4ª OFICINA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉ · PDF file4ª OFICINA DE...

Click here to load reader

  • date post

    09-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of 4ª OFICINA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉ · PDF file4ª OFICINA DE...

  • 4 OFICINA DE PLANEJAMENTO E GESTO ESTRATGICA

    Salvador, 03 a 05 de dezembro de 2012

    http://www.vigilanciaemsaude.ba.gov.br/http://www.vigilanciaemsaude.ba.gov.br/sites/default/files/noticia/imagens/2012/04/20/PDG 2 release 1_0.JPG

  • Flash Back do que aprendemos juntos:

    MISSO: Por que existimos? VALORES: O que importante para ns? VISO: O que queremos ser? ESTRATGIA: Qual caminho a ser seguido?

  • IDENTIDADE ORGANIZACIONAL

    Voltar flash back

  • MISSO:

    Contribuir para a universalidade do acesso as aes de vigilncia laboratorial de interesse para a sade pblica e integralidade da ateno sade da populao.

    Universalidade do Acesso constitui-se num direito de todos os cidados a uma ateno sade equnime, humana, resolutiva e de qualidade, que priorize o direito individual e coletivo, a participao e a gesto democrtica e compartilhada das aes e/ou servios de sade pblica.

    Vigilncia Laboratorial - conjunto de aes transversais aos demais sistemas de vigilncia em sade, que propiciam o conhecimento e investigao diagnstica de agravos e verificao da qualidade de produtos de interesse de sade pblica, mediante estudo, pesquisa e anlises de ensaios relacionados aos riscos epidemiolgicos, sanitrios, ambientais e da sade do trabalhador.

    Integralidade da Ateno Sade - princpio organizativo do SUS que estabelece direito de atendimento do cidado de forma plena, mediante aes articuladas e coordenadas de promoo, preveno e recuperao, com garantia da ateno nos trs nveis de complexidade do sistema, integrando aes curativas e preventivas, individual e coletiva.

    Voltar flash back

  • Nossos VALORES Compartilhamos coletivamente de

    crenas que espelham cotidianamente condutas

    desejveis ambincia social e ao desempenho profissional e

    organizacional, a saber:

    Prximo slide

  • Respeito ao cidado e ao seu direito sade

    Todas as pessoas so cidados de direito e a sade um direito constitucional que se fundamenta nos princpios de universalidade, integralidade, equidade, participao e controle social.

    Acolhimento e cuidado humanizado

    Escutar, dialogar, aceitar, incluir e reconhecer as pessoas e suas necessidades so atitudes que perpassam todos os nveis da organizao e requer a construo de relaes de confiana, entendimento e reciprocidade entre trabalhadores, gestores e usurios.

    Respeito s diversidades individuais e coletivas

    Somos seres diferentes e como tal, o respeito diversidade implica aceitar as diferenas tnicas, sociais, culturais, espirituais, religiosas, de gnero e de orientao sexual.

    VALORES

    Prximo slide

  • tica nas relaes sociais e interinstitucionais

    O estabelecimento de relaes intra e interinstitucionais, devem ser fundamentadas nos valores de cooperao entre as pessoas e organizaes, acolhimento das demandas e respeito no cumprimento dos prazos.

    Valorizao e reconhecimento pessoal e profissional

    Reconhecimento do valor social do trabalhador em sade como pessoa, profissional e agente de transformao organizacional, promovendo o desenvolvimento contnuo de suas capacidades humanas e competncias tcnicas e gerenciais.

    Trabalho em equipe com gesto compartilhada e solidria

    Atuao interdisciplinar, que requer integrao, envolvimento, compartilhamento de prticas, saberes, decises e comprometimento coletivo com o desempenho organizacional.

    VALORES

    Prximo slide

  • Comunicao e transparncia

    Respeito ao direito individual e coletivo de expresso e compromisso tico com a publicidade das aes e prestao de contas sociedade.

    Responsabilidade social e ambiental

    Compromisso em atender as expectativas e necessidades da sociedade, contribuindo com aes, programas e/ou projetos que promovam o desenvolvimento social e ambiental.

    VALORES

    Voltar flash back

  • VISO: Ser at 2015, uma unidade de vigilncia laboratorial articulada em rede, descentralizada e regionalizada, com excelncia na gesto da qualidade.

    Unidade de Vigilncia Laboratorial Laboratrio Central de Sade Pblica (LACEN-BA), atuando como unidade de retaguarda especializada para realizao de anlises laboratoriais de mdia e alta complexidade.

    Articulada em Rede, Descentralizada e Regionalizada Rede Estadual de Laboratrios de Sade Pblica (RELSP), coordenada pelo LACEN-BA e gerida compartilhadamente junto ao Laboratrio Estadual do Centro de Referncia em Doenas Endmicas Piraj da Silva (PIEJ - Jequi) e Laboratrios Municipais de Referncia Regional (LMRR), localizados nos 28 municpios sede de microrregionais de sade e nos municpios de Bom Jesus da Lapa e Luis Eduardo Magalhes, bem como Laboratrios Regionais de Vigilncia da Qualidade da gua e Entomologia (LVQAE) sediados nas Diretorias Regionais de Sade (DIRES), com envolvimento e participao colegiada dos 417 municpios do estado, observando-se os critrios de abrangncia estabelecidos no Plano Diretor de Regionalizao (PDR).

    Excelncia na Gesto da Qualidade Reconhecimento pela excelncia das boas prticas de gesto em rede e manuteno no mais elevado nvel de classificao estabelecida pelas Portarias GM/MS N 2.606 e 3.271.

    Voltar flash back

  • MACRO PROBLEMA DA VIGILNCIA LABORATORIAL

    Baixa cobertura diagnstica de doenas, agravos e/ou monitoramento de ambientes e produtos de interesse para a sade pblica, com alta concentrao das aes de vigilncia laboratorial no LACEN-BA e reduzida capacidade de sustentabilidade das unidades descentralizadas pelo poder local.

    DESCRITORES

    d1:Baixa cobertura diagnstica de doenas, agravos e/ou monitoramento de ambientes e produtos de interesse para a sade pblica no Estado da Bahia.

    d2: Alta concentrao das aes de vigilncia laboratorial no LACEN-BA.

    d3: Reduzida capacidade de sustentabilidade das unidades descentralizadas pelo poder local.

    Prximo slide

  • Posicionamento almejado para 2015 Viso 2015

    Relao de causa e efeito entre os componentes

    Desdobramento do mapa em eixos de atuao

    Resultados almejados por temas estratgicos e perspectivas Mensurao do alcance dos objetivos estratgicos

    Projetos e aes a serem realizados para alcance dos objetivos

    Iniciativas Estratgicas

    Mapa Estratgico

    Temas Estratgicos

    Objetivos Estratgicos

    Indicadores e Metas

  • Articulao, Integrao, Qualidade e Sustentabilidade

    Perspectiva Processos Internos

    Perspectiva Sociedade

    Perspectiva Usurios e Parceiros Institucionais

    Perspectiva Aprendizado e Crescimento

    Promover articulaes intra e intersetoriais e integrar as prticas de

    vigilncia em sade

    Assegurar a qualidade, confiabilidade das

    anlises e gesto dos prazos

    Contribuir para a expanso e

    sustentabilidade da RELSP

    Desenvolver a cultura orientada gesto estratgica

    e avaliao de resultados

    Cultura Estratgica

    Promover a modernizao do

    parque tecnolgico

    Garantir infraestrutura e

    bem-estar ao trabalhador

    Infraestrutura e Tecnologia

    Captar pessoas e desenvolver

    competncias tcnicas e gerenciais

    Desenvolver a gesto da

    comunicao, informao e

    conhecimento

    Capital Social

    Consolidar a RELSP

    Fortalecer a imagem e a credibilidade

    organizacional

    Ampliar a acessibilidade s aes de vigilncia

    laboratorial

    Fortalecer a gesto logstica de suprimentos

    Ampliar e desenvolver a melhoria contnua do

    SGQB

    Excelncia Administrativa

    Ter eficincia e transparncia na gesto

    oramentria e financeira

  • Articulao, Integrao, Qualidade e Sustentabilidade

    Perspectiva Processos Internos

    Perspectiva Sociedade

    Perspectiva Usurios e Parceiros Institucionais

    Perspectiva Aprendizado e Crescimento

    Promover articulaes intra e intersetoriais e integrar as prticas de

    vigilncia em sade

    Assegurar a qualidade, confiabilidade das

    anlises e gesto dos prazos

    Contribuir para a expanso e

    sustentabilidade da RELSP

    Desenvolver a cultura orientada gesto estratgica

    e avaliao de resultados

    Cultura Estratgica

    Promover a modernizao do

    parque tecnolgico

    Garantir infraestrutura e

    bem-estar ao trabalhador

    Infraestrutura e Tecnologia

    Captar pessoas e desenvolver

    competncias tcnicas e gerenciais

    Desenvolver a gesto da

    comunicao, informao e

    conhecimento

    Capital Social

    Consolidar a RELSP

    Fortalecer a imagem e a credibilidade

    organizacional

    Ampliar a acessibilidade s aes de vigilncia

    laboratorial

    Fortalecer a gesto logstica de suprimentos

    Ampliar e desenvolver a melhoria contnua do

    SGQB

    Excelncia Administrativa

    Ter eficincia e transparncia na gesto

    oramentria e financeira

  • Funcionalidade em Rede, Inovao, Qualidade, Confiabilidade, Eficincia, Eficcia, Credibilidade e

    Sustentabilidade da RELSP.

    PROPOSTA DE VALOR

    Cidado Usurio

    Redes Estadual e Municipal de Vigilncia

    em Sade, SUVISA, Diretorias...

    LVQA LVE

    LMRR

    DIRES SMS

    Parceiros intersetoriais:

    COPERCICLA, ADAB, SAEB, Ministrio

    Pblico...

    Unidades de Sade e Centros de Referncia do SUS

    Ministrio da Sade (MS), LACENs de outros estados e rede de laboratrios de

    referncia nacional

    PBLICO ALVO, PARCEIROS INSTITUCIONAIS E PROPOSTA DE VALOR

  • Agora que j conhecemos nossos objetivos, que tal conhecermos nossos indicadores?

  • Articulao, Integrao, Qualidade e Sustentabilidade