta dissertao me apoiou a cada pgina escrita, congressos, ou cursos que participei. No h palavras que possa mensurar o quanto importante pra mim. amiga Aline, companheira do projeto brinquedoteca durante a graduao, militante em defesa dos direitos das crianas. Nossa luta compartilha a sede por uma educao mais justa e igualitria. amiga Cassiany pelas ricas discusses sobre a educao infantil. Aos amigos Nadia, Luciano e Jos Roberto por tantas trocas de experincias Ao grupo de pesquisa Leitura e Ensino, professora Sonia M. Brochado Dechandt (Fafija UENP - Jacarezinho) e ao amigo Luiz Antonio Xavier Dias, pelas significativas trocas tericas no grupo e pela oportunidade de mostrar o quanto as crianas podem ler o mundo atravs da brincadeira.

7

.

Aos colegas de ps-graduao Tatiane, Fabola, Lucinia, Alessandra Oliveira, Guilherme e Daniela, por nossos ricos dilogos tericos, discusses e reflexes. Sofia, Thassia, Ana Karina, Rodrigo, Cidinha, Mardnio, Ftima, Jos Roberto, Luciana, Adriana, Flvia, Joana, Victor, Fabio, Hlio, Lvia e Josimary, pelas nossas reunies de descontrao, pela nossa amizade que floresceu. Ao SAEPE (Seo de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extenso), em especial ao amigo Srgio com suas importantes contribuies tcnicas de informtica. s escolas, por oportunizar o espao para a realizao da pesquisa. professora Dr. Maria Slvia Pinto de Moura Librandi da Rocha pelo interesse em meu trabalho, contribuindo com referencias a respeito. Aos alunos do projeto Brinquedoteca Psicologia no do Hospital 2008, pela confiana e pelo companherismo, pela riqueza que me proporcionaram durante as supervises e encontros casuais, pela amizade que aqui fica... Aos professores Dr. Jorge Ferreira Abrao e Mestre Matheus Fernandes de Castro companheiros de superviso, pela rica oportunidade compartilhada. A todos que j foram meus alunos, da educao infantil a graduao, So vocs que me inspiram a nunca desistir de que a educao o mvel principal da transformao social.

Obrigada

8

Brincar com crianas no perder tempo, ganh-lo; se triste ver meninos sem escola, mais triste ainda v-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exerccios estreis, sem valor pra formao do homem.

Carlos Drummond de Andrade

9

BARROS, Flvia Cristina Oliveira Murbach de. Cad o brincar? da Educao Infantil para o Ensino Fundamental. 2008. 193 f. Dissertao (Mestrado em Psicologia) Faculdade de Cincias e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, SP, 2008.

RESUMO

A presente pesquisa, fundamentada na perspectiva histrico-cultural, tem como objetivo identificar as caractersticas do brincar das crianas nas idades de 6 e 7 anos, perodo de passagem da Educao Infantil para o Ensino Fundamental. Pretende, ainda, saber como os educadores oportunizam espaos para o brincar e como o fazem, investigando se possvel verificar os fatores delimitadores dessa prtica. A escolha dessa faixa etria se justifica, considerando que as instituies escolares reduzem, cada vez mais, os espaos do brincar das crianas sob sua responsabilidade, haja vista, por exemplo, o recente parecer do Conselho Nacional de Educao (CNE/CEB n 18/2005, Lei n 11.274 de 6/02/06, ainda no em vigor, em todo o territrio nacional), que acaba por priorizar a alfabetizao, desconsiderando as especificidades prprias da criana. Nesse sentido, tanto a Educao Infantil como o Ensino Fundamental participam de um processo de preparao da criana para a alfabetizao, priorizando o uso do material apostilado de ensino, destacado neste trabalho como um dos principais fatores delimitadores do brincar, principalmente na educao infantil. Para a realizao da pesquisa, utilizou-se a abordagem etnogrfica, concebida como um importante instrumento, pois possibilita maior interao com as