Aula arcadismo

Click here to load reader

  • date post

    23-Jun-2015
  • Category

    Education

  • view

    836
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Aula arcadismo

  • 1. Arcadismo (Neoclassicismo)

2. Caractersticas gerais: arte mais baseado no racional do que no sensitivo (ao contrrio do barroco) vinculao ao Iluminismo domnio da razo imitao dos clssicos aproximao natureza simplicidade ausncia de subjetividade amor galante 3. Iluminismo Movimento intelectual surgido no fim do sculo XVII que diz que todas as coisas podem ser compreendidas, resolvidas e decididas pela razo. A razo o guia infalvel da verdade. 4. Imitao dos clssicos A imitao significa, aqui, seguir modelos, e no copi-los. Os escritores rcades buscavam nos clssicos a racionalidade e a simplicidade. Alm disso eles acreditavam encontrar nos modelos da cultura greco-romana a mais perfeita representao da natureza. "Fazer poesia (literatura) pintar com palavras" - Horcio 5. Aprximao natureza Vimos, portanto, que os rcades buscavam nos clssicos uma perfeita imitao da natureza. Eles buscam na vida natural uma simplicidade e harmonia que no estava presente na obra barroca, de carter mais urbano. A obra rcade cultua a serenidade da natureza, a integrao serena, tranquila, entre indivduo e paisagem natural. essa integrao chamamos bucolismo. Essa aproximao se d por meio de uma literatura chamada pastoril. Nela acontece a representao da tranquilidade da vida no campo. Isso tudo, entretanto, era mais uma conveno do que um modo de vida real dos poetas. Por isso podemos enxergar nessa poesia uma certa artificialidade. 6. Simplicidade Verdade = razo = simplicidade Ao contrrio das contradies e confuses barrocas, os artistas rcades buscavam a simplicidade. E onde eles a encontravam? Como j vimos, na imitao da natureza e das obras da Antiguidade clssica. 7. Ausncia de subjetividade O artista rcade contra os sentimentos extravagantes. Sua busca pela simplicidade, pelos sentimentos mdios, comuns, genricos. A individualidade do poeta acaba escondida. Mesmo nas poesias de amor o poeta rcade respeita um jogo de etiquetas, de gestos elegantes e nunca demonstra uma paixo impulsiva, exagerada. Essa poesia de amor educada e que respeita as etiquetas chamada de poesia de amor galante: uma poesia caracterstica do Arcadismo. 8. Arcadismo no Brasil Descoberta de ouro no interior do Brasil (Minas Gerais) Riqueza rpida Formao de uma clsse mdia: comerciantes que invadem o espao urbano dessas cidades recem surgidas e todo o aparato da burocracia estatal portuguesa que vem fiscalizar a tributao do ouro Surgimento de arcdias e academias literrias onde acontecem saraus e debates sobre questes estticas Formao de um pblico leitor 9. Inconfidncia mineira (1789) Endividamento devido alta carga tributria imposta pela metrpole Circulao de ideias iluministas Independncia americana (1776) Participao de poetas rcades 10. Formao de sistema literrio autores obras na mesma lngua e mesma perspectiva esttica pblico leitor permanente 11. Cludio Manuel da Costa (1729 - 1789) Poeta de transio entre o barroco e o arcadismo (racionalmente um rcade, emotivamente um barroco) Gosto pela anttese e pelo soneto (caractersticas barrocas) Temticas semelhantes s barrocas, tais como o desencanto com a vida e a brevidade do amor e dos demais sentimentos 12. "Destes penhascos fez a natureza O bero em que nasci! Oh, quem cuidara Que entre penhas* to duras se criara Uma al terna, um peito sem dureza!" *rochas 13. Toms Antnio Gonzaga (1744 - 1810) Principal obra: Marlia de Dirceu (dividida em tres partes) Na parte I, escrita quando o poeta estava em liberdade, temos os poemas mais caracteristicamente rcades de sua obra, seus principais aspectos so: - vida poastoril - recusa a intensificar a subjetividade - o canto da natureza convencional - galanteria - clareza de estilo - desejo da vida comum 14. "T, Marlia, agora vendo Do Amor o lindo retrato Contigo estars dizendo Que este o retrato teu. Sim, Marlia, a cpia tua, Que Cupido Deus suposto: Se h Cupido, s teu rosto Que ele foi quem me venceu." Lira II 15. "O ser heri, Marlia, no consste Em queimar os Imprios: move a gerra, Espalha o sangue humano, E despovoa a terra Tambm o mau tirano. Consiste o ser heri em viver justo: E tanto pode ser heri o pobre, Como o maior Augusto." Lira XXVII 16. A parte II de Marlia de Dirceu foi escrita na priso, nela prevalecem: - Tom de desabafo - Tristeza pelo sofrimento vivido por Dirceu - Caractersticas vistas como pr-romnticas: subjetividade, sentimentalidade "Eu tenho um corao maior que o mundo, Tu formosa Marlia, bem o sabes: Um corao, e basta: Onde tu mesma cabes" 17. A parte III de Marlia de Dirceu foi publicada em condies confusas, rene material de valor expressivo diversificado e no fim das contas, no acrescenta nada ao sentido final da obra. 18. Baslio da Gama (1741 1795) Principal obra: O Uraguai (1769) - Tentativa de poema pico dividido em 5 cantos - Versos brancos (sem rimas) decasslabos - Tema: tomada das misses jesuticas pela expedio de Gomes Freire, em 1756, cumprindo o tratado de Madrid. - Dedicado ao Senhor Conde de Oeiras (irmo do Marqus do Pombal) 19. O Uraguai (1769) O poema se inicia pela reunio das tropas portuguesas e espanholas sob o comando de Gomes Freire de Andrade, que, primeiramente, em longa fala, descreve a guerra informando sobre os motivos histricos da obra. O canto dois dedicado narrativa da batalha travada entre os ndios e conquistadores brancos, cabendo a vitria aos portugueses e espanhis. No terceiro canto surge a sombra de um chefe indgena desaparecido em combate, que aconselha o cacique Cacambo a incendiar o acampamento dos brancos e a fugir. O cacique acata o conselho e depois de voltar a sua aldeia encontra o jesuta Balda que manda prend-lo e o envenenar. 20. Paralelamente, a feiticeira Tanajura faz Lindia, mulher de Cacambo, ter vises, e ela de modo pouco claro contempla nessas vises a cidade de Lisboa, destruda pelo terremoto de 1755 e, a seguir, reconstruda. Aqui, transparece o objetivo de Baslio da Gama de lembrar a figura do Marqus do Pombal. O canto quarto nos mostra o encontro dos ndios para a cerimnia de casamento de Lindia com o ndio Baldeta, protegido e suposto filho do jesuta Balda. A herona Lindia, entretanto, suicida-se, deixando- se picar por uma cobra. Neste momento, as tropas portuguesas e espanholas j se achavam nas cercanias da aldeia e os ndios batem em retirada. Por fim, o quinto e ltimo canto descreve um templo religioso, os crimes cometidos pelos jesutas e a priso dos religiosos. 21. Caractersticas Fracassa como pico, mas possui fora no lirismo e poeticidade Tenta glorificar tanto o conquistador europeu quanto o ndio. O alvo de suas crticas so os jesutas. Por tentar valorizar os ndios, lido por alguns crticos como um precursor do indianismo, que vir a ser um assunto valorizado pelos autores do Romantismo. 22. Leia as afirmaes abaixo sobre o Arcadismo brasileiro. I - Os poetas rcades colocavam-se como pastores para realizarem, dessa forma, o ideal de uma vida simples em contato com a natureza. II - O Arcadismo brasileiro, embora tenha reproduzido muito dos modelos europeus, apresentou caractersticas prprias, como a incorporao do elemento indgena e a stira poltica. III- O tema do Carpe diem, em que o poeta expressa o desejo de aproveitar intensamente o momento presente, fugaz e passageiro, foi ignorado pelos rcades brasileiros, excessivamente racionalistas. Quais esto corretas? 23. (A) Apenas I (B) Apenas III (C) Apenas I e II (D) Apenas II e III (E) I, II e III 24. A alternativa certa a letra C. As afirmativas I e II so verdadeiras, mas a III falsa, pois o carpe diem no foi ignorado pelos rcades brasileiros.